José Sette

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sinopse

José Sette de Barros Filho, em arte conhecido como José Sette, ou simplesmente José de Barros, é um cineasta, roteirista, montador, diretor de fotografia e produtor cinematográfico brasileiro nascido na cidade de Ponte Nova (MG) no dia 17 de janeiro de 1948.

Neto de fazendeiros, vive sua infância no Rio de Janeiro, para onde se muda com seus pais. Ainda criança, aprende os mistérios da fotografia e chega a construir um laboratório fotográfico amador. Na adolescência, em frente a sua casa, em Ipanema, havia dois grandes cinemas, hoje fechados, o Cine Pirajuí e o Cine Pax, que frequentava constantemente. Em 1960, retorna a Belo Horizonte para estudar. O pai, José Sette de Barros, político getulista, vivia o dia-a-dia das lutas pelas transformações sociais que se pretendiam no País. Em 1964, quando se preparava para o curso de Medicina, vem o golpe militar que derruba o presidente João Goulart, amigo pessoal de seu pai, que, como muitos na época, vê seus direitos cassados.

De volta ao Rio de Janeiro, articula a realização do longa-metragem Cidade Sem Mar, em parceria com o poeta Luiz Carlos Dolabella e trabalha na montagem e sonorização do filme Sagrada Família, de Sylvio Lanna. Aos 18 anos de idade, foi diretor de produção do curta O Bem-Aventurado, direção de Neville d’Almeida.

Em 1968, cria o som direto do curta Joãozinho e Maria, de Márcio Borges, além de trabalhar em várias outras produções realizadas em Minas Gerais. Em 1970, produz e dirige seu primeiro longa Mistérius, resultado de sua viagem à França, Espanha, Portugal e Marrocos, que resulta inacabado. Na França, adquire uma câmera Boulieux e um gravador de som direto, em 16mm, com o qual começa a fotografar.

Seu primeiro longa comercial é Bandalheira Infernal, em 1976. É premiado duas vezes na Alemanha, em Berlim e Obenhausem.

Foi produtor e diretor de diversas campanhas políticas para Tancredo Neves (1982), Silvio Abreu (1992), João Vitor Garcia (2004), Brizola Neto (2006) e de comerciais realizados em Minas Gerais e Rio de Janeiro. Em 1992, candidata-se a deputado estadual e não vence. Entre 1992 e 2004 produz filmes e vídeos de publicidade na região da zona da mata mineira.

Entre 1982 e 1985, foi sócio de Helvécio Ratton e Alcino Leite na produtora Primeiro Plano, dirigindo mais de 100 comerciais para empresas como Pif-Paf, Café Toko, Olerol, CEMIG, etc. No teatro, em 1984, é autor e diretor do espetáculo Eu e os Anjos, sobre o poeta Augusto dos Anjos, e autor da peça No Balanço das Horas.

Em 1985, recebe diversos prêmios como Rio-Cine e Fortaleza, com o longa Um Filme 100% Brazileiro. É convidado a participar do Festival de Berlim em 1987. Também ocupa cargos executivos como Assessor do Secretário de Cultura de Minas Gerais, Diretor do Palácio das Artes da Fundação Clóvis Salgado e assessor da Prefeitura de Ponte Nova (MG).

(…) fazer cinema é ter uma ideia de vida, é convencer primeiro a você e depois a terceiros de que ela é boa e cinematográfica, é trabalhar para dividi-la, estruturando as imagens plano a plano. É desenhar os personagens, redesenhar, ler e reler o texto original, se preciso mil vezes, até o Espírito Santo baixar. É fixar as sequências, é entrelaçar os movimentos até formar a espinha dorsal da composição. É compor e orquestrar a sinfonia, chamar os atores, os técnicos, os músicos, buscar cenários, derramar tintas de várias cores sobre metros e metros de pano. É contar história, brigar, berrar, chorar para que tudo dê certo. É fazer poesia, magia, é vida dura, trabalho exaustivo e muito pouco dinheiro (…) – trecho da entrevista de José Sette de Barros, concedida à Revista Filme Cultura, n° 48, editada pelo Instituto Nacional de Cinema (INC). em novembro de 1988.

Profissional completo, atua em quase todas as áreas técnicas, inclusive tendo elogiado e premiado trabalho como montador dos filmes Geografia do Som (2001) e O General (2003), ambos de Fábio Carvalho. Em 2010 assina a fotografia de dois documentários para o Canal Brasil, sobre Mário Filho e Carlos Manga, dirigidos por Oscar Maron. Atualmente reside em Cabo Frio, RJ e prepara o lançamento de seu primeiro livro, Trilogia da Separação.

A partir de 2003, finaliza quatro longas no suporte digital, sendo dois, com fotografia sua, além da direção, Liberdade (2005) e Paisagens Imaginárias (2005).

Realizador mordaz, com visões de um cinema próprio, artesão, diferente, descobridor de personagens ocultos na memória brasileira, feito em prosa e poesia, descrevendo e reconstruindo o caos.

Como realizador, José Sette (José Sette de Barros Filho) já foi homenageado em Mostras e Festivais de Cinema, como no Primeiro Plano 2002 – Festival de Cinema de Juiz de Fora e na Mostra do Filme Livre 2010.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

2015 :: Quebranto (Em Produção)
2010 :: Amaxon (primeira exibição) RJ, 2010, 86min, Beta Digital
2005 :: Paisagens Imaginárias
2005 :: Liberdade
2003 :: Labirinto de Pedra
2002 :: Ver Tigem MG, 2002, 8min, 35mm
2001 :: Eu e os Anjos
2000 :: A Janela do Caos
1999 :: O Rei do Samba
1999 :: Encantamento de Camargo Guarnieri MG, 1999, 37min, 35mm
1985 :: Um Filme 100% Brazileiro
1983 :: Primeiro Plano (CM) (dir., fot.) (codir. Helvécio Ratton)
1981 :: Um Sorriso Por Favor – O Mundo Gráfico de Goeldi
1978 :: Interior das Minas – Dr. Lund, o Homem de Lagoa Santa (CM) (dir.)
1978 :: Naturalista Krajsberg (CM) (dir.)
1978 :: Natureza e Escultura (CM) (dir.)
1977 :: Casa das Minas (dir., fot.)
1975 :: Bandalheira Infernal
1975 :: Cidade da Bahia (CM) (dir., fot.)
1974 :: Inside (CM) (dir.) (filme inacabado)
1972 :: Introdução a Sacanagem Interna (dir.)
1971 :: Inside (CM) (dir.) (inacabado)
1970 :: Mistérius (dir.) (filme inacabado)

:: Filmografia como Roteirista ::

2015 :: Quebranto (Em Produção)
2010 :: AMAXON (primeira exibição) RJ, 2010, 86min, Beta Digital
2005 :: Paisagens Imaginárias
2005 :: Liberdade
2003 :: Labirinto de Pedra
2002 :: Ver Tigem MG, 2002, 8min, 35mm
2001 :: Eu e os Anjos
2000 :: A Janela do Caos
1999 :: O Rei do Samba
1999 :: Encantamento de Camargo Guarnieri MG, 1999, 37min, 35mm
1985 :: Um Filme 100% Brazileiro
1981 :: Um Sorriso Por Favor – O Mundo Gráfico de Goeldi
1975 :: Bandalheira Infernal

:: Filmografia como Montador ::

2015 :: Quebranto (Em Produção)

:: Filmografia como Diretor de Fotografia ::

2005 :: Paisagens Imaginárias
2005 :: Liberdade
2002 :: Ver Tigem MG, 2002, 8min, 35mm
2002 :: O Alferes e o Poeta
2001 :: Eu e os Anjos
1999 :: Sob a Sombra dos Anjos
1999 :: Encantamento de Camargo Guarnieri MG, 1999, 37min, 35mm
1985 :: Um Filme 100% Brazileiro
1984 :: Exu-Piá, Coração de Macunaíma (cofot. Marcelo Coutinho e Flávio Ferreira)
1981 :: Um Sorriso Por Favor – O Mundo Gráfico de Goeldi
1981 :: Cinema Inocente
1980 :: Nada Além
1979 :: Natureza Torta (CM) (dir., fot.)
1979/83 :: Eugênio Gudin – o Homem de Dois Séculos (cofot. Tuker Marçal, Paulo Rufino e Cristiano Requião)
1978 :: Toda a Memória das Minas
1975 :: Cidade da Bahia
1975 :: O Milagre dos Peixes (inacabado)
1971 :: Olerol
1971 :: Violência no Trem

Bibliografia

Livros:

NEVES, José Alberto Pinho (coordenador). Diálogos Abertos – Vol. 5. Juiz de Fora: UFJF/MAMM, 2016. 42-67p
SILVA NETO, Antônio Leão da. Dicionário de Fotógrafos do Cinema Brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

Periódicos:

Revista Filme Cultura, n° 48. Entrevista de José Sette de Barros. Instituto Nacional de Cinema (INC). Novembro de 1988.

Internet:

FACEBOOK – JOSÉ SETTE DE BARROS. https://www.facebook.com/profile.php?id=100002208187734

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.