Poeta de Sete Faces (2002)

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly, PDF & Email

O documentário tem como linha mestra retratar a trajetória humana do poeta, ao mesmo tempo em que investiga, documenta e interpreta os diversos momentos de sua obra. O objetivo é transcender ao mero registro dos fatos da vida, mas mostrar como estes se mesclam nas transformações dos diversos rumos que tomam sua poesia: trata-se portanto de um “documentário poético”, onde o espírito, o clima e a emoção da arte drummondiana estão sempre presentes, definindo o texto, a imagem, a música, a montagem e o desenvolvimento dramático do filme.

Dois narradores acompanham a ação:

1) o Narrador-Documental que fornece as informações fatuais da vida, as observações dos críticos e ensaístas, o plano da razão.

2) o Narrador-Poeta que recita versos, indica poemas, declama crônicas, em suma traz o texto emotivo, a poesia drummondiana, o plano da emoção.

O documentário divide-se em três etapas que correspondem às fases distintas da obra de Carlos Drummond de Andrade e caracterizam momentos de sua vida. A primeira FASE, que chamamos “Vai Carlos, ser gauche na vida”, registra do seu nascimento em Itabira em 1902 até o final da sua “Poesia Modernista” em Belo Horizonte, antes da mudança para o Rio de Janeiro em 1934. Sua poesia com a marca do modernismo de 1922 numa versão mineira. A publicação dos primeiros livros “Alguma Poesia” e “Brejo das Almas”, quando nasce o Carlos Drummond de Andrade dos versos anedóticos, sintéticos-metafóricos, irônicos.

A segunda FASE cognominada “A vida apenas, sem mistificação”, começa com a mudança de Drummond para o Rio de Janeiro e vai mostrar o “poeta do seu tempo”, o momento de atuação política na vida do escritor, aliada a sua obra de crítica social.

A terceira FASE,chamada “Como ficou chato ser moderno, agora serei eterno” , do início dos anos 50 aos anos 80 , a fase do poeta-filósofo, do verso enigmático, do cronista de sucesso no Correio da Manhã e no Jornal do Brasil, da glória literária sendo Drummond considerado um mestre da língua, dos prêmios homenagens e troféus, dos filmes adaptados de sua obra, dos netos que nascem e a família se prolonga e do retorno aos temas do passado e da memória, Itabira que renasce nas páginas de livros como “Boitempo”, “O Menino Antigo” e o post-mortem “Farewell”.

O objetivo final é levar a beleza da obra do poeta maior da língua e o destino de uma vida exemplar ao conhecimento do grande público de cinema.

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.