fbpx

Belas e Corrompidas (1977)

Sinopse

Isabel, fascinada pela personalidade do famoso Landru, o assassino de várias mulheres na França, repete a vida de crimes praticados por ele e, como compensação aos homens que vai matar, faz antes amor com todos eles. Como Landru, ela também varia a forma dos assassinatos para torná-los mais excitantes: um é morto a veneno, outro por decapitação, o terceiro a machadadas e assim por diante. Para seus crimes, ela conta com a ajuda de Tula, uma corcunda, esperançosa de que lhe sobre alguma coisa das conquistas amorosas da patroa.

Elenco

Eudósia Acuña
Marthus Mathias …. Garçon
Érika Maracini
Stella Maia …. Tula, a corcunda
Ênio Gonçalves …. Gardel
Heitor Gaiotti …. Ex-sentenciado
Edward Freund …. Antiquário
Márcia Fraga
Abrahão Farc …. Conferencista
Paulo Domingues
Maria Isabel de Lizandra …. Isabel
Valéria D’Ellia
Carlos Bucka …. Açougueiro
Carmem Angélica
Roberto Miranda …. Noivo
Luigi Picchi …. Tristão
Fernando Reski …. Guarda-noturno
Carlos Reichenbach …. Ygor, o cego

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Belas e Corrompidas (1977) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Fauzi Mansur
Roteiro: Fauzi Mansur e Marcos Rey
Produção: Fauzi Mansur
Produção executiva: Cardoso, José Adalto
Produtor associado: Alonso, Manoel C.; Araújo, João Luíz de
Gerente de produção: Jakoska, Tony
Direção de Fotografia: Portioli, Cláudio
Assistência de câmera: Arjones, Gesvaldo
Efeitos especiais de fotografia: Gigliotti, Cecílio; Henrique, Marino
Direção de som: Macedo, Orlando
Montagem: Fauzi Mansur
Cenografia: Domingues, Paulo
Maquiagem: Henrique, Marino; Gigliotti, Cecílio
Vestuário: Ivan, Pedro
Direção musical: Carlos Reichenbach
Companhia(s) produtora(s): Fauzi A. Mansur Cinematográfica; Virgínia Filmes; Program Filmes; Interlab – Som e Imagem Ltda.
Companhia Distribuidora: Program Filmes

Galeria

Fontes utilizadas:
Guia de Filmes, 73/75
O Estado de S. Paulo, 12.02.1978
Jornal do Brasil, 07.05.1978

Fontes consultadas:
ACPJ/II
Jornal da Tarde, 17.02.1978
Folha de S. Paulo, 15.02.1978 e 27.02.1997
ALSN/DFB-LM

Observações:
Guia de Filmes 73/75 informa que o título do filme “foi alterado pela publicidade paulista – BELAS E CORROMPIDAS – SEXTA-FEIRA AS BRUXAS FICAM NUAS – e também pela carioca – AS FERAS DO SEXO (BELAS E CORROMPIDAS).
ACPJ/II acrescenta no elenco o Palhaço Pipoca e Cavagnole Neto.
Jornal da Tarde de 17.02.1978 informa que o ano de produção foi 1977.
O Estado de S. Paulo indica como subtítulo SEXTA-FEIRA AS BRUXAS FICAM NUAS.
Segundo a Folha de S. Paulo, o filme seria uma versão de LANDRU, O BARBA AZUL de Claude Chabrol. Informa ainda que Fauzi Mansur dirige o filme sob o pseudônimo de Vitor Triunfo.
ALSN/DFB-LM indica: Fauzi Mansur como montador; grafa o nome do assistente de câmera Jesvaldo Arjones; dá como companhia distribuidora Alfa Filmes; grafa os nomes de alguns dos atores Abrahão Farc, Érika Maracini e acrescenta ao elenco Cavagnole Neto, Palhaço Pipoca e Paulo Tachinardi.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Belas e Corrompidas (1977)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.