Ankito (1924-2009)

Biografia

Anchizes Pinto, em arte conhecido como Ankito, foi um ator, cantor e humorista brasileiro nasceu em São Paulo (SP) em 26 de fevereiro de 1924. De família circense, seu pai é o palhaço Faísca e o tio o famoso Piolim.

Como artista, Ankito é um dos maiores nomes do período do cinema brasileiro conhecido como chanchada, ao todo, Ankito protagonizou 56 filmes, todos sucesso de bilheteria, como Os Três Recrutas, Marujo por Acaso, O Rei do Movimento, O Grande Pintor, Angu de Caroço e Metido a bacana, onde a dupla Ankito e Grande Otelo apareceu pela primeira vez no cinema, numa parceria de sucesso.

Pisou no picadeiro profissionalmente aos sete anos de idade, trazendo a expressão corporal do circo herdada pelo pai e pelo tio. Ao invés do riso, encarava o risco de vida no Globo da Morte. Em 1942, a experiência garante a sua participação, onze anos mais tarde, em shows no Cassino da Urca como ciclista, cômico-acrobático e acrobata, na época considerado um esporte que lhe dá por cinco vezes o título de campeão sul americano.

Logo depois ingressa no Teatro Follies, formando a dupla Anky-Mory. Chamado às pressas, substitui, por uma noite, Mesquitinha, o principal ator da companhia. Com o sucesso da performance, permanece no elenco. Já como cômico, contracena com Grande Otelo no show Bahia Mortal. A essa altura sua carreira já está consolidada.

Em 1952, Ankito é convidado a estrear no cinema. De início seria apenas uma pequena participação em três dias de filmagem de É Fogo na Roupa!…, mas, como sempre, ele roubou a cena, e acabou ganhando uma participação maior no projeto, rodando 39 dias, e faturando o primeiro lugar nos créditos do longa-metragem. Faz muito sucesso, num estilo que lembra Oscarito, com muitas acrobacias. Ankito tornou-se um dos cinco maiores nomes das chanchadas.

Na televisão, em 1959 ganha um programa só seu chamado Anki.. Tô.. Eu, mas sua carreira é essencialmente sob o foco cinematográfico. Além do cinema, mostra seu talento nos muitos shows que faz pelo Brasil, com uma companhia de vedetes, apresentando-se em clubes e cinemas, que sempre exibem um filme seu antes do show.

Com grande bagagem cinematográfica, entre tantos outros atua em Quem Roubou meu Samba? (1959) e Deu a Louca no Cangaço (1969).

Sua carreira na TV é marcada por programas humorísticos, mas atuou em algumas telenovelas, programas e minisséries. Trabalhou nas redes Tupi, Record, Bandeirantes e Globo. Na emissora do Jardim Botânico, além de participações nos programas de humor, ele atuou nas novelas Gina (1978), com Christiane Torloni; A Sucessora (1978), de Manoel Carlos; Marina (1980), com Edson Celulari; Tudo ou Nada (1986); Engraçadinha… Seus Amores e seus Pecados (1995); Sob Nova Direção (2004); e Alma gêmea, como o personagem Falecido, em 2005. Um ano depois, ele fez sua última aparição na TV, uma participação na série Carga pesada como Ivanildo no episódio Mata o véio, mata!.

Um dos maiores cômicos brasileiros de todos os tempos, Ankito morreu de câncer, em 30 de março de 2009, aos 85 anos de idade, no Rio de Janeiro. Estava casado desde 1985 com a atriz Denise Casais Lima Pinto, que escreveu sua biografia, Ankito: minha vida meus humores, editado pela Funarte em 2008. Deixou dois filhos.

Filmografia

1990 :: Beijo 2348/72
1988 :: O Diabo na Cama
1986 :: O Escorpião Escarlate
1985 :: Brás Cubas
1980 :: Bububu no Bobobó
1977 :: O Pequeno Polegar Contra o Dragão Vermelho
1976 :: Guerra é Guerra
1975 :: Ladrão de Bagdá, O Magnífico
1969 :: Deu a Louca no Cangaço
1969 :: Um Sonho de Vampiros
1966 :: As Cariocas
1963 :: Boca de Ouro
1961 :: Os Três Cangaceiros
1961 :: Um Candango na Belacap
1960 :: Sai Dessa, Recruta
1960 :: Vai que é mole
1960 :: Pistoleiro Bossa Nova
1959 :: Garota Enxuta
1959 :: Quem Roubou Meu Samba?
1958 :: É de Chuá!
1958 :: E o Bicho não deu
1958 :: Pé na Tábua
1958 :: De Pernas Pro Ar
1957 :: Metido a Bacana
1957 :: Boca de Ouro
1955 :: O Rei do Movimento
1955 :: O Feijão é Nosso
1955 :: O Grande Pintor
1954 :: Angu de Caroço
1954 :: Marujo por Acaso
1953 :: Os Três Recrutas
1952 :: É Fogo na Roupa!…

1956 – O Feijão é Nosso; Boca de Ouro; 1957 – De Pernas pro Ar; Metido a Bacana; 1958 – É de Chuá!; E o Bicho não Deu; 1959 – Pé na Tábua; Quem Roubou meu Samba?; Garota Enxuta; 1960 – Sai Dessa, Recruta; Pistoleiro Bossa Nova; Vai que É Mole; Um Candango em Belacap; 1961 – Os Três Cangaceiros; 1966 – As Cariocas (3º episódio); Um Sonho de Vampiro; 1975 – Ladrão de Bagdá, O Magnífico; 1976 – Guerra é Guerra (episódio: O Poderoso Cifrão); 1977 – O Pequeno Polegar contra o Dragão Vermelho; 1980 – Bububu no Bobobó; 1986 – Brás Cubas; 1988 – O Diabo na Cama; O Escorpião Escarlate; 1990 – Beijo 2348-72.

Bibliografia

Livros:

PINTO, Denise Casais Lima. Ankito: minha vida meus humores. : FUNARTE, 2008.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Ankito. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/ankito/

Print Friendly, PDF & Email

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.