fbpx

Angela Maria (1929-2018)

Biografia

FOTO Angela MariaAbelim Maria da Cunha, em arte mais conhhecida como Ângela Maria, é uma cantora e atriz brasileira nascida no dia 13 de maio de 1929 em Macaé (RJ), no distrito de Conceição de Macabu, que na época de seu nascimento fazia parte de Macaé, mas que anos depois foi emancipado e se tornou oficialmente a cidade de Conceição de Macabu.

De família muito humilde, sua mãe era dona-de-casa e seu pai, pastor de igreja evangélica. Por conta disso, desde criança cantava no coral de uma Igreja Batista próxima a sua casa. Com isso, foi aprendendo a amar a música e o universo das melodias. Durante sua infância e adolescência, devido a dificuldades financeiras, morou nas cidades de Niterói, São Gonçalo e São João de Meriti, pois a família estava em busca de uma vida melhor em cidades com mais recursos.

Durante sua juventude trabalhou como inspetora em uma fábrica de lâmpadas (a GE), mas é despedida porque cantava o tempo todo. Foi operária tecelã em uma indústria de tecidos, mas sempre quis ser cantora, sonhava em ir para as rádios e fazer sucesso, mas seu pai era contra por ser muito religioso, querendo que a filha se convertesse na igreja evangélica e casasse cedo, mas ela não tinha desejo de viver assim, e foi atrás do seu grande sonho, que era cantar.

Em 1947, aos 19 anos, trabalhava de dia, e a noite, tentava de todos os meios conseguir vaga em algum programa de música, indo de rádio em rádio fazer inscrições para sorteios, até que conseguiu ser premiada e se apresentou aos jurados em uma rádio, e passou no teste. Com isso, começou a apresentar-se como cantora no Pescando Estrelas, um programa de calouros. Adotou o nome de Ângela Maria para não ser identificada pela família, que se soubesse, não a deixaria nem mais sair de casa. Sua interpretação era considerada belíssima, sempre tirava nota máxima e ganhava todos os concursos. Todos a queriam para cantora e assim, foi cantar no famoso Dancing Avenida. Logo foi descoberta pelo compositor Erasmo Silva, que a leva à Rádio Mayrink Veiga.

Em 1951, com a família já sabendo de tudo e, mesmo a contragosto, após muitas brigas, acabaram aceitando a vontade da filha. Assim, Ângela deu o passo natural a seguir: gravou o primeiro disco, com a música Sou Feliz, de Augusto Mesquita. Veio assim os sucessos que a consagraram e não parou mais. Nessa época recebe o carinhoso apelido de Sapoti.

Com grande sucesso no Brasil, passou a viajar o mundo com canções belíssimas em sua voz considerada muito harmônica. Além de cantora, fez cursos de teatro, e atuou em cinema.

Estreou no cinema em 1952, no filme Com o Diabo no Corpo, seguindo-se muitos outros, na maioria chanchadas. Fez sucesso como no longa-metragem Portugal, Minha Saudade em 1974.

Ângela Maria consagrou-se como uma das grandes intérpretes do gênero samba-canção (surgido na década de 1930), ao lado de Maysa, Nora Ney e Dolores Duran.

Como cantora, gravou dezenas de sucessos como Não Tenho Você, Babalu, Cinderela, Moça Bonita, Vá, mas Volte, Garota Solitária, Falhaste coração, Canto paraguaio, A noite e a despedida, Gente humilde, Lábios de mel, etc.

Em 1994 foi Homenageada pela Escola de Samba Paulistana Rosas de Ouro, que com o Enredo Sapoti, foi consagrada Campeã do Carnaval de São Paulo nesse ano.

Em 1996, foi contratada pela gravadora Sony Music e lançou o CD Amigos, com a participação de vários artistas como Roberto Carlos, Gal Costa, Caetano Veloso, Alcione, Fafá de Belém, entre outros. O trabalho foi um sucesso, celebrado num espetáculo no Metropolitan, atual Claro Hall (Rio de Janeiro), e um especial na Rede Globo. O disco vendeu mais de 500 mil cópias.

Foi uma fase muito feliz da carreira da cantora que, no ano seguinte, apresentou o álbum Pela Saudade que Me Invade, com sucessos de Dalva de Oliveira, e um ano depois gravou, com Agnaldo Timóteo, o CD Só Sucessos, também na lista dos cem álbuns nacionais mais vendidos. Após a saída da Sony, Ângela voltou a gravar em 2003, desta vez pela Lua Discos, o Disco de Ouro, com um viés eclético, abrangendo compositores que vão de Djavan a Dolores Duran.

No ano de 1994, o cantor Ney Matogrosso gravou um disco, Estava escrito, em homenagem a Ângela Maria. O álbum contém canções do repertório da cantora e que ficaram consagradas em sua voz.

Gravou, ao longo de sua carreira, mais de cem LPs e é considerada uma das maiores cantoras brasileiras de todos os tempos. Após um longo período esquecida, grava, em 1996, o disco Amigos, onde canta com os maiores nomes da MPB, entre eles Roberto Carlos e Caetano Veloso. O disco vende 300 mil cópias e é base para um especial da TV Globo. Finalmente, a cantora ganhou um especial à altura de sua importância.

Em 2011, após 45 anos do surgimento da série Depoimentos para a Posteridade do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, foi convidada em 23 de agosto para deixar registrada sua história. Na entrevista contou passagens importantes de sua carreira artística, afirmando ter gravado 114 discos e vendido cerca de 60 milhões de exemplares.

Nas eleições municipais de 2012, candidatou-se a vereadora da cidade de São Paulo pelo PTB, porém não se elegeu.

Em 2015, foi lançada a sua biografia escrita pelo jornalista Rodrigo Faour, que contou com depoimentos preciosos da cantora.

A cantora Angela Maria, faleceu aos 89 anos, no dia 29 de setembro de 2018 em São Paulo. O velório e o enterro ocorreram no dia seguinte no Cemitério Congonhas. Ela estava internada há 34 dias, no Hospital Sancta Maggiore em decorrência de um quadro de infecção. De acordo com a família, foi um período de sofrimento para a artista.

Filmografia

:: Filmografia como Atriz ::

1975 :: A Extorsão
1974 :: Portugal, Minha Saudade
1967 :: Carnaval Barra Limpa
1966 :: 007 1/2 no Carnaval
1961 :: América de Noite (America di Notte) (Brasil/Argentina)
1961 :: Caminho da Esperança
1959 :: Quem Roubou Meu Samba?
1958 :: Rio Zona Norte
1957 :: Dorinha no Soçaite
1957 :: Feitiço do Amazonas (Naked Amazon) (Alemanha/Brasil) (Ângela dança no show de Carlos Machado com Dercy Gonçalves)
1957 :: Metido a Bacana
1957 :: O Samba na Vila
1957 :: Rio Fantasia
1957 :: Com Água na Boca
1956 :: Fuzileiro do Amor
1956 :: Fugitivos da Vida
1956 :: O Feijão é Nosso
1956 :: Tira a mão daí!
1956 :: O negócio foi assim
1955 :: Carnaval em Marte
1955 :: O Rei do Movimento
1954 :: Rua Sem Sol …. atriz convidada
1952 :: Com o Diabo no Corpo

:: Filmografia como Ela Mesma ::

2015 :: Leny, a Fabulosa

Bibliografia

Livros:

AGUIAR, Ronaldo Conde. As Divas do Rádio Nacional: as vozes eternas da Era de Ouro. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2010.
ALBIN, Ricardo Cravo. MPB a História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1998.
ALBIN, Ricardo Cravo. O livro de ouro da MPB: A História de nossa música popular de sua origem até hoje. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.
AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.
CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.
EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1982.
FAOUR, Rodrigo. Angela Maria: A Eterna Cantora do Brasil. : Record, 2015.
MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.
SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Vol 1. São Paulo: Editora 34, 1997.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
VASCONCELOS, Ary. Panorama da música popular brasileira. Rio de Janeiro: Martins, 1965.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Angela Maria. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/angela-maria/
TRIBUNA DE MINAS. Morre a cantora Angela Maria aos 89 anos. Disponível no endereço: https://tribunademinas.com.br/noticias/cultura/30-09-2018/morre-a-cantora-angela-maria-aos-89-anos.html

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados