Fernando Henrique Cardoso

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly

Biografia

FOTO FHC 01Fernando Henrique Cardoso, também conhecido como FHC, é um sociólogo, professor, escritor e político brasileiro nascido no estado do Rio de Janeiro no dia 18 de junho de 1931. Foi eleito Presidente da República e, como tal, permaneceu no cargo por dois mandatos, 1º mandato (1994-1997) e 2º mandato (1998-2002).

O governo presidencial de Fernando Henrique Cardoso foi marcado pela efetiva implantação da política Neoliberal no Brasil.

Com menos de dez anos de idade, Fernando Henrique Cardoso mudou-se para São Paulo, lá concluiu o curso de Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP), realizou os estudos de pós-graduação na Universidade de Paris. Na década de 1960, após o Golpe Militar no Brasil, foi exilado no Chile e posteriormente na França, onde realizou seus estudos de pós-graduação, retornou para o Brasil como professor da USP no ano de 1968, com o decreto do Ato Institucional (AI-5) foi aposentado de suas atribuições docentes.

Após a aposentadoria foi convidado a lecionar em algumas universidades estrangeiras e fundou, juntamente com outros intelectuais brasileiros, o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). Esse Centro tinha como principal objetivo a análise da realidade socioeconômica da sociedade brasileira.

Sua vida política teve início no ano de 1978, quando foi eleito suplente do Senador paulista Franco Montoro, no ano de 1983 assumiu o senado quando Franco Montoro foi eleito governador do estado de São Paulo. Perdeu as eleições para a prefeitura de São Paulo para Jânio Quadros no ano de 1985, mas em 1986 foi eleito senador por São Paulo.

Fernando Henrique Cardoso foi um dos fundadores do Partido Social Democrático Brasileiro (PSDB). No primeiro ano do mandato do presidente Itamar Franco, Fernando Henrique assumiu o Ministério das Relações Exteriores, em 1992, e no ano seguinte foi atribuída a ele a função de Ministro da Fazenda. Nesta pasta realizou uma reforma monetária na economia brasileira que vivia sucumbida pela inflação, o chamado Plano Real.

Em 1993, deixou o Ministério da Fazenda e lançou sua candidatura à presidência da República pelo PSDB, seu principal adversário foi Luiz Inácio Lula da Silva, que concorria à presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Lula era o favorito à presidência. Fernando Henrique Cardoso ganhou as eleições e assumiu a pasta presidencial no ano de 1994. Seu principal objetivo durante o primeiro mandato foi o combate à inflação.

No primeiro mandato, mas precisamente no de 1997, FHC (como ficou conhecido) deu continuidade ao processo de reformas estruturais com a finalidade de evitar a volta da inflação, procurando deixar a economia estável. Durante este mandado o presidente pautou pela privatização de várias estatais brasileiras, como a Companhia Vale do Rio Doce (empresa do setor de mineração e siderurgia), a Telebrás (empresa de telecomunicações) e o Banespa (banco pertencente ao governo do estado de São Paulo). A compra das empresas estatais ocorreu, sobretudo, por grupos estrangeiros, que faziam aquisição das ações ou compravam grande parte dessas, assim, tornavam-se sócios majoritários.

Ainda no ano de 1997, FHC conseguiu enviar e aprovar no Congresso Nacional a emenda da reeleição, tornando-se candidato outra vez à presidência da república e ainda tendo Lula como seu principal adversário. O Plano Real e o controle da inflação continuou sendo sua principal propaganda política, o que favoreceu a FHC mais uma vitória nas urnas, conseguindo a reeleição.

No ano de 1999, FHC assumiu o segundo mandato como presidente do Brasil, neste mandato não houve grandes investimentos nas reformas estruturais (privatizações). Ocorreram, sim, algumas reformas no setor da Educação, sendo aprovadas no ano de 1996 as Leis de Diretrizes e Bases para a Educação (LDB), e posteriormente foram criados os Parâmetros Curriculares para o Ensino Básico.

Ao final do seu segundo mandato (2002), somando oito (8) anos no poder, FHC conseguiu controlar a inflação brasileira, entretanto, durante o seu governo a distribuição de renda no Brasil continuou desigual, a renda dos 20% da população rica continuou cerca de 30 vezes maior que a dos 20% da população mais pobre. O Brasil ficou em excessiva dependência do Fundo Monetário Internacional (FMI). O governo FHC foi responsável pela efetiva inserção do Brasil na política Neoliberal.

Fernando Henrique Cardoso deixou a presidência no dia 01 de janeiro de 2003, e quem a assumiu foi Luiz Inácio Lula da Silva.

Livros Publicados

CARDOSO, Fernando Henrique. A Arte da política: a história que vivi. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, .

CARDOSO, Fernando Henrique. A Soma e o Resto: um Olhar Sobre a Vida aos 80 Anos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CARDOSO, Fernando Henrique. Cartas a um jovem político para construir um país melhor. : , .

CARDOSO, Fernando Henrique. Homem e Sociedade. : , .

CARDOSO, Fernando Henrique. Mãos à obra Brasil: proposta de governo. Brasília: , 1994.

CARDOSO, Fernando Henrique. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CARDOSO, Fernando Henrique. O Presidente segundo o Sociólogo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

CARDOSO, Fernando Henrique. Diários da Presidência: 1995-1996. São Paulo: Companhia das Letras, .

CARDOSO, Fernando Henrique. Diários da Presidência: 1997-1998. São Paulo: Companhia das Letras, .

CARDOSO, Fernando Henrique. Diários da Presidência: 1999-2000. São Paulo: Companhia das Letras, .

CARDOSO, Fernando Henrique. Diários da Presidência: 2001-2002. São Paulo: Companhia das Letras, .

CARDOSO, Fernando Henrique. A miséria da política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, .

Bibliografia

Internet:

INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – IFHC. http://www.ifhc.org.br/

Livros:

ARAÚJO, José Prata. O Brasil de Lula e o de FHC: um roteiro comparativo para a disputa política-eleitoral plebiscitária de 2010. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2010.
AMORIM, Paulo Henrique. O Quarto Poder: uma outra história. São Paulo: Hedra, 2015.
DÓRIA, Palmério. O Príncipe da Privataria. São Paulo: Geração Editorial, 2013.
MUANIS, Carlos; FORNAZIERI, Aldo. Conversas Políticas: Desafios Públicos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
NEVES, Léo de Almeida. As Privatizações de FHC: a Era Vargas continua. : Do Autor, 2010.
PEREIRA, Álvaro. Depois de FHC. São Paulo: Geração Editorial, 2002.
VASCONCELLOS, Gilberto Felisberto. O príncipe da moeda. Rio de Janeiro: Editora Espaço e Tempo, 1997.
ZAVERUCHA, Jorge. Frágil Democracia: Collor, Itamar, FHC e os Militares (1990-1998). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.