Gianni Ratto (1916-2005)

Biografia

FOTO Gianni Ratto 01Giovanni Ratto foi um cenógrafo, ator, escritor e profundo estudioso das artes cênicas nascido na cidade de Milão, na Itália, no dia 27 de agosto de 1916.

Desde muito cedo demonstrou interesse por atividades artísticas. Durante sua adolescência morou em Gênova, onde conheceu o ator, cenógrafo e encenador inglês Gordon Craig que o fez inclinar-se para a cenografia. Em seu livro A Mochila do Mascate, Gianni Ratto revela que naquele momento sua paixão ainda latente pelo teatro transformou-se “num delírio em que formas e cores, superfícies e volumes, luzes e sombras se misturavam numa fantasmagoria onde nada estava claro mas tudo era maravilhoso”.

Como estudante de Artes Plásticas no Liceu Artístico de Gênova, participou de mostras de pintura, e colaborou com arquitetos e decoradores de renome em exposições e feiras de caráter nacional e internacional. Em 1935, inscreveu-se no concurso para argumentos cinematográficos, organizado pela revista Cinema, tirou o segundo lugar e conquistou o direito de realizar um curso de Direção de Cinema no Centro Experimental de Cinematografia, em Roma. Entre seus professores estavam Alessandro Blasetti, Umberto Barbaro, Luigi Chiarini e Pietro Sharoff, discípulo de Stanislavski. Frequentou a Faculdade de Arquitetura no Politécnico de Milão, mas não chegou a concluí-la.

Na Segunda Grande Guerra, viu-se obrigado a ingressar no exército italiano. Após o término do conflito, iniciou sua carreira estreando como cenógrafo, em 1946, na peça O Luto Convém a Eletra, de Eugene O’Neill, sob a direção de Giorgio Strehler. Com Giorgio fundou, juntamente com Paolo Grassi, o Piccolo Teatro de Milão, inaugurado com a montagem de Ralé, de Máximo Gorki. Do repertório constavam também as importantes montagens de Arlequim Servidor de Dois Patrões, de Carlo Goldoni, e Crime e Castigo, de Fiodor Dostoiévski. Trabalhou com os encenadores italianos Vittorio Gassman, Ettore Gianini e Adolfo Celi. Participou da formação do Teatro Stabile de Gênova. Paralelamente às funções de diretor técnico e de cenógrafo oficial do Piccolo, que aos poucos se impôs como teatro de arte, recebeu uma série de convites, entre os quais o do Teatro Scala de Milão, grande templo da ópera, que o chamou para projetar os cenários e os figurinos de La Traviata, de Giuseppe Verdi, sob a direção de Strehler. A princípio foi contratado como cenógrafo convidado, depois tornou-se vice-diretor técnico, função que desempenharia até 1953.

Gianni Ratto conheceu a maioria dos grandes teatros líricos italianos e trabalhou com personalidades célebres, como o regente Herbert Von Karajan, a soprano lírica Maria Callas, o compositor Igor Stravinski e o maestro Arturo Toscanini. Curiosamente, durante toda a sua carreira na Itália onde realizou mais de 50 montagens, jamais dirigiu um espetáculo.

Cansado pelo excesso de trabalho e pela concorrência enfrentada em sua terra natal, ele veio para o Brasil, em 1954, a convite da atriz Maria Della Costa e do produtor Sandro Polônio, fundadores do Teatro Popular de Arte (TPA). Em São Paulo, realizou a sua primeira experiência como diretor, ao encenar a peça O Canto da Cotovia, de Jean Anouilh, espetáculo de inauguração do Teatro Maria Della Costa, sede da companhia da atriz. A montagem arrebatou público e crítica e conquistou o Prêmio Saci de melhor espetáculo, direção, cenografia e atriz. Em 1955, trabalhou como diretor e cenógrafo das seguintes montagens do TPA: Com a Pulga Atrás da Orelha, de Georges Feydeau; A Moratória, de Jorge Andrade; e A Ilha dos Papagaios, de Sergio Tofano.

Em 1956, foi contratado pelo Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), estreando como diretor e cenógrafo de Eurydice, de Jean Anouilh. Um ano depois, dirigiu e concebeu os cenários de Nossa Vida com Papai, de Howard Lindsay e Russel Crouce. Em 1959, uniu-se a Fernando Torres, Fernanda Montenegro, Ítalo Rossi e Sergio Britto e, com eles, fundou o Teatro dos Sete, que encerrou suas atividades em 1966. Algumas das produções realizadas pelo grupo e que contam com a direção e a cenografia de Gianni Ratto são: O Mambembe, de Arthur Azevedo e José Piza (1959); A Profissão da Senhora Warren, de Bernard Shaw (1960); O Beijo no Asfalto, de Nelson Rodrigues (1961/1962) e Mirandolina, de Carlo Goldoni (1964). Unanimidade entre a crítica, a peça O Mambembe obteve um sucesso memorável. Na época, morando há apenas seis anos no Brasil, o cenógrafo Gianni Ratto foi capaz de retratar com precisão e fidelidade diversos ambientes do Rio Antigo. “Cada cenário de Ratto é um impacto direto sobre a plateia, que repetidamente, na noite de estreia, prorrompia em aplausos à aparição de um novo ambiente. É preciso chamar a atenção de todos para o excelente aproveitamento dos mais tradicionais métodos de cenografia italiana para fins de uma interpretação absolutamente moderna, primordialmente teatralista, dessa comédia (…)”, comentou, com entusiasmo, a crítica teatral Bárbara Heliodora, em artigo publicado no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, de 21 de novembro de 1959.

Durante o regime militar, colaborou com o Grupo Opinião – criado por artistas de forte inclinação política – e dirigiu Se Correr o Bicho Pega, se Ficar o Bicho Come, de Oduvaldo Vianna Filho e Ferreira Gullar (1966), uma das peças-símbolo do movimento de resistência à ditadura, e Dura Lex, Sed Lex, no Cabelo só Gumex, de Oduvaldo Vianna Filho (1968).

Ainda na década de 60, com a ajuda do empresário Paulo Ferraz, dono do Estaleiro Mauá, fundou, no antigo Teatro República, o Centro Cultural Teatro Novo, primeiro teatro carioca com corpo de baile, orquestra sinfônica e oficina de dramaturgia, desmontado de forma brusca pela ditadura. O Teatro Novo, inaugurado com uma marcante montagem de Ralé, de Máximo Gorki, revelou atores como Luiz Armando Queiroz, Ivan Setta, Hildegard Angel, Marco Nanini, Geyr Macedo Soares, Augusto Olimpio, Ana Taborda, entre outros. Em 1975, encenou a primeira versão de Gota d’água, de Chico Buarque e Paulo Pontes. A peça tornou-se o maior sucesso do ano por sua firme direção, pela poesia e contundência do texto, pelas músicas emblemáticas de Chico Buarque e Dori Caymmi e pelo elenco memorável, cuja protagonista era Bibi Ferreira.

Por influência de sua mãe, que era musicista, estudou piano, violino e violoncelo, instrumentos que certamente contribuíram para o seu domínio da linguagem musical, conhecimento fundamental nos trabalhos que envolviam a ópera. Para Gianni Ratto, encenar uma ópera significava trabalhar sobre a música muito mais do que sobre o libreto. Dizia que a música era a linguagem do espetáculo, o seu verdadeiro texto.

Foi diretor artístico da Fundação de Teatro do Rio de Janeiro (FUNTERJ) no período de restauração do Teatro Municipal da cidade, onde dirigiu e realizou os cenários e os figurinos de diversas óperas e balés, como Il Dibuk, de Lodovico Rocca (1962); A Flauta Mágica, de Mozart (1982) e O Barbeiro de Sevilha, de Rossini (1983); O Descobrimento do Brasil, de Villa-Lobos (1960); e Coppelia, de Delibes (1973).

No cinema, atuou como ator, diretor de arte e cenógrafo em vários filmes. Os mais recentes foram o documentário A Mochila do Mascate – Gianni Ratto, de Gabriela Greeb, que dividiu o roteiro com Antonia Ratto, filha de Gianni, que foi o narrador do filme (2006); Por trás do Pano, de Luiz Villaça (1999); e Sábado, de Ugo Giorgetti (1995), no qual interpretou o cadáver de um velho nazista, encontrado no sótão de um prédio decadente de São Paulo.

Na televisão, foi o responsável pelos cenários da novela A Morta sem Espelho, de Nelson Rodrigues, dirigida por Sergio Britto e Fernando Torres, em 1963, na TV Rio. Fez a direção de arte, na TV Bandeirantes, da novela, Os Imigrantes, de Benedito Ruy Barbosa, direção de Henrique Martins, Atílio Riccó, Emilio di Biasi e Antônio Abujamra, em 1981.

Participou de bancas universitárias de defesa de tese, comissões de julgadores de dramaturgia, e de festivais de teatro. Foi colaborador da Revista da USP e do Corriere Del Sudamerica, semanário de língua italiana para a América do Sul e Itália. Trabalhou como Diretor de Criação de Fotografias na Bloch Editores. Muito ligado às experiências de ensino, logo que chegou ao Brasil criou um departamento de teatro no Museu de Arte de São Paulo. Entre 1955 e 1956, convidado por Alfredo Mesquita, deu aulas na Escola de Arte Dramática de São Paulo (EAD). Em 1958, lecionou durante um ano na Universidade Federal da Bahia, época em que Martim Gonçalves organizou um curso de teatro exemplar. Em 1966, tornou-se professor do Conservatório Nacional de Teatro (hoje UNIRIO). Entre os anos 60 e 80 colaborou, entre outros, com os diretores Ruggero Jacobbi, Ziembinski, Ivan de Albuquerque, João das Neves, Paulo Afonso Grisolli; com os autores Gianfresco Guarnieri, Ariano Suassuna, Dias Gomes, Consuelo de Castro, João Bethencourt; com os atores Paulo José, Othon Bastos, Sérgio Mamberti, Renato Borghi, Beatriz Segall e Tônia Carrero, e com as companhias Teatro Nacional de Comédia e Teatro Cacilda Becker. Em 1993, dirigiu a peça Porca Miséria, de Marcus Caruso e Jandira Martini, considerada um fenômeno estrondoso de bilheteria.

Alguns de seus últimos trabalhos como iluminador e cenógrafo foram Selvagem como o Vento, de Tereza Freire, direção de Denise Stocklos, Casa de Cultura Laura Alvim, Rio de Janeiro (2002); Novas Diretrizes em Tempos de Paz, de Bosco Brasil, Espaço Ágora, São Paulo (2002); O Dia do Redentor, de Bosco Brasil, Teatro Sesc-Copacabana, Rio de Janeiro (2003) e Sábado, Domingo e Segunda, de Eduardo di Filipo, Teatro das Artes, São Paulo (2003).

Premiadíssimo e dono de um extenso currículo, recebeu o Prêmio Shell, em 2003, por sua contribuição ao Teatro Brasileiro. Integrante da primeira geração de encenadores no Brasil, colaborou para o surgimento de outra primeira geração de encenadores brasileiros. Reverenciado por seus talentos múltiplos, Gianni Ratto revelou também o seu lado de escritor ao publicar quatro livros: A Mochila do Mascate; Antitratado de Cenografia ; Crônicas Improváveis; Hipocritando. Faleceu em 30 de dezembro de 2005. No prefácio de A Mochila do Mascate, Sábato Magaldi soube como definir seu perfil: “De todos os encenadores estrangeiros que decidiram, a partir da Segunda Guerra, atuar entre nós, Gianni Ratto foi, sem dúvida, quem mais se identificou com o Brasil. […] Ninguém como ele se associou de forma tão consciente e consequente à dramaturgia brasileira”.

Filmografia

2006 :: A Mochila do Mascate: Gianni Ratto, Um Homem de Teatro no Cinema
1999 :: Por trás do Pano, de Luiz Villaça
1995 :: Sábado

Bibliografia

Livros:

BRANDÃO, Tania. A Máquina de Repetir e a Fábrica de Estrelas: Teatro dos Sete. Rio de Janeiro: 7Letras, 2002.
CARVALHO, Sérgio de. A Simplicidade como Meta. O Estado de S. Paulo, 26 nov. 1996, 2º Caderno, D6-D7.
COURI, Norma. Comi Teatro e Fui Comido por Ele. Jornal do Brasil (RJ), 5 dez. 2005, Caderno B, B3.
Espaço Cenográfico News, nº 13. Publicação bimensal, coordenada por J.C. Serroni; Espaço Cenográfico de São Paulo, abril de 2000; Espaço Cenográfico News, nº 28. Publicação bimensal, coordenada por JC Serroni; Espaço Cenográfico de São Paulo, julho de 2006.
MICHALSKI, Yan. Gianni Ratto. O Prazer de Trabalhar Cada Vez Mais. Jornal do Brasil (RJ), 8 agos. 1982.
RATTO, Gianni. A Mochila do Mascate: Fragmentos do Diário de Bordo de um Anônimo do Século XX. São Paulo: Hucitec, 1996.
_____________. Antitratado de Cenografia: Variações Sobre o Mesmo Tema. São Paulo: Editora SENAC, 1999.
_____________. Crônicas Improváveis. São Paulo: Códex, 2000.
_____________. Hipocritando: Fragmentos e Páginas Soltas. Rio de Janeiro: Bem-Te-Vi, 2004.

Filme:

A Mochila do Mascate – Gianni Ratto. Um Homem de Teatro no Cinema. Documentário, 73 min. 35mm. Direção de Gabriela Greeb. Argumento e roteiro de Antonia Ratto (2006).

Internet:

FUNARTE. http://www.funarte.gov.br/brasilmemoriadasartes/acervo/cenario-e-figurino/biografia-de-gianni-ratto/

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.