Zezé Macedo (1916-1999)

Biografia

Maria José de Macedo, em arte mais conhecida como Zezé Macedo, foi uma atriz, comediante e poeta brasileira nascida na cidade de Capivari, atual cidade fluminense de Silva Jardim, estado do Rio de Janeiro, no dia 06 de maio de 1916.

Ainda muito criança já atuava, sua estréia no palco de um teatro foi aos 5 anos de idade, com o papel principal na peça infantil As Pastorinhas, mas aos 15 anos desistiu da aventura de atuar, para se casar com o mecânico e eletricista Alcides Manhães.

Retomou sua carreira artística após o fim do casamento, onde perde seu filho único, que morreu com apenas com 1 ano de idade. Muda-se para a cidade do Rio de Janeiro e começa a fazer radioteatro.

Passando a trabalhar na década de 1940 na Rádio Tamoyo como secretária de Dias Gomes. A seguir firmou seu tipo cômico nesta mesma rádio, no programa Lar doce Lar, interpretando pela primeira vez a empregadinha, papel que a imortaliza no cinema. Não demorou muito e conseguiu uma chance para recitar poemas aos domingos na rádio. Ainda na sua terra natal, Rio de Janeiro, estreou como profissional no teatro de revistas da Companhia de Walter Pinto. Redigiu e leu no rádio (1944) crônicas sobre a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial.

Atuou também durante cinco anos na Rádio Nacional. Os papéis cômicos eram o seu forte e foi chamada pela TV Tupi para ser uma criadinha divertida na novela Eu, a Mulher e os Filhos.

Pequena, franzina, de olhos grandes e expressão debochada, no cinema consagrou-se com personagens como a empregada ignorante, a caipira falastrona e a mulher rejeitada pela carência de atributos físicos. Logo não demorou muito para tornar-se uma das principais estrelas do cinema nacional.

Estreou no cinema em 1950 no filme Aviso aos Navegantes e faz desse veículo o fio condutor de sua carreira, ao participar de muitos filmes, entre curta e longa-metragem. Estrelou filmes como O Petróleo é Nosso, de Watson Macedo, em 1954, onde fazia uma doméstica. Em De Vento em Popa (1957), seu filme favorito, ela deixou de ser a empregadinha para usar jóias caríssimas, roupas extravagantes e cantar trechos de ópera, na pele de uma socialite perseguida por Oscarito.

Zezé Macedo já havia feito em sua carreira artística personagens diversos. Ela passou a ser considerada por Oscarito a melhor comediantes do Brasil e ganhou do amigo Grande Otelo o apelido de Charles Chaplin de saias. Sim, as chanchadas da Atlântida lhe trouxeram fama. Entre tantos, destacam-se Rio Fantasia (1957), As Cariocas (1966) e Eteia a Extraterrestre (1984).

Ao longo de sua carreira, Zezé Macedo teve 108 participações cinematográficas ao longo de sua carreira, uma de suas últimas aparições na telona foi em As Sete Vampiras, de Ivan Cardoso. Apesar da maioria de seus personagens ser as mulheres feias e as criadas, ela não deixou de ser o maior mito do cinema nacional.

Na televisão, faz sua primeira novela em 1965, A Moreninha. Desde 1965, foi atriz contratada da Rede Globo onde atuou em diversos programas humorísticos, entre eles: Os Trapalhões, Viva o Gordo, Chico Anysio Show sendo um de seus papéis mais conhecidos, a Dona Bela da Escolinha do Professor Raymundo, na TV Globo, no qual imortalizou o bordão Só pensa… naquilo!. Outra personagem muito conhecida num dos quadros do humorístico Chico Anysio Show, em que era a Biscoito, namorada do Tavares.

Em 1994, fez sua última participação no cinema, no curta Jaguadarte, em que declama poemas de Lewis Carroll traduzidos por Augusto de Campos, pela qual ganhou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Brasília.

Seu segundo casamento foi com o cantor da Companhia Gomes LealVictor Zambito, em 1961. Estiveram juntos por 38 anos e não tiveram filhos.

Além de atriz, dedicou-se também à literatura. Foi poetisa. Dedicou-se a este ofício com quatro livros publicados, sendo o último deles, A Menina do Gato (1997), com poesias e episódios da infância, foi o primeiro livro editado pelo Sindicato dos Artistas.

Zezé Macedo faleceu no dia 08 de outubro de 1999 na cidade do Rio de Janeiro (RJ), aos 82 anos de idade, vítima de uma hemorragia cerebral e hipertensão arterial contínua. Seu corpo foi cremado no cemitério São Francisco Xavier, no Rio de Janeiro, e suas cinzas foram jogadas no jardim do prédio onde morava.

Filmografia

1994 :: Jaguadarte (CM) (Zezé declama poesias)
1990 :: O Escorpião Escarlate
1988 :: Fogo e Paixão
1988 :: Natal da Portela
1988 :: O Casamento dos Trapalhões
1988 :: O Diabo na Cama
1987 :: Mais Luz (CM)
1986 :: As Sete Vampiras
1985 :: O Rei do Rio
1984 :: Os Bons Tempos Voltaram: vamos gozar outra vez (Episódio: Sábado Quente)
1983 :: Etéia, a Extraterrestre em sua aventura no Rio
1979 :: A Virgem Camuflada
1978 :: O Erótico Virgem
1977 :: Secas e Molhadas
1977 :: As Eróticas Profissionais
1977 :: Ele, Ela, Quem?
1977 :: Gordos e Magros
1976 :: Sete Mulheres Para Um Homem Só
1976 :: Pedro Bó, o Caçador de Cangaceiros
1975 :: Com as calças na mão
1975 :: O Monstro de Santa Teresa
1975 :: Assim Era Atlântida
1975 :: O Padre Que Queria Pecar
1975 :: As Loucuras de um Sedutor
1974 :: Robin Hood – O Trapalhão da Floresta
1974 :: Onanias o Poderoso Machão
1974 :: Oh Que Delícia de Patrão
1974 :: As Mulheres Que Fazem Diferente (Episódio: Que Delícia de Mulher)
1973 :: Tati, A Garota
1973 :: Salve-se Quem Puder (Rally da Juventude)
1973 :: Os Mansos (Episódio: A B… de Ouro)
1973 :: Como É Boa Nossa Empregada (Episódio: O Terror das Empregadas)…. patroa
1973 :: Mais ou Menos Virgem
1970 :: Os Monstros de Babaloo …. Frinéia
1969 :: Macunaíma
1966 :: As Cariocas (3º episódio)
1964 :: Lana, Rainha das Amazonas (Lana – Krönigin Der Amazonen) (Alemanha/ Brasil)
1964 :: O Santo Módico (Brasil/França)
1962 :: Rio à Noite
1961 :: Três Colegas de Batina
1961 :: Virou Bagunça …. Biluca
1959 :: Minervina Vem Aí …. Melita
1959 :: Dona Xepa
1959 :: Esse Milhão é Meu …. Augusta
1959 :: O Homem do Sputnik …. Cleci
1958 :: Cala a Boca, Etelvina! …. Pancrácia
1958 :: O Camelô da Rua Larga …. Possidônia
1958 :: Aguenta o Rojão
1958 :: E o Espetáculo Continua …. Prudência
1958 :: É de Chuá …. Biluca
1958 :: A Grande Vedete …. Fifina
1957 :: De Vento em Popa …. Madame Frou-Frou
1957 :: Treze Cadeiras
1957 :: Rio Fantasia
1957 :: Rico Ri à Toa
1957 :: Maluco por Mulher
1957 :: Garotas e Samba …. Inocência
1957 :: Tem Boi na Linha
1956 :: Quem Sabe, Sabe!
1956 :: Tira a Mão Daí!
1955 :: Trabalhou Bem, Genival
1955 :: Carnaval em Marte …. Justina
1955 :: Sinfonia Carioca …. Faustina
1955 :: O Feijão é Nosso
1955 :: O Segredo de uma Confissão (Inacabado)
1954 :: O Petróleo é Nosso
1950 :: Aviso aos Navegantes

Bibliografia

Livros:

AUGUSTO, Sérgio. Este Mundo é um Pandeiro: a Chanchada de Getúlio a JK. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Zezé Macedo. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/zeze-macedo/

Sobre História do Cinema Brasileiro

Site do História do Cinema Brasileiro.