João Silvério Trevisan

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly, PDF & Email

Sinopse

FOTO Joao Silverio Trevisan 02João Silvério Trevisan é um escritor, jornalista, dramaturgo, tradutor, cineasta e ativista GLBT brasileiro nascido em Ribeirão Bonito no dia 23 de junho de 1944. Até setembro de 2005, atuou como diretor da oficina literária do SESC. Assina uma coluna mensal na Revista G Magazine.

Tem atividades profissionais nas mais diferentes áreas artísticas e culturais. Escritor de literatura ficcional, ensaística e infanto-juvenil, tem 12 livros publicados, entre ensaios, romances e contos. Realizou inúmeros trabalhos como roteirista e diretor de cinema, dramaturgo e jornalista. Escreveu nos mais importantes jornais e revistas brasileiros, além de vários órgãos internacionais.

Nos últimos vinte anos, tem se distinguido como coordenador de concorridas oficinas de criação literária, realizadas em diferentes instituições no Brasil e na internet, pelas quais já passaram mais de uma geração de novos escritores.

Recebeu três vezes o prêmio Jabuti e o prêmio Apca. Foi contemplado com bolsas da Funarte, Fundação Vitae e Prefeitura da Cidade de Munique (Alemanha). Em 2001, foi escritor-residente na Universidade do Texas. Seu conto “Dois Corpos que Caem” compõe a trilogia “Cem melhores contos brasileiros do século XX”. Tem obra traduzida para o inglês, alemão, espanhol, italiano e polonês.

Em Literatura = Testamento de Jônatas Deixado a David (1976); As Incríveis Aventuras de El Cóndor’ (1980); Em Nome do Desejo (1983); Vagas Notícias de Melinha Marchiotti (1984); Devassos no Paraíso (1986); O Livro do Avesso (1992); Ana em Veneza (1994); Troços & Destroços (1997); Seis Balas num Buraco Só: A Crise do Masculino (1998); Pedaço de Mim (2002).

Roteirista (adaptação) de Doramundo, obra de Geraldo Ferraz e direção de João Batista de Andrade (1º tratamento, 1977) – aclamado com o prêmio de melhor filme, cenografia e diretor no Festival de Gramado de 1978; A mulher que inventou o amor, de Jean Garrett (1981).

Teatro = Heliogábalo & Eu; Em Nome do Desejo; Troços & Destroços; Hoje é dia do Amor.

Filmografia

:: Filmografia como Roteirista ::

1976 :: A mulher que inventou o amor
1978 :: Doramundo

:: Filmografia como Assistente de Câmera ::

1972 :: Herança do Nordeste
1972 :: Rastejador, s.m. (Episódio do longa Herança do Nordeste)

:: Filmografia como Assistente de Direção ::

1972 :: Herança do Nordeste
1972 :: Rastejador, s.m. (Episódio do longa Herança do Nordeste)

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.