Selton Mello

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More
Print Friendly

Biografia

Selton Mello é um ator e diretor mineiro e um dos mais brilhantes atores de sua geração. A toda hora prova que é muito bom no que faz. Já fez de tudo um pouco: teatro, tv, dublagem e cinema.

Ainda criança, trocou Passos (cidade do interior de Minas Gerais) por São Paulo. Começou a carreira criança, aos 7 anos. Já tocava violão mas queria cantar na tv. Insistiu. E lá se foi sua mãe, D. Selva, levá-lo a todos os programas de calouros da época, como Raul Gil, Dárcio Campos, entre outros.

Logo foi chamado para comerciais e daí para as novelas foi um pulo. Estreou em 1981, na novela infantil “Dona Santa” e no ano de 1983 em “Braço de Ferro”, ambas na TV Bandeirantes.

Aos 11 anos, ao ser convidado para a novela Corpo a Corpo da TV Globo, se mudou para o Rio de Janeiro com os pais (Sr. Dalton e D. Selva) e o irmão mais novo, o também ator Danton Mello.

Em 1986, Selton participou de Sinhá Moça na TV Globo. Daí pra frente, Selton trabalhou exclusivamente como dublador, nos estúdios da Herbert Richards. Deu voz ao personagem Charlie Brown da turma do Snoopy. Diz Selton: “O cara é totalmente depressivo, sensacional”.

Também dublou filmes como Karatê Kid, Indiana Jones, seriado Anjos da Lei, entre outros trabalhos.

Sua estréia em cinema veio em 1990, no filme dos Trapalhões: Uma Escola Atrapalhada. Incentivado pelo amigo, o também ator Leonardo Brício, foi levado ao Tablado. E assim começou sua paixão pelo teatro.

E quando achou que não voltaria mais à TV, recebeu convite para a novela “Pedra sobre Pedra”, onde fez um retorno triunfal em 1992. Sempre, em toda sua carreira apostou em papéis inusitados. Nunca o mais fácil. Nunca o personagem mais óbvio.

Quem não se recorda do vilão Vitor Velasquez em “Tropicaliente”?, do feirante gago em “A Próxima Vítima”, o excepcional Emanuel, em “A Indomada”, sendo que sua última participação em novelas foi em 1999, em “A Força de um Desejo”. Brilhou nos seriados cômicos na TV, como Bernardo em “Os Normais” e Tales em “Os Aspones”.

Estreou no teatro com a peça “O Ateneu” e sua atuação na peça “A Luz da Lua”, do inglês Harold Pinter, lhe assegurou elogios da exigente crítica teatral Barbara Heliodora.

Co-dirigiu, produziu e atuou na peça “Zastrozzi”, em 2003. Na montagem de “O Zelador”, outro texto de Pinter, Selton assumiu o posto de produtor teatral. Na hora de escolher com quem dividiria o palco, preferiu jovens talentos a rostos conhecidos. “Quero apostar em gente capaz. Tenho muitos amigos talentosos que não encontram espaço porque a beleza, infelizmente, está em primeiro plano”, diz.

Selton Mello como protagonista no filme "Meu Nome não é Johnny".

Há cinco anos atuando em O Zelador, Selton Mello e sua trupe sempre que podem viajam pelo país e já foram vistos por mais de 100.000 espectadores.

No cinema, igualmente, só personagens marcantes. Na pele do frouxo Chicó, um contador de casos, Selton participou de um dos marcos da TV brasileira – a bem-sucedida adaptação de O Auto da Compadecida, a peça brasileira mais popular do século, que não sai de cartaz desde sua primeira montagem, em 1956.

Em Lavoura Arcaica, encheu os olhos com a marcante interpretação do atormentado André, sendo reconhecido como melhor ator em vários prêmios em festivais internacionais.

Selton também fez parte do elenco de Lamarca, O Que é Isso, Companheiro?, Guerra de Canudos, Lisbela e o Prisioneiro, O Coronel e o Lobisomem, entre tantos outros trabalhos expecionais e com grandes diretores.

Os mais recentes trabalhos no cinema, como O Cheiro do Ralo e Meu Nome não é Johnny, foram aclamados pelo publico e critica.

Quando o Tempo Cair, curta-metragem, lançou Selton em seu primeiro trabalho como diretor, levando-o a dirigir seu primeiro longa-metragem Feliz Natal – que sera exibido em 2008. Também em 2008 poderemos conferir sua participação no filme Os Desafinados.

Em 2009, Jean Charles, A Mulher Invisível, A Erva do Rato e Federal.

Enfim, o incansável Selton Mello ainda promete muito trabalho pela frente, e em suas palavras: “Estou sempre avançando nos meus conhecimentos para me expressar da maneira mais clara e direta, emprestando meu corpo e minha alma para viver dezenas de personagens com uma única finalidade:emocionar, divertir e fazer pensar. A arte só se completa com o olhar de quem a contempla.”

Filmografia

:: Filmografia como Ator ::

:: O Filme da minha vida (Em Produção)
2015 :: Meu Amigo Hindu
2014 :: Trash
2013 :: Uma História de Amor e Fúria (Em Finalização)
2012 :: Billi Pig
2011 :: O Palhaço
2011 :: Lutas
2010 :: Lope
2010 :: Federal
2010 :: Reflexões de um liquidificador
2009 :: Reis e Ratos
2009 :: Jean Charles
2009 :: A Mulher Invisível
2008 :: A Erva do Rato
2008 :: Os Desafinados
2008 :: Meu Nome não é Johnny
2006 :: O Cheiro do Ralo
2006 :: Árido Movie
2006 :: Tarantino’s Mind
2005 :: O Coronel e o Lobisomem
2004 :: Redentor
2004 :: Nina
2003 :: Lisbela e o Prisioneiro
2001 :: Caramuru – A invenção do Brasil
2001 :: Lavoura Arcaica
2000 :: O Auto da Compadecida
1998 :: Guerra de Canudos
1997 :: O Que é Isso, Companheiro?
1994 :: Lamarca
1990 :: Uma Escola Atrapalhada
:: Razão para crer
:: Flora

:: Filmografia como Diretor ::

:: O Filme da minha vida (Em Produção)
2011 :: O Palhaço
2008 :: Feliz Natal
2006 :: Quando o Tempo Cair

Livros Publicados

MELLO, Selton. O Palhaço. São Paulo: Master Books, 2012.

Bibliografia

Fontes de Referência

Livros:

ALMEIDA, Paulo Sérgio; OLIVEIRA, José Maria de. (org.). Quem é Quem no Cinema. Rio de Janeiro: Iluminuras, 2003.

BALLERINI, Franthiesco. Cinema Brasileiro no Século 21. São Paulo: Summus Editorial, 2012.

MELLO, Selton. O Palhaço. São Paulo: Master Books, 2012.

Internet:

FILMEB. http://www.filmeb.com.br/ – Filme B – Brasil

Compartilhe em suas Redes Sociais!
  • Twitter
  • Facebook
  • email
  • Google Reader
  • LinkedIn
  • BlinkList
  • Google Bookmarks
  • MSN Reporter
  • Myspace
  • Posterous
  • Tumblr
  • More

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.