Jeferson De

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly, PDF & Email

Biografia

Jeferson De é um cineasta brasileiro nascido na cidade de Taubaté (SP) no ano de 1969. Formado em cinema pela ECA/USP, é militante da causa negra no cinema brasileiro.

Em 2005, lançou o manifesto Dogma Feijoada, uma análise histórica sobre a produção audiovisual dos negros no Brasil, que depois gerou o livro Dogma Feijoada e o Cinema Negro Brasileiro. Dirigiu quatro curtas-metragens, trabalhou também como editor e finalizador em produções para a TV de canais como MTV e SBT. Em 2003, fundou a produtora Barraco Forte, que produz, entre outras coisas, reportagens e projetos de ficção para a televisão. No mesmo ano, dirigiu o curta-metragem Carolina, vencedor do prêmio de melhor curta-metragem e Prêmio da Crítica no Festival de Gramado. Sua estreia em longas-metragens foi em 2010 com o filme Bróder, cujo roteiro foi selecionado para o VI Laboratório de Roteiros do Instituto Sundance. O filme recebeu o Prêmio da Crítica de melhor longa-metragem, além dos prêmios de melhor direção de arte, de som e fotografia no Festival de Paulínia de 2010.

Jeferson De, Melhor Diretor do Festival de Gramado 2010 por Bróder (também eleito Melhor Filme), talvez seja o cineasta mais engajado numa causa dentro do atual panorama brasileiro. Nascido em Taubaté (SP), ele trilhou o que acredita ser contrário ao seu determinismo social. Negro, assumiu a bandeira de sua origem dentro da arte em que escolheu se expressar – os filmes. Mal comparando, tornou-se o Spike Lee brasileiro.

Cinéfilo, Jeferson sempre foi. O pai, torneiro mecânico e técnico do time de futebol local, foi grande incentivador. “Ele ia até Caçapava, uma cidade vizinha, e trazia até a quadra de esportes do clube um projetor 16mm e também o projecionista. Esticava um lençol e passava filmes para todo mundo”, relembra Jeferson.

O jovem começou a estudar filosofia na USP, mas acabou se transferindo para o curso de cinema da ECA (Escola de Comunicação e Artes). No período de faculdade, trabalhava como servente de café no cineclube – o que lhe deu novas oportunidades de aperfeiçoar o olhar cinéfilo. Ali, tornou-se admirador de Woody Allen, Martin Scorsese, Roman Polanski e, claro, Spike Lee.

Há sete anos, desenvolveu com colegas cineastas (e negros) o chamado Dogma Feijoada. Inspirado no movimento dinamarquês Dogma 95 (capitaneado por Lars Von Trier e Thomas Vinterberg), o documento é composto por sete itens que tentam dar novo rumo à abordagem dos negros no cinema brasileiro.

Na carreira de curta-metragista, Jeferson seguiu à risca os preceitos do Dogma Feijoada, em trabalhos como Distraída para a Morte (2001) e Carolina (2003).

“O negro é sempre o outro no nosso cinema. O cineasta brasileiro é o homem branco, adulto, do Rio ou de São Paulo. Mas a gente não é uma vila, a gente é o Brasil, e só essas pessoas contam a história nas suas próprias visões do que narram”, diz. “O problema não é ter preto escravo, mas, sim, a falta de profundidade: ou os negros são muito grandiosos ou muito marginais. Não se relativiza.”

Um dos preceitos do Dogma Feijoada, fundado e defendido por Jeferson De, é que o protagonista do filme deve necessariamente ser negro. Eis que, em sua estréia no longa-metragem, Jeferson convidou Caio Blat para ser o personagem principal. “Ser ou não ser negro não pode ser medido pelo tom de pele”, diz ele. “Eu quis levar essa questão para o cinema: o que é um branco convencido de que é negro.”

A equação parece não fazer sentido, mas Jeferson garante que Bróder toca fundo no tema – e, mais que isso, representa um tipo visionário de cinema negro no Brasil (cujos melhores exemplos podem ser vistos abaixo, em indicações de Jeferson).

A estreia de Jeferson De foi elogiada no Festival de Berlim, levou o Prêmio da Crítica no Festival de Paulínia e saiu de Gramado consagrada. Levou mais de um ano desde a pré-estreia para chegar aos cinemas brasileiros – e, mesmo assim, chegou a somente em 45 salas.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

2017 :: Correndo atrás (Em Produção)
2015 :: O Amuleto
2011 :: Bróder
2004 :: Narciso Rap
2003 :: Carolina
2001 :: Distraída para a Morte
1999 :: Gênesis 22

Bibliografia

Fontes de Referência

Internet:

BLOG JEFERSON DE. http://jefersonde.blogspot.com.br/

MIRANDA, Marcelo. http://pipocamoderna.virgula.uol.com.br/conheca-jeferson-de-de-mano-a-broder/40337

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.