Raul Cortez (1932-2006)

Biografia

Raul Christiano Machado Pinheiro de Amorim Cortez, em arte conhecido como Raul Cortez, foi um ator brasileiro nascido em São Paulo (SP) no dia 28 de agosto de 1932.

De família tradicional, estudou no rígido Colégio São Bento. Seu pai, Rui Cortez, era advogado e dono de cartório. O jovem Raul Cortez deveria seguir os passos do pai e do avô, mas, já na escola, demonstrou talento para as artes vencendo um concurso de contos. Ia ser advogado, mas aos 22 anos decidiu trocar os tribunais pelo palco. A veia artística fala mais alto e inicia carreira no Teatro Oficina.

Em 1956, é aprovado para o TBC (Teatro Brasileiro de Comédia) e estreia profissionalmente na peça Eurídice, dirigido por Gianni Ratto. Durante uma viagem a trabalho para Portugal, com a Companhia de Teatro de Cacilda Becker, conhece a atriz Célia Helena, que seria sua parceira nos palcos e na vida nos anos seguintes.

A estreia foi em 1955 e, no ano seguinte, já fez o primeiro papel no cinema, em O Pão que o Diabo Amassou. Em 1969, encarnou um travesti na peça Os Monstros e, em 1970, fez o primeiro nu do teatro brasileiro em O Balcão, de Jean Genet.

Na década seguinte recebeu vários prêmios, mas a consagração veio da mão da peça Rasga Coração (1979), no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo. Última escrita pelo mestre Oduvaldo Vianna Filho, na qual contracenou com Lucélia Santos, interpretando o amargurado funcionário público e ex-militante comunista Maguary Pistolão. A cena final, escrita por Vianinha, foi marcante: o funcionário público aparece nú amarrado por cordas nos pés e dependurado no ponto mais alto do palco. Entre outras peças, fez A Hora e a Vez de Augusto Matraga (1986) e Lobo de Raiban (1988).

Estreou no cinema em 1957 no filme O Pão que o Diabo Amassou, em 1968 ganhou o prêmio de melhor ator coadjuvante no Festival de Brasília por sua atuação no filme Capitu. Nos anos 1960, dedicou-se somente ao teatro e cinema, mas faz sua estreia na televisão em 1967 na novela Os Miseráveis.

Retorna somente em 1972 para brilhar em Vitoria Bonelli, pela TV Tupi. Seguem-se A Volta de Beto Rockfeller (1972), Xeque Mate (1976) e Tchan!, a Grande Sacada. Em 1980, foi contratado pela TV Globo para atuar na novela de Gilberto Braga, Água-Viva, na qual interpretou o cirurgião plástico Miguel Fragonard. Iniciou, a partir daí, uma carreira de sucesso na emissora, com papéis dos quais alcançou notoriedade e reconhecimento do público, tornando-se uma estrela da televisão.

Para isso também contribuíram papéis em Baila Comigo (1981), de Manoel Carlos – um amigo de 40 anos, que chegou a convidá-lo para participar de Páginas da Vida – e Partido Alto (1984), primeira novela de Aguinaldo Silva, que o consagrou em Senhora do Destino como o elegante Pedro Correia de Andrade e Couto, o Barão de Bonsucesso; e Rainha da Sucata (1990).

Apesar de ser descendente de espanhóis, foram marcantes os personagens italianos em telenovelas como O Rei do Gado, Terra Nostra e Esperança. Os mega-vilões Virgílio, de Mulheres de Areia (1993), e – seu ponto alto – como Jeremias Berdinazzi, de O Rei do Gado (1996), com os quais aumentaram a fama internacional, particularmente na Rússia, onde ambas as novelas atingiram enorme audiência país. Terra Nostra, a trama mais vendida da Rede Globo, o levou aos cinco continentes com outro italiano: Francesco Magliano.

Em 1998, retornou ao cinema, no filme Lavoura Arcaica, dirigido por Luiz Fernando Carvalho, competente diretor de televisão.

Em 2000, atuou em Rei Lear, de William Shakespeare, e, em 2004, participou da peça À Meia-Noite um Solo de Sax na Minha Cabeça, seu último trabalho no teatro.

Em 2004, participou da novela Senhora do Destino, ao lado de Glória Menezes, como o Barão de Bonsucesso, quando descobriu um câncer no intestino. Surpreendendo amigos, familiares e público em geral, em 2005, sua participação na novela foi suspença devido ao avanço da doença, que causaria a morte. Afastou-se para tratar-se longe do trabalho e dos holofotes da mídia.

Em janeiro de 2006, tudo parecia relativamente resolvido, pois o ator retornou à telinha interpretando Antonio Carlos Andrada, uma ponta, na minissérie JK, uma produção biográfica do ex-presidente Juscelino Kubitschek. No entanto, Raul Cortez, considerado um dos maiores atores brasileiros de todos os tempos, morreu em São Paulo, no dia 18 de julho de 2006, aos 74 anos de idade, às vésperas de completar cinquenta anos de carreira, em decorrência do agravamento de um câncer no pâncreas, contra o qual lutava há cerca de quatro anos.

Foi casado com a atriz Célia Helena (1936-1997), com quem tem uma filha, Lígia Cortez (1961), que também é atriz. Lygia lhe deu duas netas, Vitória (1987) e Clara (1999). Da união já desfeita com a promoter Tânia Caldas, nasceu Maria (1980).

Em 2007, a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, por meio da Coleção Aplauso, lançou sua biografia: Raul Cortez: sem medo de se expor, de autoria de Nydia Licia.

Filmografia

:: Filmografia como Ator ::

2008 :: Identificados
2007 :: Garoto Cósmico
2004 :: O Outro Lado da Rua
2003 :: Person
2001 :: Lavoura Arcaica
2000 :: Imminente Luna (CM)
1995 :: Cinema de lágrimas
1993 :: Estado de Espírito (CM)
1991 :: A Grande Arte
1989 :: Jardim de Alah
1987 :: Os Trapalhões no Auto da Compadecida
1986 :: Vera
1984 :: Tensão no Rio
1983 :: Aguenta, Coração
1982 :: Eh Pagu, Eh! (CM) …. voz
1982 :: Amor de Perversão
1980 :: À Procura do Público (CM)
1979 :: Os Trombadinhas
1978 :: Pecado Sem Nome
1976 :: O Seminarista
1972 :: A Infidelidade ao Alcance de Todos (Episódio: A Tuba)
1972 :: Janaína, a Virgem Proibida
1971 :: Roberto Carlos a 300 km por hora
1970 :: A Arte de Amar… Bem (Episódio: A Inconveniência de Ser Esposa)
1970 :: Beto Rockfeller
1969 :: Tempo de Violência
1968 :: Capitu
1968 :: Brasil Ano 2000
1968 :: Cristo de Lama (A História de Aleijadinho)
1968 :: Dezesperado (Dezesperato)
1968 :: O Homem Que Comprou o Mundo
1967 :: O caso dos irmãos Naves
1966 :: O Anjo Assassino
1965 :: Vereda de Salvação
1958 :: O Pão que o Diabo amassou

:: Filmografia como Narrador ::

1989 :: Paraty: Mistérios (CM)
1982 :: Eh Pagu, Eh!
1966 :: Lima Barreto – Trajetória (CM)

:: Filmografia como Dublador ::

2004 :: Garoto Cósmico …. Giramundos

:: Filmografia como Ele Mesmo ::

2007 :: Person

Bibliografia

Fontes de Referência

Livros:

LICIA, Nydia. Raul Cortez: sem medo de se expor. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2007.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Raul Cortez. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/raul-cortez/

Print Friendly, PDF & Email

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.