Francisco Sérgio Moreira (1952-2015)

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly, PDF & Email

Biografia

Francisco Sérgio Moreira foi um Montador, pesquisador, restaurador e técnico de preservação de filmes na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde trabalhou de 1979 a 1999.

Nascido no Rio em 1952, formado em comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), começou como curador de restauração e preservação da cinemateca fez cursos de especialização em restauração e preservação de filmes na Staatliches Filmarchiv der DDR, na Cinemateca da Alemanha Oriental (1981-1982), na então Alemanha Oriental, no Service National des Archives du Film, na França, e na UCLA Film and Television Archives, na Universidade da Califórnia (1989-1990), nos Estados Unidos.

Como editor de documentários trabalhou com Sylvio Back, em Rádio Auriverde (1990), A Babel da Luz (1992), Zweig – A Morte em Cena (1995), Yndio do Brasil (1995), Véu de Curitiba (1995), Lost Zweig, Cruz e Sousa – O Poeta do Desterro (1998), e com Silvio Tendler, em Os anos JK (1979) e Jango (1984). Seu trabalho como editor se apóia basicamente na pesquisa de imagens em arquivos e cinematecas no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos.

Durante a carreira, montou cerca de vinte filmes, entre longas, médias e curtas-metragens, entre eles: Me beija (1984), de Werner Schünemann; Castro Alves, retrato falado do poeta (1999), de Silvio TendlerUma questão de terra (1988), de Manfredo Caldas; e Lost Zweig (2004), de Sylvio Back.

Francisco Moreira coordenou a restauração de clássicos do cinema brasileiro, como: O ébrio (1946), de Gilda de Abreu; Aviso aos navegantes (1950), de Watson Macedo; Tudo azul (1951), de Moacyr Fenelon; Um caso de polícia (1959), de Carla Civelli; Alô, alô, carnaval! (1936), de Adhemar Gonzaga; A bolandeira (1967), de Vladimir Carvalho; Os fuzis (1963), de Ruy Guerra; Menino de Engenho (1965), de Walter Lima Jr.; e O país de São Saruê (1971), de Vladimir Carvalho.

Dirigiu o Departamento de Restauração de Filmes da Labocine.

Bibliografia

Livros:

BACK, Sylvio. Cruz e Sousa. Rio de Janeiro: 7Letras, .

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.