Orfeu do Carnaval (1959)

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly, PDF & Email

Sinopse

Na véspera do Carnaval, Eurídice, uma jovem do interior do Estado do Rio, descobre a cidade maravilhosa tôda enfeitada para sua festa tradicional. Ela vem ao encontro de sua prima, Serafina, a qual mora num dos morros da cidade.

Durante a procura do endereço da parenta, Eurídice trava conhecimento com um simpático condutor de bondes, Orfeu, que é também tocador de violão e coreógrafo de uma grande escola de samba. Seduzido pela beleza de Eurídice, convence-a para que tome parte do desfile do dia seguinte pelas principais avenidas do Rio. Este convite produz forte indignação em Mira, a ciumenta noiva (e par constante) de Orfeu.

O jovem está profundamente apaixonado por Eurídice. Mas a certa hora em que estão experimentando as fantasias, Eurídice descobre um estranho personagem que a persegue desde a sua cidade: um homem totalmente fantasiado (dos pés à cabeça), simbolizando a morte. Durante essa noite de viva excitação coletiva, Eurídice participa tanto da felicidade que se sente junto a Orfeu, como da ameaça do mascarado misterioso.

Durante o desfile das Escolas de Samba, Mira enciumada do triunfo da rival, precipita-se sobre ela. Euridice, completamente atordoada, foge apavorada por entre a multidão em estado delirante de alegria. Tentando escapar à perseguição da rapariga, avança involuntariamente para os braços da Morte. Quando se dá conta do seu engano, escapa aterrorizada em direção à garage dos bondes à procura de Orfeu…

O amor os reunirá de novo, porém perseguidos pela fatalidade e a violência do ciúme de Mira, ambos caem num imenso precipício…

Elenco

Breno Mello …. Orfeu
Marpessa Dawn …. Eurídice
Lourdes de Oliveira …. Mira
Léa Garcia …. Serafina
Sousa, Waldetar de …. Chico Bôto
Constantino, Alexandre …. Hermes
Santos, Jorge dos …. Benedito
Cassiano, Aurino …. Zeca
Modesto de Sousa
Adhemar Ferreira da Silva …. Morte
Maria Alice
Escola de Samba da Portela
Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro
Escola de Samba Estação Primeira da Mangueira
Escola de Samba Unidos da Capela

Ficha Técnica

Direção: Marcel Camus
Roteiro: Marcel Camus e Jacques Viot
Diálogos: Vinicius de Moraes e Marcel Camus
Estória: Baseada na peça teatral de Vinicius de Moraes
Assistência de direção: Andrade, Bartholomeu de; Mazoyer, Robert
Continuidade: Moscovici, Dyna
Produção: Gordine, Sacha
Direção de produção: Gibault, Jacques
Assistência de produção: Autuori, Sílvio; Blaché, Roger
Direção de fotografia: Bourgoin, Jean
Assistência de câmera: Costa, Geter; Gabriel, Geraldo
Eletricista: Muramatsu, Antonio
Direção de som: Leenhardt, Amaury
Mixagem: Nenny, Jean
Sonografia: Warnowsky, Alexandre
Montagem: Feix, Andrée; Wilding, Geneviève
Assistente de montagem: Chezeau, Gisèle
Guarda-roupa: Bourdonnais, Ded
Cenografia: Bonin, Loup
Contra-regra/acessórios de cenografia: Beraud, Jacques
Maquiagem: Fletcher, Jerry
Música: Antonio Carlos Jobim

Canção
Título: Manhã de carnaval;
Autor da canção: Maria, Antonio;
Autor da música da canção: Bonfá, Luiz;
Intérprete: Santos, Agostinho dos;

Título: Samba de Orfeu;
Autor da canção: Maria, Antonio;
Autor da música da canção: Bonfá, Luiz;
Intérprete: Santos, Jorge dos; Cassiano, Aurino e Alice, Maria;

Título: Felicidade;
Autor da canção: Morais, Vinícius de;
Autor da música da canção: Jobim, Antonio Carlos;
Intérprete: Santos, Agostinho dos;

Título: Nosso amor, O
Autor da canção: Morais, Vinícius de
Autor da música da canção: Jobim, Antonio Carlos
Intérprete: Côro das escolas de samba

Empresa Produtora: Dispat Films
Empresas Coprodutoras: Gemma Films | Tupan Filmes Ltda.
Empresa Distribuidora: França Filmes do Brasil S.A.

Locação: Rio de Janeiro – DF

Prêmios

1959 :: Palma de Ouro no Festival de Cannes
Prêmio Saci,1959, SP, Prêmio Especial para Camus, Marcel.
Prêmio Ruban Bleu da Crítica Francesa, 1959, Paris – FR.
Prêmio Vitoire da Associação do Cinema Francês, 1959, Paris – FR.
Primeiro Prêmio no Festival de Edimburgo, 1959, Escócia.
Prêmio Cine Étoile da Crítica Sueca, 1959, Estocolmo – SZ.
Prêmio Hors Concours no Festival de Veneza, 1959 – IT.
Melhor Direção no Festival de Berlim, 9, 1959 DE.
Prêmio Euilenspiegel e Quinto Lugar de Melhor Atriz para Dawn, Marpessa do jornal Het Laaste Nieuws, 1959, Bruxelas – BE.
Oscar, 1959 de Melhor Filme Estrangeiro, Hollywood – US.
Prêmio Golden Globe, 1959 da Crítica de Nova York – US.
Prêmio Hors Concours no Festival de San Francisco, 1959 – US.
Prêmio Palanque D’Or no Festival de Acapulco, 1959 – MX.

Bibliografia

Livros:

AUGRAS M. 1998. O Brasil do samba-enredo. Ed. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro.
CABRAL S. 1996. As Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Lumiar Editora. Rio de Janeiro.
CAMUS M. 1959. “Orfeu Negro. Un cœur où bat le sang noir”. Les Lettres françaises, Paris. 21- 27 de maio.
CAPE A. 2005. “Febrônio/Fébronio. Transfigurations d’un fait divers dans l’imaginaire brésilien de Cendrars”. Cahiers des Amériques latines. Paris, n. 48/49, p. 41-57.
CASTRO, R. 2002. Chega de saudade. A história e as histórias da Bossa Nova. Companhia das Letras. São Paulo. (1a ed. 1990).
CLOUZOT H-G. 1951. Le Cheval des dieux. Julliard. Paris.
COMPAGNON O. 2003 “L’Euro-Amérique en question. Comment penser les échanges culturels entre l’Europe et l’Amérique latine ?”. In : Coloquio L’histoire des mondes ibériques avec François-Xavier Guerra : rencontres, parcours, découvertes. Universidade Paris 1 PanthéonSorbonne. França.
Da MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis : para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1979.
Da SILVEIRA, W. Orfeu do carnaval, um filme estrangeiro. In: Fronteiras do cinema. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, 1966. p. 105-111.
De ANDRADE M. 1962. Ensaio sobre a música brasileira. Livraria Martins. São Paulo (1a ed. 1928).
De BEAUVOIR S. La Force des choses. Gallimard. Paris. (1a ed. 1963).
De L’Estoile B. 2007. Le Goût des Autres. De l’Exposition coloniale aux Arts premiers. Flammarion. Paris.
DIEGUES 2003. Pela vitória do amor e da arte. In: Cancioneiro Vinicius de Moraes. Orfeu. Jobim Music. Rio de Janeiro. p. 17-20.
ESPAGNE M. 1999. Les transferts culturels franco-allemands. PUF. Paris.
FERREIRA A. F. 2000. La Vague du cinema novo en France fut-elle une invention de la critique? L’Harmattan. Paris.
FLÉCHET, Anaïs. 2004. Villa-Lobos à Paris: un écho musical du Brésil. L’Harmattan. Paris.
FLÉCHET, Anaïs. 2006 A bossa nova, os Estados Unidos e a França: um exemplo de transferências culturais triangulares. Revista de Cultura Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 116-126.
FLÉCHET, Anaïs. 2008. Aux rythmes du Brésil : exotisme, transferts culturels et appropriations. La musique populaire brésilienne en France au XXe siècle. 902p. Tese de Doutorado – Departamento de História. Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne.
FRANK R. 1994. “Images et imaginaires dans les Relations Internationales depuis 1938”. Cahiers de l’Institut d’Histoire du Temps Présent. Paris, n.28, p. 5-11.
GILLESPIE D. 1985. To Be or Not… to Bop. Da Capo Press. New York. (1a ed. 1979).
GODARD J-L. 1959. Le Brésil vu de Billancourt. Cahiers du cinéma. Paris, jul., p. 59-60.
HENRIOT E. 1947. Beautés du Brésil. Jules Tallandier. Paris.
KERNFELD B. 2006. The Story of Fake Books : Bootlegging Songs to Musicians. Scarecrow Press, Lanham.
KOSELLECK R. 2000. Le Futur passé : contribution à la sémantique des temps modernes. École des Hautes Études en Sciences Sociales. Paris
MAIA G. Orfeu e Orfeu: a música nas favelas de Marcel Camus e de Cacá Diegues. Uberlândia: Artcultura, 2005. v.7, n.10, p. 95-109.
NAPOLITANO M. 2007. A síncope das idéias. A questão da tradição na música popular brasileira. Ed. Fundação Perseu Abramo. São Paulo.
NAVES S. C. 2001. Da Bossa nova à Tropicália. Jorge Zahar. Rio de Janeiro.
OBAMA B. Dreams from my father. A Story of Race and Inheritance. Times Book. New York.
PERRONE C. A. 2001. “Myth, Melopeia and Mimesis. Black Orpheus, Orfeu, and Internationalization in Brazilian Popular Music”. In: PERRONE C.A., DUNN C. (org). Brazilian Popular Music and Globalization. University Press of Florida. Gainesville, p. 46-71.
ROCHA G. 1959. “Orfeu merafísica de Favela”. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro. 24 de out.
SANDRONI C. 2008. “Orfeu Negro” In : libreto Orfeu Negro. Deluxe edition. Universal Jazz France.
SIMSI S. 2000. Ciné-Passions, 7e art et industrie de 1945 à 1999. Dixit. Paris.
STAM R. 1997. Tropical Multiculturalism. A Comparative History of Race in Brazilian Cinema and Culture. Duke University Press. Dunham/Londres.
TREECE D. 1997. “Guns and Roses : bossa nova and Brazil’s music of popular protest (1958-1968)”. Popular Music. Cambridge, v.18, n.1, p. 1-29.
VELOSO C. 2000. “Orpheus, Rising From Caricature”. New York Times. New York, 20 de ago., p. AR1.

Fontes utilizadas:
LRB/CP
AV/ICB
JN/Imigrantes – Americanos II
CENS/I
Press-release
ALSN/DFB-LM

Fontes consultadas:
FR-LFM/ECB
ACPJ/I
LFM/DCB

Observações:
LFM/DCB informa que é o título do filme dado no exterior.
Press-release indica como a primeira co-produção franco-brasileira; tempo de projeção: 107min; metragem: 2.982m (cena à cena) e número de partes: 6.
ACPJ/I acrescenta como assistente de gerente. As canções de : ; ; ; . No elenco: ; ; ; ; ; ; ; ; ; ; e a .
Certificado de Censura informa tratar-se de uma produção franco-brasileira.

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.