Redentor (2004)

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly, PDF & Email

Sinopse

Um jornalista aceita ser o laranja de um amigo de infância, que é também um empreiteiro envolvido em um escândalo imobiliário. Após o fracasso do negócio, ele encontra Deus e recebe dele uma missão.

Existem mais coisas entre o céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia. E Célio Rocha (Pedro Cardoso) é prova tão viva quanto morta disto: repórter de um jornal carioca, ele, um dia, vê-se obrigado a enfrentar o próprio drama ao ser escalado para cobrir um escândalo imobiliário. Ironia do destino. Ou, quem sabe, do Senhor… O fato é que, para apurar o caso, Célio é obrigado a reencontrar um amigo de infância. Nome: Otávio Sabóia (Miguel Falabella). Profissão: único herdeiro da falência de Dr. Sabóia (José Wilker), famoso empreiteiro que acabara de se suicidar. Mestre em falcatruas, este homem transformou em pesadelo o sonho da casa própria de parte da classe média brasileira. Parte esta que incluía os pais de Célio.

Por tudo isso, esta história não começa aqui e, sim, no Rio de Janeiro da década de 70, quando a Barra da Tijuca transformara-se numa espécie de Terra Prometida. Dr. Sabóia, o tal famoso empreiteiro, lançava o Condomínio Paraíso enquanto um pequeno e arrogante Otávio apresentava a maquete do empreendimento a um Célio encantado, boquiaberto e oprimido pelas posses do amiguinho. E foi para satisfazer às ambições do filho que Justo e Isaura Rocha (Fernando Torres e Fernanda Montenegro) decidiram comprar um dos 480 apartamentos do Paraíso.

Especificamente, o 808, o qual, apesar de terem pagado todas as prestações durante anos, jamais chegaram a ocupar. É que o pai de Otávio, o tal empreiteiro famoso e suicida, após vender o mesmo apartamento inúmeras vezes, decretou falência, deixando a obra semipronta e todos os proprietários aguardando por uma decisão da Justiça. Justiça esta que nunca foi feita.

Quinze anos depois, os moradores da favela vizinha ao condomínio e originada pelos operários que nele trabalharam sem nunca receber um tostão, resolvem fazer justiça pelas próprias mãos e apropriam-se daquilo que julgam pertencer-lhes: os apartamentos. Unidos, eles organizam uma invasão pacífica e entram com pedido de posse. Do 808, inclusive. A partir daí, a Otávio cabe tentar reverter a situação, pondo em prática aquilo que aprendeu: fazer com que homens vendam suas almas ao diabo.

Quanto a Célio… Cooptado por Otávio, e agora também obcecado pelo apartamento, aceita se tornar um laranja. Seu preço: US$ 5 milhões. Mas o tiro sai pela culatra. O imponderável se abate sobre todos os pecadores. Culpado e arrependido, Célio enlouquece e parte para o deserto em busca de Deus. Para sua surpresa, acaba por encontrá-lo. A salvação divina virá em troca de uma missão: convencer Otávio a doar toda a sua fortuna aos pobres. Não vai ser fácil. Mas Deus vai dar uma mãozinha!

Filme de Cláudio Torres.

Fernanda Montenegro e Fernando Torres, que integram o elenco, são os pais do diretor Cláudio Torres. Sua irmã, Fernanda Torres, além de atuar também assina o roteiro de Redentor.

Escrito a seis mãos, o desenvolvimento do roteiro levou seis anos entre escrita, discussões sobre cada ponto da história, pesquisas no universo imobiliário e bíblico.

Foram seis anos para o roteiro ficar pronto. Um ano de preparação, dois meses de pré-produção e nove semanas de filmagens.

Quanto aos laboratórios, algumas coincidências acabaram acontecendo. Convidado para interpretar Acácio, Stênio Garcia não precisou ir longe para encontrar o personagem. Na época, ele estava construindo a casa onde mora hoje. Enquanto Aparecido, o mestre de obras, trabalhava, Stênio o observava.

Camila Pitanga, que vive a dançarina de boate Soninha, que é expulsa de casa pelo pai depois de aparecer na capa de um jornal. Para fazer as cenas na boate, ela foi antes ver como as prostitutas dançavam

As locações externas do filme foram realizadas no Rio de Janeiro, Brasília, Itatiaia e Restinga de Marambaia, que fornecem algumas das paisagens reais.

– O escritório do Sabóia é o Ministério da Guerra; a sala do ministro é um salão de banquete. Quase todo em cenários construídos – o apto. 808, os corredores, a prisão, o topo da cobertura.

– Uma das cenas que todos mais temiam era a final: a dez metros de altura, no impressionante cenário da cobertura construído sobre um andaime no estacionamento do Pólo Rio de Cine, Vídeo e Comunicação, com 150 figurantes e todo o elenco reunido e muitos efeitos especiais.

– O filme que custou, no total, R$ 6,5 milhões.

– Redentor foi viabilizado com recursos obtidos através da Lei Federal 8.685/93 (Lei do Audiovisual), Lei Municipal 1.940/92 (Lei do ISS do Município do Rio de Janeiro) e Lei Municipal 10.923/90 (Lei do ISS do Município de São Paulo).

– A convite de Claudio Torres, Maurício Tagliari e Luca Raele compuseram a trilha sonora original de Redentor. A gravação e mixagem dos temas foram realizadas por Benoni Hubmaier, Carlos Lima e Gustavo Lenza, nos Estúdios YB, assistidos por Viníc ios Pereira e Diego Techera. Os temas de “O Guarani”, de Carlos Gomes, a música que acompanha os momentos emblemáticos do filme, eram uma obsessão do diretor achava que tinha que ter uma orquestra no filme. A versão utilizada, da gravadora Sony Classical, é a da Orquestra da Beethovenhalle de Bonn, regida por John Neschling.

“Milagres acontecem: Jornalista recebe de Deus a missão de convencer seu amigo de infância, um corrupto construtor, a doar sua fortuna aos pobres” – frase retirada do pôster do filme.

Elenco

Pedro Cardoso …. Célio Rocha
Miguel Falabella …. Otávio Sabóia
Fernanda Montenegro …. D. Isaura
Camila Pitanga …. Soninha
Fernando Torres …. Justo
Stênio Garcia …. Acácio
Enrique Diaz …. Moraes
Jean-Pierre Noher (Gutierrez)
Mauro Mendonça (Noronha)
Tony Tornado (Tonelada)
Lúcio Mauro (Tísico)
Lúcio Andrey (Meio-Kilo)
Babú Santana (Júnior)
Rogério Fróes (Dr. Soares)
Louise Wischermann (Celeste)
Paulo Goulart (Ministro)
Tonico Pereira (Delegado)
Guta Stresser (Flávia)
José Wilker (Dr.Sabóia)
Fernanda Torres (Isaura Jovem)
Domingos de Oliveira (Justo Jovem)
Suely Franco (Tia de Célio)
Leonardo Netto (Assessor do Ministro)
Vagner A. Sanchez (Carcereiro)
Mário Hermeto (Foca)
Marcel Miranda (Célio Criança)
Guilherme Vieira (Otávio Criança)

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Redentor (2004) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Claudio Torres
Roteiro: Elena Soárez, Fernanda Torres e Claudio Torres
Produção: Claudio Torres, Leonardo Monteiro de Barros
Produtor Associado: Daniel Filho
Produção executiva: Rômulo Marinho Jr.
Direção de Fotografia: Ralph Strelow
Montagem: Vicente Kubrusly
Música: Maurício Tagliari e Luca Raele
Som direto: Mark Van Der Willigen
Supervisão de Som: Beto Ferraz
Desenho de Som: Beto Ferraz
Mixagem: Armando Torres Jr.
Direção de arte: Tulé Peake
Figurinos: Marcelo Pies
Maquiagem: Martín Macías Trujillo
Supervisão de Efeitos Visuais: Fábio Soares
Produtora: Conspiração Filmes
Co-Produção: Warner Bros.Pictures, Globo Filmes, EstudiosMega, MegaColor, Tibet Filmes e Quanta Centro de Produções
Distribuição: Warner Bros.

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.