Machado de Assis (1839-1908)

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly, PDF & Email

Biografia

Joaquim Maria Machado de Assis, em arte mais conhecido como Machado de Assis foi um escritor brasileiro nascido no Rio de Janeiro no dia 21 de junho de 1839. É considerado por muitos críticos, estudiosos, escritores e leitores como um dos maiores senão o maior nome da literatura do Brasil. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 29 de setembro de 1908.

Nascido no Morro do Livramento, Rio de Janeiro, de uma família pobre, mal estudou em escolas públicas e nunca frequentou universidade. Os biógrafos notam que, interessado pela boemia e pela corte, lutou para subir socialmente abastecendo-se de superioridade intelectual. Para isso, assumiu diversos cargos públicos, passando pelo Ministério da Agricultura, do Comércio e das Obras Públicas, e conseguindo precoce notoriedade em jornais onde publicava suas primeiras poesias e crônicas. Em sua maturidade, reunido a colegas próximos, fundou e foi o primeiro presidente unânime da Academia Brasileira de Letras.

Sua extensa obra constitui-se de nove romances e peças teatrais, duzentos contos, cinco coletâneas de poemas e sonetos, e mais de seiscentas crônicas. Machado de Assis é considerado o introdutor do Realismo no Brasil, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881). Este romance é posto ao lado de todas suas produções posteriores, Quincas Borba, Dom Casmurro, Esaú e Jacó e Memorial de Aires, ortodoxamente conhecidas como pertencentes a sua segunda fase, em que se notam traços de pessimismo e ironia, embora não haja rompimento de resíduos românticos. Dessa fase, os críticos destacam que suas melhores obras são as da Trilogia Realista. Sua primeira fase literária é constituída de obras como Ressurreição, A Mão e a Luva, Helena e Iaiá Garcia, onde notam-se características herdadas do Romantismo, ou convencionalismo, como prefere a crítica moderna.

Sua obra foi de fundamental importância para as escolas literárias brasileiras do século XIX e do século XX e surge nos dias de hoje como de grande interesse acadêmico e público. Influenciou grandes nomes das letras, como Olavo Bilac, Lima Barreto, Drummond de Andrade, John Barth, Donald Barthelme e outros. Em seu tempo de vida, alcançou relativa fama e prestígio pelo Brasil, contudo não desfrutou de popularidade exterior na época. Hoje em dia, por sua inovação e audácia em temas precoces, é frequentemente visto como o escritor brasileiro de produção sem precedentes, de modo que, recentemente, seu nome e sua obra têm alcançado diversos críticos, estudiosos e admiradores do mundo inteiro. Machado de Assis é considerado um dos grandes gênios da história da literatura, ao lado de autores como Dante, Shakespeare e Camões.

Publicações

Romances:

ASSIS, Machado de. Ressurreição. : , 1872.
ASSIS, Machado de. A Mão e a Luva. : , 1874.
ASSIS, Machado de. Helena. : , 1876.
ASSIS, Machado de. Iaiá Garcia. : , 1878.
ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. : , 1881.
ASSIS, Machado de. Casa Velha. : , 1885.
ASSIS, Machado de. Quincas Borba. : , 1891.
ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. : , 1899.
ASSIS, Machado de. Esaú e Jacó. : , 1904.
ASSIS, Machado de. Memorial de Aires. : , 1908.

Coletânea de contos:

ASSIS, Machado de. Contos Fluminenses. : , 1870.
ASSIS, Machado de. Histórias da Meia-Noite. : , 1873.
ASSIS, Machado de. Papéis Avulsos. : , 1882.
ASSIS, Machado de. Histórias sem Data. : , 1884.
ASSIS, Machado de. Várias Histórias. : , 1896.
ASSIS, Machado de. Páginas Recolhidas. : , 1899.
ASSIS, Machado de. Relíquias da Casa Velha. : , 1906.

Bibliografia

Livros:

AGUIAR, Luís Antônio. Almanaque Machado de Assis. Rio de Janeiro: Record, 2008.
AMORIM, Celso. “Uma obra em movimento”. In: A obra de Machado de Assis. Brasília: Ministério das Relações Exteriores, 2006. (Ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis).
ANDRADE, Mário de. Aspectos da literatura brasileira. 4. ed. São Paulo: Martins/Brasília: INL, 1972.
______. Contos e contistas. In: O empalhador de passarinho. 3. ed. São Paulo: Martins, 1972.
ARANHA, Graça (Org.). Correspondência de Machado e Assis e Joaquim Nabuco. Prefácio à 3. ed. de José Murilo de Carvalho. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras; Topbooks, 2003.
ARARIPE JÚNIOR, Tristão de Alencar. Obra crítica de Araripe Júnior: (1888-1894 ). Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa , 1960. v. 2.
ATHAIDE, Austregésilo de. “Religião e política na obra de Machado de Assis”. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, n. 17, 1946.
ATHAIDE, Tristão de. A Evolução do conto no Brasil. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1958.
______. “Machado de Assis: o crítico”. In: COUTINHO, Afrânio (Org.). Machado de Assis. Rio de Janeiro: Aguilar, 1959. (Obras completas, v. 3.).
AVELAR, Idelber. “Ritmos do popular no erudito: política e música em Machado de Assis”. In: A obra de Machado de Assis. [Brasília]: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis.
BAGNO, Marcos (Org.). Machado de Assis para principiantes. São Paulo: Ática, 1999.
BAPTISTA, Abel Barros. Autobibliografias: solicitação do livro na ficção de Machado de Assis. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 2003.
______. Em nome do apelo do nome: duas interrogações sobre Machado de Assis. Lisboa: Litoral, 1991.
BARBIERI, Ivo (Org.). Um romance de muitas leituras: ler e reescrever Quincas Borba. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2003.
______. “O lapso ou uma psicoterapia de humor”. IN: JOBIM, José Luís (Org.). A Biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: ABL; Topbooks, 2000.
BARBOSA, Francisco de Assis. Machado de Assis em miniatura. São Paulo: Melhoramentos, 1958.
BARBOSA, João Alexandre (Org.). Textos Críticos. São Paulo: Perspectiva; Brasília: INL 1986.
BARBOSA, Rui. O adeus da Academia a Machado de Assis. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1958.
BARRETO FILHO, José. Introdução a Machado de Assis. Rio de Janeiro: Agir, 1947.
BASTIDE, Roger. “Machado de Assis: paisagista”. Revista do Brasil. Rio de Janeiro, 3 nov. 1940.
BELLO, José Maria. Retrato de Machado de Assis. Rio de Janeiro: A Noite, 1952.
BERGO,Vittorio. “Machado de Assis e a Gramática”. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE LÍNGUA E LITERATURA. Estudos universitários de lingüística, filologia e literatura: homenagem ao Prof. Dr. Sílvio Elia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990, p. 265-78.

BIZZARRI, Eduardo. Machado de Assis e a Itália. São Paulo: Instituto Cultural Ítalo-Brasil, 1961.

BLOOM, Harold. Gênio: os cem autores mais criativos da história da literatura. Tradução de José Roberto O´Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

BORGES, Dain. “Foreword”. In: Machado de Assis, Esau and Jacob. Nova York: Oxford University, 2000.

BOSI, Alfredo; GARBUGLIO, José Carlos; CURVELLO, Mário; FACIOLI, Valentim. Machado de Assis. São Paulo: Ática, 1982. (Escritores Brasileiros: antologia e estudos).

BOSI, Alfredo. Brás Cubas em três versões. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

______. Machado de Assis: o enigma do olhar. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. Machado de Assis. São Paulo: Publifolha, 2003.

BRANDÃO, Octávio. O niilista Machado de Assis. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1958.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Exposição Machado de Assis, centenário de nascimento de Machado de Assis, 1839-1939. Rio de Janeiro: MEC, 1939.

BRAYNER, Sônia. Labirinto do espaço romanesco. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; MEC, 1979.

BROCA, Brito. Machado de Assis e a política e outros estudos. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1957.

______. “Na década modernista: Machado de Assis au dessus de la melée”. Revista do Livro, Rio de Janeiro: MEC/INL , set. 1958.

CALDWELL, Helen. Machado de Assis: the brazilian master and his novels. Berkeley: U. California, 1960.

______. O Otelo brasileiro de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Ateliê Editorial, 2002.

CÂMARA, Joaquim Mattoso. Ensaios machadianos: língua e estilo. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1962.

______. “Machado de Assis e o Corvo de Edgard Poe”. Revista do Livro, Rio de Janeiro: MEC/INL, n. 3, set. 1958.

CÂNDIDO, Antônio. “Música e música”. In: _______. O observador literário. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura/Comissão de Literatura, 1959.

______. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. São Paulo: Martins, 1959. 2 vols.

______. “Esquema de Machado de Assis”. In: ______. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1970.

CARRER, Aline; GLEDSON, John. Rio de Assis: imagens machadianas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 1999.

CARVALHO, José Murilo de. “As duas repúblicas” em Machado de Assis e Joaquim Nabuco: Correspondência. 3. ed. Rio de Janeiro: Topbooks; Academia Brasileira de Letras, 2003.

CASTELO, José Aderaldo. Interpretações da obra de Machado de Assis. Lisboa: [s.n], 1961.

______. Machado de Assis: crítica. Rio de Janeiro: Agir, 1959. 107 p. (Nossos Clássicos, 38).

______. Realidade e ilusão em Machado de Assis. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1969.

CASTRO, Válter de. Metáforas machadianas: estruturas e funções. Brasília: Instituto Nacional do Livro; Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1977.

CAVALCANTE, Djalma. Os contos completos de Machado de Assis. Prefácio de Arnaldo Niskier. São Paulo: Universidade Federal de Juiz de Fora; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2003.

CHAGAS, Wilson. A fortuna crítica de Machado de Assis. Porto Alegre, RS: Movimento, 1994.

CHALHOUB, Sidney; PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda (Org.). A História contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998. (Histórias do Brasil).

______. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Cia. das Letras, 2003. 344 p.

CHEDIAK, Antonio José. “Apêndice: Comissão Machado de Assis”. In: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: INL, 1970. (Obras de Machado de Assis, 7).

COELHO, Marcia Maria e; OLIVEIRA, Marcos Fleury de. O bruxo do Cosme Velho: Machado de Assis no espelho. São Paulo: Alameda Editorial, 2005.

CORÇÃO, Gustavo. “Machado de Assis cronista”. In: COUTINHO, Afrânio (Org.). Machado de Assis. Rio de Janeiro: Aguilar, 1959. (Obra completa, v. 3).

______. O desconcerto do mundo. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1965.

CORREIA, Marlene de Castro. “Afinidades entre bruxos: Machado de Assis e Carlos Drummond”. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 93-101.

COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante. Enciclopédia de literatura brasileira. Rio de Janeiro: MEC & Oficina Literária Afrânio Coutinho, 1995. 2 vols.

______. A filosofia de Machado de Assis. Rio de Janeiro; Ed. Vecchi, 1940.

______. A tradição afortunada: o espírito de nacionalidade na crítica brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.

______. Conceito de literatura brasileira. Petrópolis: Vozes, 1981.

______. Crítica e críticos. Rio de Janeiro: Simões, 1969. p. 195-199

______. “Introdução: estudo crítico.” In: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Machado de Assis. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994. (Obra completa. v. 1).

______. “Machado de Assis e o problema do mestiço”. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, n. 3, fev. 1940.

______. Machado de Assis na literatura brasileira. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1990.

______. “Um Machado diferente”. In: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Machado de Assis. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985. p. 1027-1028. (Obra completa. v. 3).

DIXON, Paul B. Os contos de Machado de Assis: mais do que sonha a filosofia. Porto Alegre: Movimento, 1992.

______. Retired Dreams: Dom Casmurro, myth and modernety. West Lafayette: Purdue University Press, 1989.

FACIOLI, Valentim. “A fraude e a gaforinha: a crônica de Machado de Assis”. In: CRUZ JÚNIOR, Dílson F. Estratégias e máscaras de um fingidor: a crônica de Machado de Assis. São Paulo: Nankin, 2002.

______. Um Defunto Estrambótico: análise e interpretação das Memórias Póstumas de Brás Cubas. São Paulo, Nankin, 2002

______. “Várias histórias para um homem célebre: biografia intelectual”. In: BOSI, A. et al. Machado de Assis. São Paulo: Ática, 1982. p. 9-59.

FAORO, Raymundo. Machado de Assis: a pirâmide e o trapézio. Rio de Janeiro: Globo, 2001.

FARACO, Carlos Alberto. “Um mundo que se mostra por dentro e se esconde por fora”. In: ASSIS, Joaquim Maria Machado. O alienista. São Paulo: Ática, 1996. p. 1-30.

FARIA, João Roberto Gomes de. “Alencar e Machado: breve diálogo epistolar”. In: GALVÃO, Walnice Nogueira; GOTLIB, Nádia Battella. Prezado senhor, prezada senhora: estudos sobre cartas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______. Idéias teatrais e o século XIX no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2001.

______. “A comédia refinada de Machado de Assis”. In: Assis, Machado de. Teatro. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

FERREIRA, Eliane Fernanda Cunha et al. “Dom Casmurro e o plagiarismo múltiplo”. In: SARAIVA, Juracy Assmann (Org.). Nos labirintos de Dom Casmurro: ensaios críticos. Porto Alegre: PUCRS, 2005. p. 61-82.

______. “Contradições tradutológicas: o caso Machado de Assis”. In: SANTOS, Paulo Sérgio Nolasco dos (Org.). Divergências e convergências em literatura comparada. Campo Grande: Editora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2004. p. 121-139.

______. Para traduzir o século XIX: Machado de Assis. São Paulo: Annablume, 2004.

FRANCO, Afonso Arinos de Melo. O velho Senado, em Machado de Assis. Brasília: Senado Federal, 1989. Edição comemorativa do nascimento de Machado de Assis

FRANCO, Gustavo H. B. A economia em Machado de Assis: o olhar oblíquo do acionista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

GARBUGLIO, José Carlos. “A linguagem política de Machado de Assis”. In: BOSI, Alfredo et al. Machado de Assis. São Paulo: Ática, 1982.

______. “Apresentação”. In: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. O alienista. São Paulo: Ática, 1971.

GLEDSON, John (Ed.). “Introdução”. In: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Contos: uma antologia. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. 2 v.

______. “A história do Brasil em papéis avulsos de Machado de Assis”. In: CHALHOUB, Sidney; PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda (Org.). A história contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998. (Histórias do Brasil).

______. Machado de Assis: ficção e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

______. Machado de Assis: impostura e realismo: uma reinterpretação de Dom Casmurro. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

______. Por um novo Machado de Assis. São Paulo: Cia das Letras, 2006. 440 p.

______. “Traduzindo Machado de Assis”. In: A OBRA de Machado de Assis. [Brasília]: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis.

GOMES, Eugênio. Aspectos do romance brasileiro. Salvador: Universidade da Bahia, 1958.

______. Espelho contra espelho: estudos e ensaios. São Paulo: Instituto progresso Editorial (IPE), 1949.

______. Machado de Assis: influências inglesas. Rio de Janeiro: Pallas; MEC/INL, 1976.

______. Machado de Assis. Rio de Janeiro: São José, 1958.

______. O enigma de Capitu, ensaio de interpretação. Rio de Janeiro: José Olympio, 1967. (Documentos Brasileiros).

______. Prata de casa: ensaios de literatura brasileira. Rio de Janeiro: A Noite, 1953.

______. Shakespeare no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Serviço de Documentação, 1961.

GRANJA, Lúcia. “A língua engenhosa: o narrador de Machado de Assis, entre a invenção de histórias e a citação da História”. In: CHALHOUB, Sidney; PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda (Org.). A História contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998. (Histórias do Brasil).

______. Machado de Assis, escritor em formação: à roda dos jornais. São Paulo: Fapesp; Mercado de Letras, 2001.

GRIECO, Agripino. Machado de Assis. Rio de Janeiro: José Olympio, 1959.

______. Viagem em torno de Machado de Assis. São Paulo: Martins, 1969.

GUIMARÃES, Hélio de Seixas (Org.). Teresa. Revista de Literatura Brasileira, São Paulo, USP Editora; Imprensa Oficial do Estado, 2006.

______. Os leitores de Machado de Assis. São Paulo: Nankin editorial, 2004. 512p.

HENRIQUES, Claudio Cezar. Atas da Academia Brasileira de Letras: Presidência Machado de Assis (1896-1908). Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2001.

HOUAISS, Antônio. Estudos vários sobre palavras, livros, autores. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1979.

______. Introdução ao texto crítico das Memórias póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1959. Separata da Revista do Livro, n. 1.

______. Plano do dicionário das obras de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1960. Separata da Revista do Livro, n. 4.

JACKSON, K. David (Ed.). Transformations of literary language in Latin American literature: from Machado de Assis to the vanguards. Austin: University of Texas at Austin, 1987.

JOBIM, José Luís (Org.). A biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

JUNQUEIRA, Ivan. Apresentação de Machado de Assis. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

______. “Introdução”. In: A Obra de Machado de Assis. Brasília: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis.

LAJOLO, Marisa. Machado de Assis. São Paulo: Abril, 1980 (Literatura comentada).

LIMA, Luís Costa. Machado de Assis e a estabilidade Imperial. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 71, 1982.

______. “Machado e a inversão do veto”. In: O controle do imaginário. São Paulo: Brasiliense, 1984.

______. “Sob a face de um bruxo”. In: ______. Dispersa demanda. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981.

MACHADO, Ubiratan (Org.). Machado de Assis: roteiro da consagração. Rio de Janeiro: Eduerj, 2003.

______. Bibliografia machadiana. São Paulo: Edusp, 2005.

______. Três vezes Machado de Assis. [S.l]: Ateliê, 2007.

MAGALDI, Sábato. “Preparação de um Romancista”. In: Panorama do teatro brasileiro. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1962.

MAGALHÃES JUNIOR, Raimundo. “A juventude de Machado de Assis”. Revista Brasileira de Cultura, Rio de Janeiro, n. 11, 1972.

______. Ao redor de Machado de Assis: pesquisas e interpretações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1958.

______. Idéias e imagens de Machado de Assis: dicionário antológico, com mil verbetes, abrangendo toda a obra machadiana, desde a colaboração em A marmota até o Memorial de Aires. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1956. 220 p.

______. Machado de Assis, funcionário público: no Império e na República. Rio de Janeiro: Ministério da Viação e Obras Públicas, serviço de documentação, 1958.

______. Vida e obra de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981. 4 v.

MAIA NETO, José Raimundo. O ceticismo na obra de Machado de Assis. [S.l]: Annablume, 2007. 198p.

MAIA, Alcides. Machado de Assis: algumas notas sobre o humour. Rio de Janeiro: Jacinto Silva, 1912.

MALARD, Letícia. A vida do defunto autor. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

MARIANO, Ana Salles; OLIVEIRA Maria Rosa Duarte de. Recortes Machadianos. São Paulo: EDUSC; Fapesp, 2003.

MASSA, Jean Michel. Bibliographie descriptive, analytique et critique de Machado de Assis; IV: 1957-1958. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1965.

______. Dispersos de Machado de Assis. Rio de Janeiro: INL/MEC, 1965.

______. La bibliothèque de Machado de Assis. Separata da Revista do Livro, n. 21-22. mar-jun, 1961.

______. La conaissance du grec chez Machado de Assis. Separata do Bulletin de la Faculté des Lettres de Strasbourg, ano 43, Abril, 1965.

______. La jeunesse de Machado de Assis 1839-1870: essai de biographie intelectuelle. Poitiers: 1969. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade e Letras e Ciências Humanas de Poitiers, Poitiers.

MERQUIOR, José Guilherme. De Anchieta a Euclides: breve história da literatura brasileira. Rio de Janeiro, José Olympio, 1977.

______. Gênero e estilo nas Memórias Póstumas de Brás Cubas. Lisboa: Colóquio/Letras, 1972.

MEYER, Augusto. A Chave e a Máscara. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1963.

______. A Forma Secreta. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1965.

______. “De Machadinho a Brás Cubas”. Revista do Livro, Rio de Janeiro: MEC/INL, set, 1958.

______. Machado de Assis. Rio de Janeiro: Liv. do Globo, 1935.

______. Preto & Branco. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1956.

MEYER, Marlyse. As mil faces de um herói-canalha e outros ensaios. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1998.

MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileira. v. 2. São Paulo: Cultrix; EDUSP, 1984.

______. Machado de Assis: utopia e ficção. São Paulo: Cultrix, 2000.

MONTELLO, Josué. Machado de Assis. Lisboa: Verbo, 1983. (Gigantes da literatura universal).

______. O presidente Machado de Assis. São Paulo: Martins, 1961.

NISKIER, Arnaldo. O olhar pedagógico em Machado de Assis. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1999.

OLIVEIRA, Franklin de. “O artista em sua narração: a fortuna crítica de Machado de Assis”. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 3, set. 1958.

OLIVER, Élide Valarini. “A poesia de Machado de Assis no século XXI: revisita, revisão”. In: A OBRA de Machado de Assis: ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis. [S. l.]: Brasil. Ministério das Relações Exteriores, 2006.

PAES, José Paulo. “Um aprendiz de morto”. In: _______. Gregos e Baianos. São Paulo, Brasiliense, 1985.

PASSOS, Gilberto Pinheiro. A poética do legado: o intertexto francês em Memórias Póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Annablume, 1996.

______. As sugestões do conselheiro: a França em Machado de Assis: Esaú e Jacó e Memorial de Aires. São Paulo: Atica, 1996.

______. O Napoleão de Botafogo: presença francesa em Quincas Borba de Machado de Assis. São Paulo: Annablume, 2000.

PEREIRA, Astrojildo. “Consciência nacional de Machado de Assis”. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 3, set. 1958.

______. Interpretações. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1944.

______. Machado de Assis: ensaios e apontamentos avulsos. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1959.

PEREIRA, Lafayete Rodrigues. Vindiciae: o Sr. Sylvio Romero, crítico e filósofo. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos, 1898.

PEREIRA, Lúcia Miguel. História da Literatura Brasileira: prosa de ficcção (1870-1920). Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

______. Machado de Assis: estudo crítico e biográfico. São Paulo: Editora Nacional, 1936.

PIZA, Daniel. Machado de Assis: um gênio brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial, 2005.

PUJOL. Alfredo. Machado de Assis: curso literário em sete conferências. [São Paulo]: IMESP, 2007.

QUEIROZ, Dinah Silveira de. Machado de Assis e as mulheres. Rio de Janeiro: Presença, 1976.

REALE, Miguel. A filosofia na obra de Machado de Assis: antologia filosófica de Machado de Assis. São Paulo: Pioneira, 1982.

REGO, Enylton de Sá. O calundu e a panacéia: Machado de Assis, a sátira menipéia e a tradição luciânica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

REVISTA DA SOCIEDADE DOS AMIGOS DE MACHADO DE ASSIS. Rio de Janeiro: SAMA, 1958-1959.

REVISTA DO LIVRO. Edição comemorativa do cinquentenário da morte de Machado de Assis. Rio de Janeiro: MEC/INL, v. 3, n. 11, set. 1958.

RIBEIRO, Luis Felipe. Mulheres de Papel: um estudo do imaginário em José de Alencar e Machado de Assis. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

______. “Mulheres em Machado de Assis: um desejo masculino.” In Ribeiro, Luis Filipe. Geometrias do Imaginário. Santiago de Compostela: Edicións Laiovento, 2000, p.100-111

______. “Machado de Assis: um contista desconhecido.” In Machado de Assis em linha, revista eletrônica da Casa de Rui Barbosa (http://www.machadodeassis.net), Volume I, Junho de 2008

RIEDEL, Dirce Côrtes. A metáfora: O Espelho de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1974.

______. O tempo no romance machadiano. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1959.

ROMERO, Silvio. Estudos de literatura contemporânea. Rio de Janeiro: Laemmert, 1885.

______. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980. v. 5.

______. Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira. São Paulo: UNICAMP, 1992.

ROUANET, Sérgio Paulo. “Contribuição, salvo engano, para uma dialética da volubilidade”. In: ______. Mal-estar na modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

RYAN, Marco Aurélio. “Machado de Assis: um retrato materialista do Brasil”. In: A OBRA de Machado de Assis. [Brasília]: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis.
SANTIAGO, Silviano. A retórica da verossimilhança. In:______. Uma literatura nos trópicos. São Paulo: Perspectiva; SCCT, 1978.
SCHÜLER, Donaldo. A prosa fraturada. Porto Alegre: EDUFRGS, 1983.
______. Plenitude perdida: uma análise das seqüências narrativas no romance Dom Casmurro de Machado de Assis. Porto Alegre: Editora Movimento, 1978.
SCHWARZ, Roberto. A lata de lixo da historia: farsa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. 86 p. (Teatro; 2).
______. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades, 1977.
______. Duas meninas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
______. Duas notas sobre Machado de Assis. In: ______. Que horas são?. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
______. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1990.
SECCHIN, Antonio Carlos et al. Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998.
______. Cantigas de esponsais e um homem célebre: estudo comparativo, caleidoscópio. Rio de Janeiro: Faculdade Integrada de São Gonçalo, 1989.
______. Cartas ao Seixas: estudos de literatura brasileira. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994. Estudo apresentado no Congresso Internacional Machado de Assis: texto e Contexto, realizado em set. 1989.
SENNA, Marta de. Alusão e zombaria: considerações sobre citações e referências na ficção de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, Minc, 2003.
______. O olhar oblíquo do bruxo: ensaios em torno de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.
SILVA, Ana Cláudia Suriani. “Quincas Borba, ou o declínio do folhetim”. In: A OBRA de Machado de Assis. [Brasília]: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis.
SOARES, Maria Nazaré Lins. Machado de Assis e a análise da expressão. Rio de Janeiro: INL, 1968.
SOUSA, José Galante de. “Cronologia de Machado de Assis”. Revista do Livro, Rio de Janeiro, 3 set. 1958.
______. Fontes para o estudo de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Inst. Nacional do Livro, 1969.
______ Machado de Assis e outros estudos. Rio de Janeiro: Cátedra; INL, 1979.
STRÄTER, Thomas. “Fotografia do invisível: a invenção de Daguerre na obra de Machado de Assis”. In: A OBRA de Machado de Assis. [Brasília]: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Ensaios premiados no 1º Concurso Internacional Machado de Assis.
TEIXEIRA, Ivan. Apresentação de Machado de Assis. São Paulo: Martins Fontes, 1988. 222 p.
VARA, Teresa Pires. A mascarada sublime: estudo de Quincas Borba. São Paulo, Duas Cidades; SCCT, 1976.
______. Humanitas: um signo em busca de significado. São Paulo: Duas Cidades, (1974?).
VELINHO, Moisés de Morais. Machado de Assis e a abolição: estudos. Porto Alegre: [s.n.], 1953.
______. Machado de Assis, aspectos de sua vida e de sua obra. Porto Alegre: Liv. do Globo, 1939.
______. Machado de Assis, histórias mal contadas e outros assuntos. Rio de Janeiro: São José, 1960.
VENÂNCIO FILHO, Paulo. Primos entre si: temas em Proust e Machado de Assis. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.
VERÍSSIMO, José. Estudos de literatura brasileira. Rio de Janeiro: Garnier, 1901-1907.
______. História da literatura brasileira: de Bento Teixeira a Machado de Assis. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1916.
______. Letras e literatos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936.
VIANNA, Glória. Revendo a biblioteca Machado de Assis. In: JOBIM, José Luís (Org.). A biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Topooks, 2001.
WERNECK, Maria Helena. O homem encadernado: Machado de Assis na escrita das biografias. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1966.

Internet:

ABL – MACHADO DE ASSIS. http://www.machadodeassis.org.br/

MEC – MACHADO DE ASSIS. http://machado.mec.gov.br/obra-completa-menu-principal-173/164-romance

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.