fbpx

As Canções (2011)

Trailer

Sinopse

Projeto surgido de uma ideia muito antiga de Eduardo Coutinho, quando o diretor queria registrar pessoas cantando músicas de Roberto Carlos. Neste filme, isso se abriu para a música em geral.

A estrutura fílmica adotada é a de cante e conte. A pergunta essencial é, por que as pessoas cantam? Eduardo Coutinho e sua equipe saíram em busca de pessoas comuns no centro do Rio Janeiro, montaram uma estrutura no Largo da Carioca, onde encontraram classe média, gente paupérrima, de todos os tipos.

O realizador paulistano entrevistou 42 pessoas que relataram casos particulares relacionados a determinada música. Coutinho ainda não sabe o que será aproveitado no material final, mas adianta que tudo se resume a dois temas: amor e morte. “Tinham que saber cantar minimamente. Não com beleza, mas com força. Só o contar não interessava”.

O interesse por cantores anônimos é antigo, esboçado em vários filmes em que deixa vários de seus depoentes se manifestarem pela música. “Já cantaram até ‘My Way’, mas nunca me preocupei com direitos autorais. Eles cantam a capela, não teria porque pagar. Não é um fonograma. Além disso, meus filmes não dão dinheiro”, defende o realizador.

Coutinho não interferiu na escolha das músicas em seu novo filme. O que importava era a relação com a história pessoal. “Se me falassem que escolheram por uma razão estética, por causa do intervalo de quarta, eu caía fora. Se a música é tecnicamente extraordinária, não me interessa. Colhemos de tudo, até canções próprias. Só não tem funk, mas gostaria que tivesse”.

Boa parte das músicas é antiga, muitas delas de dor de corno. “Falam de um Brasil antigo”, entrega. Outra curiosidade: ninguém se arriscou a cantar músicas estrangeiras.

Coutinho buscou ser o mais plural possível, entrevistando representantes de todas as classes sociais, recrutados no Largo da Carioca, no Centro do Rio de Janeiro. “Ali tem de tudo, da classe média à favela”.

Entre os longas, o novo projeto parece ser o de concepção mais simples. Em uma semana, no mês de fevereiro, Coutinho realizou todas as entrevistas, concentradas no mesmo estúdio onde filmou Jogo de Cena. No trabalho anterior havia certo aparato técnico. Agora, o despojamento é total. “Queria um filme que fosse barato e que pudesse ser feito de forma imediata”, explica o veterano cineasta. Uma das razões é o desgaste com o envolvimento numa produção maior e sob encomenda, que exigiria atores e muitos técnicos. “Quando me falaram que precisaria de um diretor de arte, eu desisti. Era um filme sobre citações e saí fora faltando dois meses para as filmagens”.

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de As Canções que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Eduardo Coutinho
produtor: João Moreira Salles e Maurício Andrade Ramos
fotografia: Jacques Cheuiche
montagem: Jordana Berg
trilha sonora: Valéria Ferro
empresa produtora: VideoFilmes

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.