fbpx

Afonso Brazza (1955-2003)

Biografia

FOTO Afonso Brazza 01José Afonso Filho, em arte mais conhecido como Afonso Brazza, foi um cineasta, ator, roteirista, montador, diretor de fotografia e produtor brasileiro nascido em São João do Piauí (PI) no dia 17 de abril de 1955.

Na sua terra natal, não perdia uma sessão do Cine Amazonas, assistindo os western spaghetti italianos. Nessa época, assistiu o filme Gringo, o Último Matador (1972) e ficou fã de Tony Vieira. Resolveu, então, mudar-se para São Paulo, onde fez de tudo um pouco até conhecer Zé do Caixão, com quem começou a trabalhar.

Em 1975, estreou como ator numa ponta no filme A Filha do Padre, ao lado do ídolo Tony Vieira. Trabalhou como ator, roteirista, editor, sonorizador, em quase 50 filmes. Nessa época, Brazza conheceu a atriz Claudette Joubert, então esposa de Tony Vieira e musa dos filmes de baixo orçamento da Boca do Lixo. Anos mais tarde, se casaria e viveria com ela até morrer.

Na década de 1980, com a derrocada do cinema da Boca, mudou-se para Gama, a 30 quilômetros de Brasília (DF), e entrou para o Corpo de Bombeiros. Resolveu então fazer um filme, com as economias que guardara.

Em 1982, ficou pronto O Matador de Escravos. Em seguida, produziu Os Navarros e Santhion Nunca Morre, filmes feitos com parcos recursos financeiros e técnicos, mas que fazem sucesso na região.

Não se importava com as críticas às suas produções, famosas pelos erros de continuidade e pela trama recheada de clichês, uma garantia de diversão da plateia. Eram comuns os tiroteios inexplicáveis e mortes postiças. Brazza costumava dizer que era o pior cineasta do mundo. Foi da combinação de imperfeições, pelo orçamento sempre apertado, que Afonso Brazza deixou sua marca. Com espírito de equipe, os colaboradores do cineasta-bombeiro pipocavam às centenas e, com amadorismo delicioso, imprimiam, acima de tudo, diversão. Até recentemente, para economizar, usava negativos velhos. Fez sete filmes assim.

Tudo começou a mudar com o bom desempenho de público de Tortura Selvagem, lançado em agosto de 2001.

O último filme concluído por Afonso Brazza, Fuga sem destino (2002), teve sua estreia prevista para agosto de 2003. O filme, com elenco de aproximadamente 600 pessoas, entre desconhecidos e ilustres, como Liliane Roriz e Frank Aguiar, tem trama de ação policial: um condenado foge da prisão e volta à morada (o barco Titanic, no Lago Paranoá), mas não consegue se libertar da carreira ilícita. Brazza ainda deixou um filme inacabado: Candango Jango.

Afonso Brazza veio a falecer no dia 29 de julho de 2003, aos 48 anos de idade, vítima de câncer no esôfago, em Gama, cidade-satélite de Brasília (DF). Segundo os médicos do Hospital de Base de Brasília (HBDF), o diretor não queria fazer tratamento e a doença se espalhou para os pulmões, fígado e rins.

Brazza havia dado entrada no HBDF com dificuldades respiratórias e morreu de parada cardiorrespiratória durante uma drenagem no tórax.

O cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão, ator no Tortura Selvagem — a Grade, declarou na ocasião: É a perda de um herói. Ele fazia cinema do jeito que dava para ser feito. Brazza é um exemplo excelente em Brasília. Ele fazia tudo de maneira muito natural. Por isso, Mojica não concordava quando ele dizia que era o pior cineasta do mundo. Exemplo claro da garra foi a realização de um sonho dele, no ano passado, quando lançou o filme em São Paulo.

Vladimir Carvalho, documentarista consagrado, afirmou: Ele (Bazza) tinha um trabalho bastante curioso. A originalidade dele era uma recriação daquilo que experimentou, como espectador, da juventude. Se time de futebol e escola de samba são referências para muitos, o cinema era espécie de equilíbrio para ele, sua forma de expressão. Lamentável esse desaparecimento tão prematuro.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

2002 :: Candango Jango (Inacabado)
2002 :: Fuga sem destino
2001 :: Tortura Selvagem – a Grade
1998 :: No Eixo da Morte
1994 :: Gringo Não Perdoa, Mata
1993 :: Inferno no Gama
1991 :: Santhion Nunca Morre
1984 :: Os Navarros (Em Trevas de Pistoleiros entre Sexo e Violência)
1982 :: Matador de Escravos

:: Filmografia como Diretor de Fotografia ::

2002 :: Candango Jango (Inacabado)
2002 :: Fuga sem destino
2001 :: Tortura Selvagem – a Grade (cofot. Naji Sidki)
1998 :: No Eixo da Morte (cofot. Henrique Borges)
1994 :: Gringo Não Perdoa, Mata
1991 :: Santhion Nunca Morre
1984 :: Os Navarros (Em Trevas de Pistoleiros entre Sexo e Violência) (psd: José Afonso Filho, seu nome de batismo)
1982 :: Matador de Escravos

:: Filmografia como Ator ::

2002 :: Candango Jango (Inacabado)
2002 :: Fuga sem destino
2001 :: Tortura Selvagem – a Grade
2000 :: O Surfista Invisível (CM)
1998 :: No Eixo da Morte
1994 :: Gringo não Perdoa, Mata
1993 :: A Terceira Margem do Rio
1993 :: Inferno no Gama
1991 :: Santhion nunca Morre
1984 :: Os Navarros (Em Trevas de Pistoleiros entre Sexo e Violência)
1982 :: Matador de Escravos
1977 :: As Amantes de um Canalha
1976 :: Traídas pelo Desejo
1975 :: A Filha do Padre

:: Filmografia como Ele Mesmo ::

2015 :: Afonso é uma Brazza

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
______. Dicionário de Fotógrafos do Cinema Brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Afonso Brazza. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/afonso-brazza/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Um comentário em “Afonso Brazza (1955-2003)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.