Azul (2015)

Sinopse

FOTO Azul 01 2015Na casa onde ela se sente segura tempo não passa. Azul vive entre memórias e lutas com a realidade de que a obriga a seguir em frente. Enquanto o silêncio se torna sua empresa, sua mente nunca fez tanto barulho. Quando estamos prontos para deixar a inocência? O que ela esconde por trás de seus olhos grandes?

Azul foi realizado em fevereiro de 2015 com o mesmo princípio do curta-metragem selecionado em Cannes 2014, 2 segundos: menos (dinheiro) é mais. Foram investidos apenas R$ 150 para a compra de um aquário, peixe ornamental, bolo, material para sangue falso e alimentação da equipe – o que pode ser considerado uma “fortuna” em comparação ao filme anterior, executado com meros R$ 15.

Com orçamento este orçamento, o curta Azul, dirigido por Mia Mozart, foi exibido na categoria Short Film Corner do Festival de Cannes 2015, um dos mais importantes do mundo. A indicação veio em março, e a equipe se preparou para acompanhar do Brasil o evento que aconteceu em maio de 2015, em Cannes, na França. Este é o segundo ano consecutivo que a cineasta juiz-forana tem uma produção aprovada para ser exibida no festival.

O filme selecionado foi gravado na cidade, e a história gira em torno de dois personagens interpretados por Samir Hauaji e pela própria Mia. Na ficha técnica de Azul ainda estão Anna O., Fernanda Rebelatto e Shayra Monteiro na produção, Tadeu Carneiro na edição e Cassio Tassi na direção de fotografia. A proposta do roteiro foi mostrar as duas pessoas lidando com um fragmento de tempo. Dessa forma, o curta-metragem não se prende a falas e tem a intenção de fazer com que o espectador preencha o espaço de entendimento do filme. Além disso, os personagens não possuem nome e a relação entre eles é abstrata. Quando fizemos o roteiro, entramos em acordo sobre deixar que as pessoas entendessem a história sem a necessidade de bengalas. É um roteiro aberto para entendimento próprio, revela Mia.

De acordo com a diretora, o processo de produção do curta durou menos de um mês, desde a criação do roteiro até a finalização. A gravação das cenas foi realizada na casa do diretor de imagem do filme, já que possuía a estética adequada para a obra. Gravamos quase todas as cenas em um dia, contando com a ajuda de pessoas maravilhosas. A pós-produção ficou por conta de Tadeu Carneiro, que soube comprar a nossa ideia e transmiti-la para a edição, comenta.

O Festival de Cannes chega à 68ª edição em 2015. É o maior festival de cinema da França e um dos mais famosos em todo o mundo. O filme Azul será apresentado em uma categoria de exibição, que não possui premiação ao final do evento. Com o peso que carrega, aprovar um curta-metragem brasileiro não é tarefa fácil. Tenho que agradecer a Deus, isso é um presente. Nós nos esforçamos e amamos isso que fazemos. Mas o festival é tão grande que não dá pra acreditar que estamos nele outra vez. E não importa quantas vezes, vai ser sempre um sonho, destaca Mia. Ao final do evento, o curta-metragem fica disponível nas plataformas do festival. Mesmo com toda a euforia em torno da aprovação, a diretora e a equipe da Submerso Produções não vão comparecer ao festival. Mia garante que a difícil decisão foi tomada em conjunto, para o benefício da produtora e para a execução de um novo roteiro.

Não é a primeira vez na França

A produção 2 segundos, também dirigida por Mia Mozart, em parceria com Fernanda Rebelatto, Carolina Tagliati, Shayra Monteiro, Karina Klippel, Victor Sobral e Zezinho Mancini, foi o primeiro curta da equipe aprovado para o festival, no ano passado. A trama revela uma eternidade em dois segundos, retratando as várias fases de um relacionamento, congeladas em pequenas frações de tempo. Mia considera que a produção é fruto de muito amor. Era um bando de gente que estava ali porque amavam o outro e acreditavam que valia a pena tentar. Conseguimos. É o nosso bebê. Ele ainda vai ser trabalhado no futuro, temos planos.

A premiação foi no dia 14 de maio de 2014, e, para viajar ao Sul da França, a turma promoveu na época uma “vaquinha” on-line para arrecadar fundos e bancar a viagem. No evento, a equipe participou de workshops, palestras, mesas redondas, além da exibição dos filmes selecionados.

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Azul (2015) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Mia Mozart
Produção: Mia Mozart, Shayra Monteiro, Anna O. e Fernanda Rebelatto
Diretor de Fotografia: Cassio Tassi
Montagem: Tadeu Carneiro
Trilha Sonora: Jorge Almeida e William Moreno
Empresa Produtora: Submerso Produções

Bibliografia

BLACK, Júlio. De volta à Croisette. Disponível no endereço: http://www.tribunademinas.com.br/de-volta-a-croisette/. Acesso em: 23 de maio de 2015.

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.