fbpx

Antonio Segatti

Biografia

Antonio Natalli Segatti Filho, em arte mais conhecido como Antonio Segatti, é um diretor de fotografia e ator brasileiro nascido em Igarapava (SP) em 10 de janeiro de 1939.

Mudou-se para Goiânia em 1958, formando-se em música clássica pelo Conservatório Musical de Goiás. É ator em vários filmes como O Diabo Mora no Sangue (1967), de Cecil Thiré; e Simeão, o Boêmio (1969), de João Bennio.

Entre 1968 e 1972, estudou cinema na Geo Filmes e direção de fotografia no Rio de Janeiro com Ozen Sermet e Ulrich Burtin, dos quais foi assistente em vários filmes. Entre 1972 e 1974, foi diretor de departamento de cinema da TVE e trabalhou como assistente de câmera em várias produtoras como Regina Filmes, Vydia Produções, LM Produções, etc.

Seu primeiro filme como assistente é Karla, Sedenta e Amor (1974), de Ismar Porto, depois As Massagistas Profissionais (1976), Ele, Ela, Quem? (1977), O Sequestro (1981), etc.

Fotografou seu primeiro filme em 1977, o documentário Sangue e Suor: A Saga de Manaus, de Luis de Miranda Correa, a partir do qual desenvolve sólida carreira como fotógrafo de documentários para importantes diretores como Ricardo Stein, José Petrillo, PX Silveira, Carlos Del Pino, etc.

Recentemente foi nomeado diretor do Cine Cultura.

Filmografia

Filmografia: 1977 – Sangue e Suor: A Saga de Manaus (CM); 1978 – Brincadeira dos Velhos Tempos (CM) (cofot. Ramon Alvarado); Camélia (A Mulher Que Comeu o Amante); Caminhos dos Gerais de Bernardo Ellis (CM) (cofot. Ronan de Carvalho); Região Tradição Modernidade (CM); 1979 – Foragidos da Violência; A Pantera Nua; O Selvagem (CM); 1980 – As Fiandeiras (CM); XXV Exposição Pecuária de Goiás (CM); A Primitiva Arte de Tecer em Goiás (CM) (cofot. José Petrillo); 1981 – Cajabinho e Alfenim (CM); 1982 – Projeto Rio Formoso (CM); XVIII Exposição Agropecuária do Estado de Goiás (CM); 1984 – Antártida (MM); 1985 – As Pipas (CM); Alliende Lo Pueblo Entinele (CM); 1987 – A Morenidade do Brasil (CM); 1992 – Iza Brasil (CM); Pedro Fundamental (CM); 1994 – Babaçu (CM); Bernardo Elils Fleury de Campos Curado, Escritor (CM); 1997 – Tempo de Gigantes, Um Conto Sobre Bernardo Sayão (CM); 1999 – Pescador de Cinema (CM) (cofot. Eudaldo Guimaráes); 2000 – Wataú (CM).

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de Fotógrafos do Cinema Brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.