Jayme Monjardim

Biografia

FOTO Jayme MonjardimJayme Monjardim Matarazzo, em arte mais conhecido como Jayme Monjardim, é um diretor brasileiro de televisão e cinema brasileiro nascido na cidade de São Paulo no dia 19 de maio de 1956. Pertencente ao ramo ítalo-brasileiro da família Matarazzo e à uma tradicional família do estado do Espírito Santo: os Monjardim. É bisneto do Conde Francesco Matarazzo e filho do empresário André Matarazzo e da cantora Maysa. Pelo seu lado materno, é bisneto do barão de Monjardim, este presidente da então província do Espírito Santo por cinco vezes, e trineto do coronel da Guarda Nacional José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, que presidiu a província do Espírito Santo por treze vezes. Formado em Cinema pela FAAP, começou profissionalmente no final da década de 70, dirigindo curtas-metragens documentários e sendo assistente de direção de Francisco Ramalho Jr. em Paula – A História de uma Subversiva (1979) e Filhos e Amantes (1980). No cinema, estreou como cineasta com o filme Olga.

Considerado uma personalidade polêmica dentro da televisão, principalmente devido aos não raros conflitos que trava com autores dos textos que dirige. Casou-se pela primeira vez com Fernanda Lauer, mãe dos seus dois filhos mais velhos, Maria Fernanda e Jayme Matarazzo. Após o divórcio, casou-se com a atriz Ingra Liberato em 1990, separando-se em 1995. Não quiseram ter filhos. No mesmo ano que separou-se, casou-se com a atriz Daniela Escobar, com quem teve um filho, André. Separou-se dela em 2003, durante as gravações de A Casa das Sete Mulheres. Em 10 de março de 2007, Jayme casou-se pela quarta vez com a cantora Tânia Mara, com quem tem uma filha, nascida em 29 de setembro de 2010. Tânia, sua esposa, decidiu homenagear sua falecida sogra, e batizou a filha com o mesmo nome: Maysa.

Iniciou sua carreira na televisão no início dos anos 80 na Rede Bandeirantes, onde conduziu um especial sobre a mãe, a cantora Maysa, e a série infantil Braço de Ferro (1983), escrita por Marcos Caruso. No ano seguinte, transferiu-se para a Rede Globo, na qual passou a co-dirigir telenovelas, como Partido Alto, Roque Santeiro e Sinhá Moça. Sua primeira direção-geral ocorre em Direito de Amar, telenovela de época de Walter Negrão, exibida na faixa das 18 horas. Em 1989 é contratado pela extinta Rede Manchete, dirigindo o grande sucesso Pantanal, de Benedito Ruy Barbosa. Na emissora ainda dirige a macrossérie O Fantasma da Ópera e passa a coordenar o núcleo de criação. Entretanto, sai da Manchete pouco tempo depois. Durante a primeira metade da década de 1990, ainda participa de várias produções independentes, como a telenovela A Idade da Loba, história do dramaturgo Alcione Araújo bancada pela produtora TV Plus e exibida na Rede Bandeirantes.

Volta para a Globo em grande estilo, dirigindo a minissérie Chiquinha Gonzaga, de Lauro César Muniz, em 1999. No mesmo ano, reata sua parceria com Benedito Ruy Barbosa, dirigindo a telenovela Terra Nostra, grande sucesso do ano de 1999. Em 2000, dirige a minissérie Aquarela do Brasil, também de Lauro César Muniz, um fracasso. Rompe com Benedito, que o acusa de ter roubado a ambientação, uma vez que pretendia fazer uma continuação de Terra Nostra ambientada na década de 1940, retratada por Aquarela. Nesse mesmo trabalho conseguiu também arrumar outro desafeto: o próprio Lauro César Muniz, que se pronunciou publicamente contra a interferência de Jayme no seu trabalho.

Em 2001, inicia uma parceria de grande sucesso com Glória Perez, dirigindo a telenovela O Clone. Em 2003 dirige e produz a minissérie A Casa das Sete Mulheres, de Maria Adelaide Amaral e Walter Negrão, um grande êxito de público e crítica.

Em 2005, rompe sua parceria com Glória Perez, devido a discrepâncias relativas aos rumos que a telenovela América tomava. Glória desagradou-se com a “sujeira” na fotografia da telenovela e com o tom exagerado e irreal que a direção de Jayme dava à personagem Sol, de Déborah Secco. Com Jayme fora (substituído por Marcos Schechtman), tudo na telenovela foi trocado e a audiência melhorou. A trama ganhou um tom mais alegre, a música de abertura e a própria abertura foram mudadas e toda a trilha sonora composta por Marcus Viana saiu do ar.

Em 2006, dirigiu a novela Páginas da Vida, de Manoel Carlos, na sua primeira parceria com o “autor do Leblon”. Desta vez, segundo a imprensa, sem a participação de Marcus Viana na trilha-sonora (de acordo com o que foi divulgado, por pedido do próprio Manoel Carlos).

Em 2008, gravou a minissérie Maysa – Quando Fala o Coração, contando a história de sua mãe, uma cantora de vida boêmia e depressiva. A minissérie foi protagonizada por Larissa Maciel e seus dois filhos Jayme Matarazzo e André Matarazzo interpretam o próprio pai na minissérie, exibida em nove capítulos no mês de Janeiro de 2009 e escrita também por Manoel Carlos.

O novelista e o diretor voltam a trabalhar juntos na novela Viver a Vida, nova trama das 21h, cuja estreia ocorreu no dia 14 de Setembro de 2009 e protagonizada por Taís Araújo (que vive a primeira protagonista negra de uma novela das 21h da Rede Globo) e José Mayer.

Em março de 2013, volta a TV, dirigindo a novela Flor do Caribe de Walther Negrão.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

2018 :: O Avental Rosa
2016 :: O Vendedor de Sonhos
2013 :: O Tempo e o Vento
2004 :: Olga

:: Filmografia como Roteirista ::

2018 :: O Avental Rosa

:: Filmografia como Assistente de Direção ::

1980 :: Filhos e Amantes
1979 :: Paula – A História de uma Subversiva

Bibliografia

Internet:

JAYME MONJARDIM – SITE OFICIAL. http://www.jaymemonjardim.com.br/

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.