fbpx

Alain Fresnot

Biografia

Alain Fresnot é um cineasta, roteirista, montador e produtor de cinema nascido em Paris, na França, no dia 06 de junho de 1951. Com uma sólida produção e experiência no setor audiovisual, tem se destacado nos últimos anos, inclusive com uma certa participação na política cinematográfica.

Nascido francês, de origem judaica, migrou para o Brasil com a família aos oito anos de idade para Campinas (SP), onde seu pai instala uma pequena fábrica. Já em São Paulo, frequentou o Foto-Cine Clube Bandeirante e, entre os 15 e 16 anos, o Curso Livre de Cinema da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) e o Curso Superior de Cinema da Faculdade São Luiz.

Faz pequenos filmes em Super-8 e a continuidade para o longa As Amorosas (1968). Aluno da turma de 1971 a 1974 da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), filma curricularmente os curtas-metragens Pêndulo e Doces e Salgados (1974).

Como diretor, dsadsdairigiu a comédia Ed Mort (1996) e produziu os premiados longas-metragens Kenoma, de Eliane Caffé (1998), Através da janela, de Tata Amaral (2000), e Castelo Rá-tim-bum, de Cao Hamburger (2000), além do documentário Saudade do futuro, de Marie-Clémence e César Paes (2001).

Alain Fresnot formou-se em cinema pela ECA da USP em 1976, mas um ano antes já havia fundado a produtora A. F. Cinema e Vídeo. Sua estréia foi como continuísta de As amorosas (1968), de Walter Hugo Khouri. A partir daí, montou, produziu e dirigiu vários filmes curtos, como Pêndulo (1974), Nitrato (1975), Capoeira (1979) e Amor que fica (1986). Foi assistente de direção de Leon Hirszman em Eles não usam black tie (1981), co-roteirista, assistente de direção e montador de Doramundo (1978), montador de O homem que virou suco (1979) ambos de João Batista de Andrade, e montador de Janete, de Chico Botelho (1982) e de A marvada carne, de André Klotzel (1984), trabalho que lhe rendeu prêmio no Festival de Gramado. A comédia Lua cheia (1988) foi sua estréia na direção de longas, e conquistou o Sol de Ouro do RioCine Festival.

Alain Fresnot foi ainda vice-presidente da Associação Paulista de Cineastas e presidente da Comissão Estadual de Cinema de SP. Em 2003 lançou seu mais ambicioso projeto como diretor, o longa Desmundo, uma adaptação do romance de época homônimo de Ana Miranda.

Em 2008, concluiu as filmagens de seu novo longa-metragem de ficção, Família vende tudo, e trabalha nos projetos O princesa de corfu, Xique no Úrtimo e Raul, o início, o fim e o meio (2012).

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

201 :: Uma noite não é nada (Em Produção)
201 :: O princesa de corfu (Em Produção)
201 :: Xique no Úrtimo (Em Produção)
2011 :: Família vende tudo
2002 :: Desmundo
1996 :: Ed Mort
1989 :: Lua cheia
1986 :: Amor que fica
1979 :: Capoeira
1976 :: Trem Frantasma
1975 :: Nitrato
1974 :: Pêndulo

:: Filmografia como Roteirista ::

1989 :: Lua Cheia
1978 :: Doramundo

:: Filmografia como Produtor ::

2016 :: Moto anjos, de Joe Tripician
2012 :: Raul, o início, o fim e o meio
2001 :: Saudade do futuro
2000 :: Através da janela
2000 :: Castelo Rá-tim-bum
1998 :: Kenoma
1996 :: Ed Mort
1979 :: Capoeira
1975 :: Nitrato
1974 :: Pêndulo

:: Filmografia como Montador ::

1984 :: A marvada carne
1983 :: Janete
1979 :: Trabalhadores Presente!
1979 :: O homem que virou suco
1979 :: Capoeira
1978 :: Doramundo
1975 :: Nitrato
1974 :: Pêndulo

:: Filmografia como Assistente de Direção ::

1981 :: Eles não usam black tie
1978 :: Doramundo

:: Filmografia como Assistente de Montagem ::

1978 :: Doramundo

Publicações

FRESNOT, Alain. Alain Fresnot: um cineasta sem alma. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

Bibliografia

Fontes de Referência

Livros:

ALMEIDA, Paulo Sérgio; OLIVEIRA, José Maria de. (org.). Quem é Quem no Cinema. Rio de Janeiro: Iluminuras, 2003.
FRESNOT, Alain. Alain Fresnot: um cineasta sem alma. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.
NAGIB, Lúcia. O Cinema da Retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002. p. 201-208.
PERAÇOLI, Fabio; CANNITO, Newton. Entrevista com Alain Fresnot. Novo Cinema, São Paulo, ano 1, n. 6, mai. 1997. p. 8-9.
TEATRO do Ornitorrinco. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009. 792.0981 To253

Revistas:

BERNARDET, Jean-Claude. Trem fantasma. São Paulo: Dinafilme, 1977. Press-release do filme, doc. 615/3 do acervo da Cinemateca Brasileira.
LEAL, Hermes. Alain Fresnot: não vivemos em Hollywood. In: Revista de Cinema, São Paulo, ano 2, n. 14, jun. 2001, p. 10-18.

Internet:

ALAIN Fresnot. In: ENCICLOPEDIA ITAÚ CULTURAL DE ARTE E CULTURA BRASILEIRAS. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa108143/alain-fresnot. Acesso em: 06 de Mai. 2017.

FILMEB. http://www.filmeb.com.br/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]