fbpx

Antártica por um ano (2019)

Trailer

Sinopse

Poster de divulgação do filme, onde se percebe o título em letras brancas escrito em fonte maior a palavra Antártica e em tamanho menor o subtítulo por um ano. A foto ao fundo, que ocupa toda área do cartaz, vê-se o ambiente antártico, com uma montanha com neve com um o mar e navio ao fundo, além de 4 pessoas vestidas com roupas contra o frio intenso com óculos e boinas. Tais pessoas estão dispostas na composição da foto em primeiro plano em relação do mar, navio e montanha nevada. E o primeiro homem, que aparece mais a frente dos outros, aparenta felicidade, levantando um calendário onde se lê o número 2. Ele parece gritar algo. Os outros aparentam felicidade também, sendo que um deles segura uma câmera fotográfica e registra o momento do homem com o calendário.Filme documentário sobre a experiência de um grupo de quinze brasileiros que permanecem por um ano, 12 meses ininterruptos, longe do Brasil, das famílias e dos amigos, na Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), integrando o projeto antártico brasileiro vinculado a Marinha do Brasil, que manteve ativa a estação brasileira que dá apoio às pesquisas científicas do país no continente gelado.

Dirigido por Julia Martins, o longa vai mostrar a experiência de quinze brasileiros que vivem um ano na Antártica. O filme recebeu o prêmio de Melhor Produção no Festival Internacional de Cineastas de Nova York (International Filmmaker Festival of New York). Com produção da 3 Tabela Filmes, em coprodução com Mise en Cine, o documentário tem distribuição da EH! Filmes. Sua estreia está marcada para maio de 2019.

O longa acompanha a rotina de marinheiros que viveram por 12 meses na estação antártica brasileira, apoiando as pesquisas científicas do país no continente gelado. O filme revela as dificuldades da viagem até a estação e os desafios enfrentados pelo grupo no dia a dia, diante de condições climáticas extremas, do isolamento e das saudades das famílias. E como se trata de uma estação brasileira, mesmo em meio à neve e ao gelo, não poderiam faltar churrasco, futebol, carnaval, festa junina… Ao contrário do que se pode esperar de um documentário passado na Antártica, o foco principal do filme não é a natureza, mas sim a experiência humana, e mais especificamente a brasileira.

Os biólogos e cientistas formam grande parte da população flutuante da estação. Esse é um mundo de marfinites, líquens, algas, musgos e briófitas, de coletas, pesquisas climáticas, ondas atmosféricas e medições de relevo… Ao realizar pesquisas substanciais na Antártica, mantendo lá uma estação com propósitos científicos, o Brasil garante a sua participação no Tratado Antártico, o que pode ser muito importante para gerações futuras. A Antártica, devido ao seu isolamento, é como um imenso laboratório ao ar livre que guarda a história do clima do planeta, além de ser o ar-condicionado do hemisfério sul. As suas mudanças climáticas afetam o Brasil.

A equipe do documentário viajou com o grupo desde o início e fez três visitas ao longo do ano até a Estação Antártica Comandante Ferraz. Durante o inverno, quando o acesso à estação se torna impossível, os marinheiros fizeram gravações com uma câmera deixada pela equipe. Dentre as idas e vindas da estação surgiram alguns desafios que precisaram ser superados. A diretora Julia Martins comenta sobre como lidou com as dificuldades: O que pudemos entender rapidamente é que há circunstâncias que vão além do nosso controle e que nos deixam sem escolha. E que diante de uma natureza tão poderosa como aquela ao ser humano só resta procurar se adaptar. Acho que essa é uma mensagem que vem com o filme. Existem forças diante das quais somos muito pequenos. Mas existem também aventuras, ou missões, que nos fazem maiores.

Antártica por um ano conta com depoimentos de marinheiros responsáveis pela manutenção da base e de pesquisadores e cientistas que realizam um trabalho científico na estação e seus arredores. O filme teve apoio da Marinha do Brasil e foi contemplado em edital público da Ancine para sua realização.

O filme Antártica por um ano foi um grande desafio. Como pensar um desenho de produção que funcionasse em um lugar tão isolado e desconhecido, com todas as limitações geográficas e climáticas? Foram 3 viagens em que fomos aprendendo que não adiantava planejar a produção como em outros filmes, a natureza neste longa foi soberana e ditou as regras, comentam as produtoras Fernanda Reznik e Izabella Faya, da 3 Tabela Filmes.

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Antártica por um ano (2019) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Julia Martins
Argumento: Julia Martins
Produção Executiva: Fernanda Reznik e Izabella Faya
Direção de Produção: Fernanda Reznik
Direção de Fotografia: Pedro Urano
Som Direto: Danilo Carvalho
Montagem: Julia Martins
Trilha Sonora Original: João Nabuco
Empresa Produtora: 3 Tabela Filmes
Coprodução: Mise en Cine
Distribuição: EH! Filmes

Bibliografia

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Antártica por um ano. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/antartica-por-um-ano/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.