fbpx

10 Filmes sobre Caminhoneiros

Cinema, Aspirinas e Urubus (2005)

O ano é 1942, o mundo vive a Segunda Guerra Mundial. No sertão do Brasil, encontram-se dois homens muito diferentes: um alemão de nome Johann, que fugiu da guerra, aceitando um emprego para vender a mais nova droga miraculosa. O outro é o sertanejo Ranulpho, morador de uma pequena vila, mais um dos muitos agricultores expulsos de suas terras pela implacável seca nordestina.

Johann sai do Rio de Janeiro e dirige rumo ao Nordeste do Brasil num caminhão carregado de frascos de Aspirina® e filmes com propagandas do produto. Ranulpho faz o percurso inverso, ou seja, está indo buscar uma vida melhor no promissor e industrializado sudeste do país e, para isso, deixa sua pequena cidade natal rumo ao Rio de Janeiro. Johann precisa de um ajudante e contrata Ranulfo. Assim, acontece o encontro ocasional desses dois personagens. Interesses em comum e a promessa de cada um chegar ao seu destino fazem com que partam nessa aventura juntos. Nessa viagem, Johann começa a conhecer o país, ao mesmo tempo em que escapa das notícias da guerra. Num caminhão, os dois percorrem as estradas poeirentas do interior do Brasil. Mostram aos moradores das menores vilazinhas um filme sobre o novo remédio que é a primeira experiência com o cinema da maioria deles. A viagem é também uma oportunidade de troca entre duas experiências de vida muito diferentes, do alemão urbano e educado, e do brasileiro iletrado, mas versado em vários expedientes úteis para seu dia-a-dia.

Caminhoneiros (2007)

Segundo a escritora Rachel de Queiroz, o caminhoneiro é o rei dos caminhos. Um bon-vivant que tem o caminhão como casa, a estrada como chão e o céu como teto. De quebra, ainda tem uma mulher em cada posto. Mas será que isto é verdade?

O documentário Caminhoneiros colocou o pé na estrada para revelar uma outra realidade. Hipnotizados pela magia da estrada, os caminhoneiros brasileiros cortam o país de ponta a ponta levando mais da metade da carga transportada no Brasil. Estima-se que sejam 900 mil trabalhadores vivendo uma luta diária pela sobrevivência. Vencendo estradas em condições precárias, apelando à proteção divina para driblar a violência dos roubos de carga, o risco constante da morte e o consumo de “arrebite”, o remédio que mantém essa verdadeira legião acordada horas no volante. Sem falar da turbulenta convivência com os agenciadores de carga e a Polícia Rodoviária.

Este filme trata da descoberta muito mais que um país, é a descoberta do jeito brasileiro de viver, refletido muito bem nos nossos caminhoneiros.

Homem comum (2013)

POSTER Homem ComumAo longo de quase 20 anos, o cineasta Carlos Nader conviveu com o caminhoneiro paranaense Nilson de Paula e sua família. Desde o início, havia o projeto de realizar um documentário, cujas intenções se transformam visceralmente, num processo também captado pela câmera. Durante esse período, transformam-se as vidas de Nilson de Paula, que adoece, de sua mulher, Jane, e de sua única filha, Liciane, assim como a do diretor, que passa a fazer parte deste círculo também afetivamente. Grandes questões, como o sentido da vida, incorporam-se à própria tessitura do filme, ao qual se contrapõem trechos do clássico A Palavra (Ordet), de Carl Dreyer, evidenciando conexões estéticas e existenciais.

À Beira do Caminho (2012)

João é um homem que encontra na estrada uma saída para esquecer os dramas de seu passado. Por acaso ou sorte, seu caminho se cruza com o de um menino em busca do pai que nunca conheceu. A partir desse encontro, nasce uma relação que movimentará o equilíbrio construído por João para enfrentar seus fantasmas.

Iracema – Uma Transa Amazônica (1976)

O filme começa com a família de Iracema chegando de barco em Belém no Pará, para a festa do Círio de Nazaré. Mesmo com apenas quinze anos, ela permanece na cidade e começa a se prostituir, recebendo as orientações das mulheres mais velhas. Num cabaré, ela conhece o caminhoneiro Tião “Brasil Grande”, que cruza a rodovia Transamazônica transportando madeira. Tião leva Iracema para suas viagens, até que se cansa dela e a deixa num prostíbulo de beira de estrada. Tempos depois, os dois se reencontram rapidamente. Tião parece ter melhorado de vida, está com um caminhão novo e agora transporta gado. Já Iracema está completamente entregue à prostituição e à miséria.

Em uma obra que mistura documentário e ficção, uma pequena equipe de cinema vai à Amazônia rodar um filme com imensa liberdade formal. Um fio de enredo: um caminhoneiro, Tião Brasil Grande (Paulo César Pereio), encontra uma jovem prostituta, Iracema (Edna de Cássia), e juntos percorrem parte da região amazônica, então zona de segurança nacional sob rígido controle militar, contracenando com moradores e interagindo com outros intérpretes.

Estrada da Vida (1980)

São Paulo. A cidade desperta com seu povo, suas tristezas, suas esperanças e poluição. Nela se encontram dois imigrantes, Romeu e José, pintores de parede dispostos a realizar um sonho: cantar para o povo. Sem dinheiro e sem documentos, hospedam-se no Hotel dos Artistas e resolvem formar uma dupla: Milionário e José Rico. No próprio hotel começam a ensaiar o primeiro show, contratados por Malaquias, um empresário sem caráter. Em um show, num circo mambembe situado na periferia da cidade, conhecem um caça talentos de uma gravadora que os leva para um teste. Enquanto o sucesso não vem, continuam trabalhando como pintores de parede; mas acabam despedidos porque cantavam durante o horário de trabalho fazendo com que todos seus companheiros parassem para ouvi-los. Após muitas peripécias eles gravam o primeiro disco mais nada acontece. José Rico resolve, então, apelar para Nossa Senhora Aparecida. Fazem uma promessa, deixando o disco no altar. O elepê é levado à rádio local e o programador coloca no ar a música. A estrada de vida. É o milagre e o início de uma fulgurante carreira.

Jorge, um brasileiro (1989)

Baseado no romance homônimo de Oswaldo França Jr., Jorge, Um Brasileiro mostra o universo dos caminhoneiros que atravessam estradas, florestas e rios para chegar aos destinos mais distantes. Jorge (Carlos Alberto Riccelli) é um deles. O filme apresenta o universo dos caminhoneiros que atravessam o país.

Depois de brigar com a sua antiga companheira Sandra (Glória Pires), ele sai para mais uma viagem, lembrando-se dos fatos mais marcantes de sua vida, suas maiores aventuras e os melhores amigos de estrada. Por sua mente passam as figuras mais exóticas que já encontrou pelo folclórico interior do Brasil. São delegados, bêbados, profetas, policiais, fazendeiros, homens puros e gente desonesta. Mas os obstáculos devem ser vencidos para que Jorge cumpra a missão dada por seu carismático chefe Mário (Dean Stockwell). Em um mundo sem fronteiras e repleto de aventuras, Jorge verá o desenvolvimento de uma saga jamais imaginada por qualquer outro brasileiro.

O Caminho das nuvens (2003)

Romão, o pai, tem um sonho: um emprego que lhe pague mil reais por mês. Rose, a mãe, empresta ao marido analfabeto, porém sonhador, uma confiança total e apaixonada. Antônio, o filho mais velho, busca seu lugar no mundo enquanto descobre os segredos e dificuldades da adolescência em plena estrada. Os outros filhos do casal, com idades entre seis meses e dez anos, se deslocam sem muito entenderem o porquê, mas sem nunca perderem a alegria de viver. A família sai pela estrada em busca de uma vida melhor. Enfrentam fome, calor, cansaço e violência.

O Caminho das Nuvens é baseado na história real de Cícero Ferreira Dias. Caminhoneiro desempregado que, junto com sua mulher e seus 5 filhos, pedala desde Santa Rita, na Paraíba, até Bangu, no Rio de Janeiro, numa arriscada jornada de 3.200 quilômetros.

Mágoa de Boiadeiro (1978)

Escrito pelo consagrado autor de telenovelas Benedito Ruy Barbosa, o filme conta a história de Diogo (Sérgio Reis), um peão boiadeiro, revoltado com a chegada do progresso a sua pequena cidade do interior de São Paulo e, com o mesmo, dos caminhões, que agora roubam seu emprego,o de seus amigos e a vida de sua grande paixão, Mariana, que, quando violentada por um caminhoneiro, teve um destino trágico. Neste clássico sertanejo, você viverá, com seus personagens, a dura realidade dos seus problemas sociais e de causas, que sua música tão bem sabe expressar. Você vai compartilhar de sua alegria, vai se encantar com sua amizade sincera, com seu folclore tão rico e com as belezas da vida no campo.

Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo (2009)

A história de José Renato, geólogo, 35 anos, enviado para realizar uma pesquisa de campo durante a qual terá que atravessar todo o Sertão, região semi-desértica, isolada, situada no Nordeste do Brasil. O objetivo de sua pesquisa é avaliar o possível percurso de um canal que será construído a partir do desvio das águas do único rio caudaloso da região. No decorrer da viagem, nos damos conta que há algo de comum entre José Renato e os lugares por onde ele passa: o vazio, uma certa sensação de abandono, de isolamento. O desolamento da paisagem parece ecoar em José Renato e a viagem vai ficando cada vez mais difícil. Sensível filme brasileiro dirigido por Marcelo Gomes e Karim Aïnouz.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.