fbpx

Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (ACCIRS)

Entidade

O que é a crítica? Crítica é a informação, a análise e o julgamento de uma obra artística; exercer a crítica é detectar qual era o objetivo do realizador e se este foi alcançado; é analisar o filme com as ferramentas da teoria do cinema e da experiência da vida.

São múltiplas as definições de crítica, entre as quais poderíamos ainda agregar o termo “dialogar”, pois um texto também dialoga com a obra tratada. Se praticada em mídia diária ou semanal, resulta num serviço prestado ao leitor; se dirigida a iniciados, como nas publicações segmentadas, resulta também num incitamento à reflexão. Aliás, a reflexão é um dos eixos que o cinema desenvolve no Rio Grande do Sul desde, pelo menos, 1948, quando foi fundado o Clube de Cinema de Porto Alegre. Iniciativa de Paulo Fontoura Gastal que completa 60 anos em plena atividade.

O cineclubismo, com a exibição e a discussão sistemática de filmes, sem dúvida, contribuiu para que gerações de cineastas viessem a surgir e fossem responsáveis por colocar o Estado na posição de terceiro pólo de produção nacional. Conforme dados da Fundação de Cinema do RS – Fundacine, nos últimos cinco anos, o cinema gaúcho movimentou em seus orçamentos de produção mais de R$ 62 milhões, entre médias, curtas e longas-metragens (valor que não inclui o mercado publicitário nem a produção televisiva local). Atualmente, cerca de dez longas estão em fase de produção. Na esteira desta condição, quatro cursos de graduação em cinema preparam para o mercado novos profissionais (Unisinos, PUC, Ulbra e Universidade Federal de Pelotas).

E é neste contexto, do qual não podemos também esquecer o papel das 36 edições do Festival de Cinema de Gramado, que resolvemos criar a ACCIRS – Associação de Críticos de Cinema do RS. Fundada em março de 2008, é a segunda associação exclusiva de críticos de cinema existente no país (a primeira é do Rio de Janeiro). Poderíamos ter sido pioneiros, já que a vontade de criar uma entidade com este fim vem desde 1960, quando houve uma tentativa de mobilização (chegou a acontecer uma reunião no antigo Instituto Goethe, que ficava no centro de Porto Alegre) que, por alguma razão, acabou não vingando. A explicação para o fato de termos conseguido agora, além do referido cenário, certamente tem a ver com os crescentes espaços dedicados ao cinema na internet. Sites e blogs fazem surgir comentaristas de última hora, cinéfilos com textos rasteiros, mas também são incubadoras de um novo grupo de críticos. Além do mais, propiciam o exercício da crítica de forma direta e sem maiores limitações de tamanho, problema que as publicações impressas cada vez enfrentam mais.

A internet, por sinal, é o meio ideal para a ACCIRS apresentar o trabalho de seus associados, que de início já são mais de 30, e de dar espaço para estudantes de cinema e jornalismo que se propõem a analisar filmes com seriedade. Portanto, o site da ACCIRS é o retrato desta entidade que nasce na era digital, sintonizada na velocidade e na pluralidade do meio eletrônico. É nele também que podemos rever textos que merecem outra chance de ser lidos, por isso criamos a seção Revendo. E é por reconhecermos a importância de gerações passadas que lançamos a seção Memória da Crítica, para homenagear críticos gaúchos que contribuíram para a formação de inúmeros cinéfilos (o site conta ainda com a seção Futuro da Crítica, dedicada à publicação de artigos escritos por alunos de cinema dos cursos das universidades gaúchas).

Nosso primeiro homenageado na seção Memória da Crítica é Luiz Fernando Becker, o Tuio Becker, que nos deixou em abril deste ano e tem seu perfil traçado por Hiron Goidanich, o Goida. Um decano que, todos sabem, não usa computador (seu texto foi digitado por um discípulo), mas convive com pessoas que se alfabetizaram no computador. O cinema, de todas as épocas, de todos os gêneros e línguas, une estas gerações. A ACCIRS veio para divulgar o que estes críticos pensam e, assim, dar um empurrãozinho para que mais espectadores possam ir além do “gostei versus não gostei”.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.