Afonso Brazza (1955-2003)

Biografia

FOTO Afonso Brazza 01José Afonso Filho, em arte mais conhecido como Afonso Brazza, foi um ator, diretor, roteirista, montador e produtor brasileiro nascido em São João do Piauí (PI), em 1955.

Na sua terra natal, não perde uma sessão do Cine Amazonas, assistindo os western spaghetti italianos. Nessa época assiste o filme Gringo, o Último Matador e fica fã de Tony Vieira. Resolve então mudar-se para São Paulo, onde faz de tudo um pouco até conhecer Zé do Caixão, com quem começa a trabalhar.

Em 1975, estreia como ator numa ponta no filme A Filha do Padre, ao lado do ídolo Tony Vieira. Trabalha como ator, roteirista, editor, sonorizador, em quase 50 filmes. Nessa época, Brazza conhece Claudette Joubert, então esposa de Tony Vieira e musa dos filmes de baixo orçamento da Boca do Lixo. Anos mais tarde, se casaria e viveria com ela até morrer.

Na década de 1980, com a derrocada do cinema da Boca, muda-se para Gama, a 30 quilômetros de Brasília, e entra para o Corpo de Bombeiros. Resolve então fazer um filme, com as economias que guardara.

Em 1982, fica pronto O Matador de Escravos. Em seguida, produz Os Navarros e Santhion Nunca Morre, filmes feitos com parcos recursos financeiros e técnicos, mas que fazem sucesso na região.

Brazza costumava dizer que era o pior cineasta do mundo. Não se importava com as críticas às suas produções, famosas pelos erros de continuidade e pela trama recheada de clichês, uma garantia de diversão da plateia. Tiroteios inexplicáveis e mortes postiças. Foi da combinação de imperfeições, pelo orçamento sempre apertado, que Afonso Brazza deixou sua marca. Com espírito de equipe, os colaboradores do cineasta-bombeiro pipocavam às centenas e, com amadorismo delicioso, imprimiam, acima de tudo, diversão. Até recentemente, para economizar, usava negativos velhos. Fez sete filmes assim.

Tudo começou a mudar com o bom desempenho de público de Tortura Selvagem, lançado em agosto de 2001. O último filme concluído por Brazza, Fuga sem destino, tinha estreia prevista para agosto de 2003. O filme, com elenco de 600 pessoas, entre desconhecidos e ilustres como Liliane Roriz e Frank Aguiar, tem trama de ação policial: um condenado foge da prisão e volta à morada (o barco Titanic, no Lago Paranoá), mas não consegue se libertar da carreira ilícita. Brazza ainda deixou um filme inacabado: Candango Jango.

Morre em 29 de julho de 2003, aos 48 anos de idade, vítima de câncer no esôfago, em Gama, cidade-satélite de Brasília.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

2002 :: Candango Jango (Inacabado)
2002 :: Fuga Sem Destino
2001 :: Tortura Selvagem – a Grade
1998 :: No Eixo da Morte
1994 :: Gringo Não Perdoa, Mata
1993 :: Inferno no Gama
1991 :: Santhion Nunca Morre
1984 :: Os Navarros (Em Trevas de Pistoleiros entre Sexo e Violência)
1982 :: Matador de Escravos

:: Filmografia como Diretor de Fotografia ::

2002 :: Candango Jango (Inacabado)
2002 :: Fuga Sem Destino
2001 :: Tortura Selvagem – a Grade (cofot. Naji Sidki)
1998 :: No Eixo da Morte (cofot. Henrique Borges)
1994 :: Gringo Não Perdoa, Mata
1991 :: Santhion Nunca Morre
1984 :: Os Navarros (Em Trevas de Pistoleiros entre Sexo e Violência) (fot.: psd: José Afonso Filho, seu nome de batismo)
1982 :: Matador de Escravos

:: Filmografia como Ator ::

1998 :: No Eixo da Morte
1975 :: A Filha do Padre

:: Filmografia como Roteirista ::

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antônio Leão da. Dicionário de Fotógrafos do Cinema Brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.