fbpx

Adolfo Celi (1922-1986)

Biografia

Adolfo Celi foi um roteirista, produtor, ator e diretor italiano nascido em Messina, no dia 27 de julho de 1922. Formado pelo Academia Nacional de Arte Dramática de Roma, em 1945, este siciliano teve no teatro sua iniciação como ator e diretor. Seus mestres foram os grandes diretores Luigi Zampa e Luigi Comenoini, que o dirigiram como ator, respectivamente nos filmes Um Ianque na Itália (1945) e É Proibido Roubar (1948).

No final dos anos 40, depois de perambular pela Argentina, decidiu fixar-se em São Paulo onde participou da revolução teatral promovida pelo Teatro Brasileiro de Comédia, dirigindo Antígona, de Sóflocles e uma peça de Eugene O’ Neill: A Longa Jornada de um Dia para Dentro da Noite.

Fundou mais tarde, com sua mulher Tonia Carrero e seu amigo Paulo Autran, a companhia Tônia Celi-Autran. Ao mesmo tempo, ao lado de Franco Zampari, Ruggero Jacobbi e Luciano Salce participou da criação da Companhia Cinematográfica Vera Cruz, em São Bernardo do Campo, primeira tentativa de se criar uma indústria de cinema no Brasil. Para estes estúdios, que ele qualificava como sonhos de poetas, ele dirigiu o drama Caiçara e o musical Tico-Tico no Fubá, com Tonia Carrero e Anselmo Duarte no papel de Zequinha de Abreu. Quando voltou para a Itália, Celi deixou inacabadas as filmagens de Marafa. Na Europa tornou-se conhecido internacionalmente por sua participação nos filmes E Vene Um Uomo (1964), 007 Contra a Chantagem Atômica (1965), Expresso de Von Ryan (1966) e Quinteto Irreverente (1982). Adolfo Celi, ao lado de Vitório Gassmann e Luciano Lucignani dirigu um dos três episódios de O Álibi, de 1968.

No início de sua carreira trabalhou, como ator e diretor teatral. Atuou também no cinema em Un Americano in Vacanza e em Proibido Rubare.

Na década de 50, veio para o Brasil e trabalhou no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC). Adolfo Celi se tornou um dos nossos diretores teatrais mais importantes e encenou peças que marcaram a história do teatro brasileiro, como Arsênico e Alfazema, Antígona, Seis personagens à procura de um ator e A longa jornada de um dia para dentro da noite. Formou uma companhia de teatro juntamente com Paulo Autran e Tonia Carrero.

No cinema brasileiro, dirigiu os filmes Caiçara e Tico-Tico no Fubá. Celi está fortemente ligado à arte brasileira devido à grandeza de suas colaborações para o teatro e o cinema.

Adolfo Celi morreu em 19 de fevereiro de 1986, em Roma, na Itália, de problemas cardíacos.

Filmografia

:: Filmografia como Ator ::

1982 :: Quinteto Irreverente
1966 :: Expresso de Von Ryan
1965 :: 007 Contra a Chantagem Atômica
1964 :: E Vene Um Uomo
19 :: Un Americano in Vacanza
19 :: Proibido Rubare

:: Filmografia como Diretor ::

1968 :: O Álibi
19 :: Caiçara
19 :: Tico-Tico no Fubá

Bibliografia

Livros:

VANNUCCI, Alessandra. Missão Italiana: Histórias de uma Geração de Diretores Italianos no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2014.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

2 comentários sobre “Adolfo Celi (1922-1986)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.