fbpx

Ana Lúcia Torre

FOTO Ana Lucia TorreAna Lúcia Torre Rodrigues, em arte mais conhecida como Ana Lúcia Torre, é uma atriz brasileira, nascida em Manaus (AM) no dia 21 de abril de 1945.

Menina ainda, participava de todas as festas da escola. Começou a atuar quando estudava na PUC-SP, à época da fundação do Tuca e lá, integrando, em 1967, o elenco de Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto, montagem com direção de Silnei Siqueira. No mesmo ano, o grupo recebe um convite para representar na França, ganhando o prêmio, em concorrência com 23 países. Em seguida, mudou-se para a Europa, abandonando temporariamente a carreira artística.

Sete anos depois, retomou a carreira em 1975, na volta ao Brasil. No mesmo ano, ficou presa por sete dias, sob alegação que pertencera ao grupo do Tuca, em pleno regime militar.

Já em 1976, foi convidada para atuar na novela Escrava Isaura e, no ano seguinte, foi escalada para fazer Dona Xepa. Daí em diante, não parou mais, brilhando em Ciranda de Pedra (1981), Tieta (1989), Renascer (1993), A Indomada (1997), Porto dos Milagres (2001), Alma Gêmea (2005) e Sete Pecados (2007).

Estreou no cinema em 1980, no filme Um Menino, uma Mulher e fez muitos filmes também, com destaque para Os Xeretas (2001), Quanto Vale, ou é por Quilo? (2005) e O Primo Basílio (2007).

São dezenas de trabalhos em novelas e seriados desde então, além dos filmes e peças como Eles Não Usam Black Tie (indicada para o Prêmio Governador do Estado/RJ), Norma e Seria Cômico se Não Fosse Sério, de Dürrenmatt, que lhe rendeu a indicação de melhor atriz ao Prêmio Shell de 2010 pelo papel da Senhora Klein. Foi contemplada com o Prêmio Mambembe duas vezes: pela mesma peça de Dürrenmatt e por Rasto Atrás, de Jorge Andrade. Foi ainda premiada nos festivais de cinema de Natal, Brasília e CineSesc, além do APCA de Coadjuvante por seu papel na novela A Indomada.

É casada desde 1988 com José Luiz Maffei, seu segundo marido. Do primeiro casamento tem um filho, Pedro (1986).

2021 :: Um Tio Quase Perfeito 2
2017 :: Um Tio quase perfeito
2015 :: Através da sombra
2014 :: Os Homens são de Marte… E é pra lá que eu vou
2013 :: Meus Dois Amores
2012 :: E a Vida Continua…
2012 :: O Absolutismo das Coisas
2011 :: O Mundo de Ulim e Oilut
2010 :: Nosso Lar
2009 :: Os Inquilinos
2008 :: Reflexões de um Liquidificador, de André Klotzel
2007 :: Primo Basílio
2007 :: Na Madrugada (CM), de Duda Gorter
2006 :: Paid (Holanda)
2005 :: Quanto Vale ou É Por Quilo?, de Sérgio Bianchi
2005 :: O Retrato da Felicidade (CM)
2004 :: Como Fazer um Filme de Amor, de José Roberto Torero
2004 :: Francamente (CM), de Duda Gorter
2004 :: O Vestido
2001 :: Os Xeretas, de Michael Ruman
2000 :: Através da Janela, de Tata Amaral
1991 :: A Revolta dos Carnudos
1991 :: Manobra Radical
1989 :: Romance da empregada
1987 :: Ana Lúcia Torre
1980 :: Um Menino, uma Mulher
:: Paúra (CM), de Vicentini Gomes

Fontes de Referência

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Ana Lúcia Torre. Disponível no endereço: https://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/ana-lucia-torre/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]com

2 comentários sobre “Ana Lúcia Torre

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.