fbpx

2000 Nordestes (2000)

Sinopse

O que o nordestino da virada do século XXI pensa da vida e espera do futuro? No rastro desta indagação, o documentário de longa-metragem 2000 Nordestes registra uma realidade múltipla, com uma diversidade de rostos, sonhos, alegrias e frustrações. A fé, a diversão, o amor e o trabalho são apenas alguns dos temas que perpassam o documentário. Passeando pela Paraíba, Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia, Pernambuco, e pelas comunidades nordestinas de São Paulo e do Rio de Janeiro, uma câmera leve e desprovida de pré-conceitos faz um retrato deste povo. E deixa ele falar

2000 Nordestes é um documentário de longa-metragem de 70 minutos sobre o nordestino na virada do século XXI. Do Ceará à Bahia, passando pelo Rio Grande do Norte, pela Paraíba e por Pernambuco (e com o contraponto da diáspora nordestina em São Paulo e no Rio de Janeiro), o filme busca fazer um levantamento do imaginário nordestino contemporâneo: uma mistura das mais ricas ou arcaicas tradições regionais com influências da mais moderna cultura de massa da era da globalização.

As imagens e os depoimentos são editados em contraste com cenas de clássicos do cinema brasileiro com temática nordestina, permitindo, assim, abordar com lucidez e de forma crítica e bem humorada a realidade da região nos dias de hoje. Desde a herança tropicalista até o maracatu e o manguebit do caldeirão humano das favelas alagadas do Recife, o povo nordestino vem produzindo os fenômenos artísticos contemporâneos mais interessantes, frutos de uma cultura sincrética rica em contrastes e, no final das contas, berço de grande parte da cultura pop brasileira.

Ao som do Nordeste contemporâneo, 2000 Nordestes bota o pé na estrada e vai atrás desse povo.

As imagens para o documentário 2000 Nordestes foram colhidas em digital e transferidas para 35mm (como o filme Buena Vista Social Club, de Wim Wenders). Os filmes utilizados na montagem são clássicos do cinema brasileiro com temática nordestina – Vidas Secas de Nelson Pereira dos Santos e Deus e o Diabo na Terra do Sol de Glauber Rocha.

Dirigido por Vicente Amorim e David França Mendes, as filmagens se estenderam por três semanas, durante o mês de Março de 1999. Munidos de uma câmera mini DV VX1000, Vicente, David e o fotógrafo Rodrigo Monte percorreram, dentro de um Palio, cerca de 4 mil Km pelo Nordeste. As filmagens ocorreram na Paraíba, no Ceará, no Rio Grande do Norte, na Bahia, em Pernambuco, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

A música de 2000 Nordestes foi produzida e composta por Leleo e David Villefort (responsáveis, entre outros trabalhos, pela trilha do filme Como ser solteiro), compositores que souberam levar para as telas o “cross-over” pop-regional que caracteriza a moderna música do Nordeste.

A LC Barreto é uma das mais atuantes produtoras de cinema do Brasil; tendo produzido desde clássicos como Vidas Secas e Bye Bye, Brasil até filmes indicados ao “Oscar” de melhor filme estrangeiro como O Quatrilho e O Que é isso, Companheiro?.

A Tibet Filme, empresa irmâ dos Estúdios Mega (mais completo estúdio de pós-produção do Brasil), é co-produtora do filme na parte de finalização. O filme teve co-produção da Riofilme, tendo, assim, distribuição garantida no Brasil.

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de 2000 Nordestes que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Vicente Amorim e David França Mendes
Produtores: Lucy Barreto e Luiz Carlos Barreto
Produção: LC Barreto, Tibet Filme e Riofilme
Produção Executiva: Vicente Amorim
Roteiro: David França Mendes
Direção de Fotografia: Rodrigo Monte
Montagem: Pedro Amorim e Gustavo Cascon
Música: Leleo e David Villefort
Produtores Associados: Marcelo Santiago e Flávia Orlando
Distribuição e co-produção: Riofilme
Press-book: Júlia Duque Estrada Pontes

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.