fbpx

23ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Evento

A 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes ocorrerá entre os dias 24 de janeiro e 1º de fevereiro de 2020. Esta edição vai homenagear os atores Antônio Pitanga e Camila Pitanga. O ator está presente no elenco de Os Escravos de Jó, dirigido pelo cearense Rosemberg Cariry e filmado em Ouro Preto, que será o filme de abertura do evento mineiro.

Serão exibidos 78 curtas-metragens, vindos de 14 estados e espalhados por nove seções gratuitas. Os filmes da edição 2020 vêm de Alagoas (3), São Paulo (18), Minas Gerais (15), Pernambuco (8), Rio de Janeiro (10), Rio Grande do Norte (2), Paraná (7), Santa Catarina (1), Rio Grande do Sul (3), Goiás (4), Paraíba (2), Tocantins (2), Espírito Santo (2) e Sergipe (1). Eles serão apresentados dentro das mostras Foco, Panorama, Foco Minas, A Imaginação como Potência, Formação, Jovem, Mostrinha e Praça.

A Mostra Aurora – a seção da Mostra de Cinema de Tiradentes dedicada a filmes de diretores com até três longas-metragens no currículo é um dos destaques do evento que em 2020 exibirá oito títulos de cinco estados que terão pré-estreia no evento. Em comum, todos lidam com a realidade brasileira através de chaves de reinvenção, reconfiguração ou alegoria, seja em documentários que olham diretamente para determinado espaço ou acontecimento, seja numa ficção de época ambientado no século XIX. Os filmes selecionados pelos curadores Francis Vogner dos Reis e Lila Foster dialogam com a temática desta edição, A imaginação como potência, e serão avaliados pelo Júri da Crítica, formado por pesquisadores, críticos e professores. O ganhador da Aurora leva o Troféu Barroco e prêmios oferecidos por parceiros da Mostra.

O interessante da temática de Tiradentes em 2020 é que, mesmo bastante ampla, ela abre vetores muito específicos da nossa imaginação pública e da nossa imaginação política. Ela nos permite olhar para o que a arte propõe enquanto reinvenção do real e do mundo, diz Lila Foster, uma das curadoras. São vetores de uma perspectiva poética sobre como lidar com a invenção cinematográfica e com o que ela formula. Não só sobre o mundo tal como ele é, mas também através de outras percepções do que ele poderia ser, deixando de lado a ‘fidelidade’ a um suposto realismo para ir ao encontro das possibilidades de imaginação.

Os filmes escolhidos para a edição 2020 da Mostra Aurora são: Cabeça de Nêgo (CE), de Déo Cardoso; Cadê Edson? (DF), de Dácia Ibiapina; Mascarados (GO), de Marcela Borela e Henrique Borela; Pão e Gente (SP), de Renan Rovida; Ontem Havia Coisas Estranhas no Céu (SP), de Bruno Risas; Canto dos Ossos (CE), de Jorge Polo e Petrus de Bairros; Natureza Morta (MG), de Clarissa Ramalho; e Sequizágua (MG), de Maurício Rezende.

Para Francis Vogner, todos estes longas-metragens se aproximam na cosmopoética de outros tipos de abordagem de elementos identificáveis como pertencentes a um suposto realismo. Nenhum deles, portanto, usa o real como camisa de força, e sim como ponto de partida para a proposição de reconfigurações.

Um filme como ‘Cadê Edson?’, por exemplo, se utiliza de material televisivo para recriar uma narrativa na contramão da forma como aquela situação e aqueles personagens foram apresentados pelos meios tradicionais de comunicação, aponta o curador. No caso de ‘Pão e Gente’, que é adaptação do texto ‘A Padaria’, de Bertolt Brecht, escrito no começo dos anos 1930, o que o diretor faz é reconstituir o conteúdo do material original para o meio urbano contemporâneo do Brasil, onde as questões apontadas pelo dramaturgo alemão ainda podem reverberar hoje.

No caso de Natureza Morta, o filme opta por manter o anacronismo romanesco do material original (o romance A Carne, de Julio Ribeiro, lançado em 1888), porém transferindo várias de suas inquietações para as aflições do século 21, em especial a subjetividade da mulher diante das violências e opressões de uma sociedade brasileira afundada no patriarcalismo. Por sua vez, “Canto dos Ossos”, segundo Francis, se vale da multiplicidade de elementos imaginativos (da ficção de horror ao drama social) para apresentar uma abordagem singular do cotidiano de trabalhadores no país, tendo de ponto de partida uma professora vampira.

Programação

Mostra Foco

A Barca, Nilton Resende (AL)
Aos Cuidados Dela, Marcos Yoshi (SP)
Calmaria, CATAPRETA (MG)
Cinema Contemporâneo, Felipe André Silva (PE)
Egum, Yuri Costa (RJ)
Estamos todos na Sarjeta, mas alguns de nós olham as Estrelas, João Marcos de Almeida e Sergio Silva (SP)
Mansão do Amor, Renata Pinheiro (PE)
Minha história é outra, Mariana Campos (RJ)
Perifericu, Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira (SP)
Rancho da Goiabada, Guilherme Martins (SP)

Mostra Panorama

A MENTIRA, Klaus Diehl e Rafael Spínola (RJ)
A MULHER QUE EU ERA, Karen Suzane (MG)
A NAVE DE MANÉ SOCÓ, Severino Dadá (PE)
A TERRA DAS MUITAS ÁGUAS, Catu Rizo / Ass. de direção Manaíra Carneiro (RJ)
A VIAGEM DO SEU ARLINDO, Sheila Altoé (GO)
BOM DIA SANTA MARIA, Rafael C. Parrode (GO)
BONDE, Asaph Luccas (SP)
COPACABANA MADUREIRA, Leonardo Martinelli (RJ)
DESERTO ESTRANGEIRO, Davi Pretto (RS)
DUDA, Eugenia Castello, William Biagioli (PR)
EM REFORMA, Diana Coelho (RS)
ENTRE NÓS E O MUNDO, Fabio Rodrigo (SP)
FAIXA DE GAZA, Lúcio César Fernandes (PB)
FÉRIAS, André Meirelles Collazzo (SP)
FIQUEM, Zoe Guglielmoni (SP)
JULHO, Danilo Daher e Daniel Calil (GO)
LOOPING, Maick Hannder (MG)
MÃTÃNÃG, A ENCANTADA, Shawara Maxakali e Charles Bicalho (MG)
MONA, Luíza Zaidan e Thiago Schindler (SP)
NÃO VOU A LUGAR NENHUM, Maurício Coutinho (TO)
PEQUENOS DELITOS, Rodrigo Grota (PR)
ROSÁRIO, Juliana Soares e Igor Travassos (PE)
RUA AUGUSTA, 1029, Mirrah Iañez (SP)
SEM TÍTULO # 5 : A ROTINA TERÁ SEU ENQUANTO, Carlos Adriano (SP)
TRINDADE, Rodrigo Meireles (MG)

Mostra Foco Minas

ANGELA, Marília Nogueira (MG)
AZAR, Gabriel Duarte (MG)
BABI & ELVIS, Mariana Borges (MG)
BROOKLIN, Coletiva [CineLeblon] (MG)
DIZ QUE É VERDADE, Claryssa Almeida e Pedro Estrada (MG)
ESTRANHO ANIMAL, Arthur B. Senra (MG)
NOVE ÁGUAS, Gabriel Martins e Quilombo Marques (MG)
SANTA, Marco Andrade (MG)

Mostra Temática – Mostra A Imaginação como Potência

A Felicidade Delas, Carol Rodrigues (SP)
Inabitáveis, Anderson Bardot (ES)
O VERBO SE FEZ CARNE, Ziel Karapotó (PE)
OS ÚLTIMOS ROMÂNTICOS DO MUNDO, Henrique Arruda (PE)
Pattaki, Everlane Moraes (SE)

Mostra Formação

A SÚSSIA, Lucrécia Dias (TO)
ABRAÇO, Matheus Murucci (RJ)
E NO RUMO DO MEU SANGUE, Gabriel Borges (PR)
EU ESTOU VIVO, Maíra Campos e Michel Ramos (MG)
NADA ALÉM DA NOITE, Rodrigo de Janeiro (RJ)
RELATOS TECNOPOBRES, João Batista Silva (GO)
REMOINHO, Tiago A. Neves (PB)
SÁBADO NÃO É DIA DE IR EMBORA, Luísa Giesteira (RJ)

Mostra Jovem

1996, Rodrigo Brandão (MG)
BARCO DE PAPEL, Thais Scabio (SP)
Ilhas de Calor, Ulisses Arthur (AL)
MENINOS RIMAM, Lucas Nunes (SP)

Mostra Mostrinha

A FESTA NO CÉU, Alisson Menezes (PE)
A GALINHA RUIVA, Irson Jr (ES)
TORCIDA ÚNICA, Catarina Forbes (SP)
Trincheira, Paulo Silver (AL)
Vivi Lobo e o Quarto Mágico, Isabelle Santos e Edu MZ Camargo (PR)

Mostra Curtas na Praça

A Parteira, Catarina Doolan (RN)
A Tradicional família brasileira Katu, Rodrigo sena (RN)
Aquele Casal, William de Oliveira (PR)
As Rendas de Dinho, Adriane Canan (SC)
Bicha-Bomba, Renan de Cillo (PR)
Carne, Camila Kater (SP)
Dominique, Tatiana Issa, Guto Barra (RJ)
Êles, Roberto Burd (RS)
Papo Franco, Luis Lomenha (RJ)
Sangro, Tiago Minamisawa, Bruno H Castro, Guto BR (codireção) (SP)
Sem Asas, Renata Martins (SP)
Seremos ouvidas, Larissa Nepomuceno (PR)
Swinguerra, Barbara Wagner e Benjamin de Burca (PE)

Mostra Aurora

Cabeça de Nêgo (CE), de Déo Cardoso;
Cadê Edson? (DF), de Dácia Ibiapina;
Mascarados (GO), de Marcela Borela e Henrique Borela;
Pão e Gente (SP), de Renan Rovida;
Ontem Havia Coisas Estranhas no Céu (SP), de Bruno Risas;
Canto dos Ossos (CE), de Jorge Polo e Petrus de Bairros;
Natureza Morta (MG), de Clarissa Ramalho;
Sequizágua (MG), de Maurício Rezende;

Bibliografia

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/23-mostra-de-cinema-de-tiradentes/
MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES. Disponível no endereço: http://mostratiradentes.com.br/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.