Bocage – o Triunfo do Amor (1997)

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sinopse

Filme inspirado na vida, obra e lenda do poeta português Manoel Maria Barbosa Du Bocage, símbolo libertário da sexualidade dos países de língua portuguesa. Em um painel que abrange poemas de todos os gêneros, o filme abre com o episódio baseado no poema que conta a história da estonteante, bela e requintada cortesã Manteigui que, ao apaixonar-se pelo poeta indomável, acaba redimindo-se no amor. Também é narrado o episódio baseado na poesia que conta a história de duas amigas – Olinda e Alzira, seduzidas e enganadas pelo mesmo mancebo – Bocage – disfarçado. Há o episódio da morte de Josimo, fiel amigo de Bocage, no qual o poeta canta a saudade, sentimento maior da lírica da língua portuguesa.

Um filme-poema que se divide em prólogo, três cantos e epílogo. Uma visão moderna e fiel da poesia eterna do escritor português Manoel Maria Du Bocage (1765-1805) e de sua legendária e transgressora vida, que desafiou o moralismo da época ao pregar a liberdade irrestrita. Bocage conheceu o Brasil, África, Índia, China e também o amor impossível, a cadeia e a morte marginal.

Elenco

Wagner, Victor (Bocage)
Rocha, Viétia (Manteigui)
Castro, Majô de (Alzira)
Farinelli, Francisco (Josino)
Previdello, Gabriela (Olinda)
Silva, Ana Maria Nascimento e (Érato, musa da poesia, erótica e lírica)
Pessin, Malú (Bocageana)
Victorazo, Denis (Frade)
Ullysses, Diaulas (Frade)
Oliveira, Kennedy de (Eremita)
Franke, Nehle (Mãe de Olinda)
Pando, José (O Gordo, Sancho)
Abreu, Paula (Algânia, a feiticeira)
Viganó, Ricardo (Apolo)
Saldanha, Alex (Édipo)
Costa, Marcelo (Arcanjo, Guerreiro)
Negrão, Sofia (Esfinge)
Wanderley, Milena (N.Sra. da Glória, N.Sra. das Dores)
Schölz, Lia (A fantasia)
Santos, Sonia (Mãe de Alzira)
Pompeu, Marcos (Governador)
Maria, Ediceu (Tatuador)
Folgueiras, Edimar (Corifeu)
Nepomuceno, Luís Carlos (Trovador)
Normando, Guilherme (Músico)
Pinheiro, Danilo (Homem das pepitas dïouro)
Vieira, Ednor (Tritão)
Vitali, Luís (Francês)
Venkauskas, Alberto (Holandes)
Batista, Beatriz Beraldo (Indiazinha)
Césio Jr. (Gostoso)
Junqueira, Daniela (Namorada de Bocage)
Diddier, Juri (Índio)
Kawamura, Marico (Bá)
Gonçalves, Adriano (Arcanjo)
Saraiva, Meinardo (Tatuado)
Freitas, Rita de (Bocageana)
Pacífico, Lucy Lene (Índia)
Lima, Andrea (Moça vestida de Negro)
Jacqueline, Anne (Olheira)
Sequeira, Fernando Jorge (Pastor)
Cabral, Maria do Socorro (Aia de Alzira)
Goulart, Marco (Nobre)
Junqueira, Daniela (Namorada do Bocage)
Sabino, Waldemir (Efebo)
Gurgel, Tarcísio (Pai de Alzira)
Maria, Tania (Cunhantã)
Solha, Waldemar (Padre com Santíssimo)
Mateus, Genildo (Chefe dos Tocadores de Tambores)
Nogueira, Rivelino (Rapaz de dildo)
Fernandes, Nilton (Rapaz de dildo)
Soares, Dagmar (Serafim)
Oliveira, Ney Roberto (Pai de Olinda)
Dantas (Soldado no Forte de Alzira)
Peroba, Reginaldo (Moço da gaiola)
Ator(es) Convidado(s):
Castro, Eugénia Mello e(A liberdade)
Participação especial:
Dias, Linneu(Marido de Manteigui)
Identidades/elenco:
Cabral, Netuno (Actor no Forte de Alzira)
Sousa, Hertébeo de (Nobre)
Sérgio, Gilberto (Padre do casamento)
Garcia, Francisco (Índio Carregador)
Firmino Neto, Manuel (Índio Carregador)
Sabino, Charles (Efebo)
Lucena, Adilson (Mendigo)
Fonseca, Lucio (Menino dançarino)
Paiva, Adriana (Cunhantã)
Macedo, Clodoaldo (Rapaz de dildo)
Sombra, Lucio (Rapaz de dildo)
Santos, Dimas dos (Músico)
Cavalcanti, Fabiana (Serafim)
Francisco, Isabel (Moço da Murada)
Rego, Ribamar do (Garoto da prancha)
Pereira, Eudes (Irmão de Alzira)
França, Ari (Nobre)
Dançarinos e dançarinas do Clube Dido do Hotel Praias das Fontes

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Bocage – o Triunfo do Amor (1997) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Djalma Limongi Batista
Argumento: Djalma Limongi Batista e Batista, Gualter Limongi
Roteiro: Djalma Limongi Batista e Batista, Gualter Limongi
Assistência de direção: Savietto, Tânia; Victorazo, Denis
Continuidade: Pontual, Adelina
Coreografia: Victorazo, Denis
Produção: Telles, Antônio da Cunha
Direção de produção: Kavantan, Sonia
Produção executiva: Batista, Edith Limongi
Produtor associado: Telles, Antônio da Cunha; Souza, Carlos Roberto de
Direção de fotografia: Djalma Limongi Batista e Abdalla, Zeca
Câmera: Morelli, Cláudio
Assistência de câmera: Morelli, Cláudio
Fotografia de cena: Machado, Cristina; Miguel, Marcio; Cruz, Robson; Kioko, Isabel; Oliveira, Kennedy de
Trucagens: Madrid Films – Madrid
Eletricista: Nazareno, Antônio
Maquinista: Oliveira, Kennedy de
Técnico de som: Ferrari, Rodolfo
Engenharia de som: Nescov, Branko
Ruídos de sala: Stew, Jack; Cottrel, Felicity
Técnico de gravações: Melo, Pedro; Jovine, Sérgio Salazar; Duttweiller, Otto
Montagem: Motta, José Carvalho
Direção de arte: Schmidt, Bruno Testore
Figurinos: Villaventura, Lino
Cenografia: Schmidt, Bruno Testore
Montagem de cenário: Laurindo, Ivan Lívio; Bacana; Martins, Tomas; Ribamar; Folgueiras, Edmar
Cabelereiro: Martins, Luiz
Maquiagem: Martins, Luiz
Guarda-roupeira: Kawamura, Marico
Produção de figurinos: Villaventura, Inês; Atelier Lino Villaventura
Música: Tragtenberg, Lívio
Companhia Produtora: Cinema do Século XXI
Companhias Produtora Associadas: Kavantan e Associados Ltda.
Companhia Distribuidora: Riofilme

Canção
Autor da canção: Castro, Eugénia Melo e;
Autor da música da canção: Canção liberdade

Autor da canção: Tragtenberg, Lucila – soprano

Locação: Ceará; Amazonas; Paraíba; Rio Grande do Norte; Minas Gerais; Paraná; São Paulo; Trás-os-montes – PT; Alentejo – PT; Lisboa – PT

Prêmios

Prêmio Resgate do Cinema Brasileiro, para o projeto, do Ministério da Cultura e Finep..
Prêmio Especial do Júri no Festival de Gramado, 25, 1997, RS.

Bibliografia

Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
CB/Documentação Diversa, D 502 – press-jornal, press-release e convite de pré-estréia
CBMC/1994-1998
CEARÁ/7
FGR/25
Catálogo Riofilme
Folha de S. Paulo, 09.10.1994, Caderno Mais, p. 2; 25.03.1995, Ilustrada, p. 3; 11.11.1997, Ilustrada, p. 5
O Estado de S. Paulo, 04.02.1995, Caderno 2, p. D2 e 09.02.1996
Jornal da Tarde, 22.10.1994, Divirta-se, p. 8-A
Jornal do Brasil, 30.01.1998, R. Programa, p.7
ALSN/DFB-LM

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Bocage – o Triunfo do Amor. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/

Observações:
Press-release indica tratar-se de um filme da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – cplp. Aponta no elenco: participação afetiva de Cristina Marinho e centenas de figurantes. Sonorizado nos estúdios da videocine, de Lisboa. Cita que: muitas das funções de equipe técnica foram executadas pelos próprios atores do filme.
Press-jornal aponta também no argumento e no roteiro José Carvalho Motta. Acrescenta que é o primeiro filme da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Os atores falam com pronúncias variadas de Portugal, Brasil, Angola e Cabo Verde. Os poemas usados no filme são da autoria de Manuel Barbosa Du Bocage ou a ele atribuídos.
Pré-estréia no Festival do Ceará, 1997.
O Estado de São Paulo de 04.02.1995, Caderno 2, p. D2, comenta que Vera Fischer fará o papel de Dante Alighieri. Posteriormente a Folha de São Paulo de 25.03.1995 informa que ela cancelou sua participação no filme.
Folha de São Paulo de 25.03.1995 informa que a atriz Ana Maria Nascimento e Silva fora chamada para o papel de Dante Alighieri.
CBMC/1994-1998 indica 1998 como o ano de produção do filme.
As demais funções técnicas foram executadas pelos próprios atores do filme.
Todos os poemas do filme são da autoria de Manuel Maria Barbosa du Bocage ou a ele atribuídos.
Estão ainda citados: Cervantes, Don Quixote de la Mancha; Moliére, Don Juan; Olavo Bilac, Língua Portuguesa.
Os letreiros grafam ‘Canção liberdade’.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.