fbpx

Big Charles (1944-2018)

Biografia

João Carlos Guedes Pimentel, em arte mais conhecido como Big Charles, foi um músico e artista brasileiro nascido em Juiz de Fora (MG) no dia 24 de fevereiro de 1944. Foi um grande talento da música instrumental, em especial do jazz, experimental e MPB. Virtuoso e irreverente, se aprofundou não apenas na música, com lançamento de discos, mas também na pintura de telas abstratas.

Filho mais velho de quatro irmãos, descendente de índios, italianos da Calábria e também dos escandinavos, João Carlos Guedes Pimentel encontrou na música a superação do que se assemelhava a um fardo: a pouca estatura (1,49m). Gigante na bateria, tornou-se Big Charles.

Com o objetivo de tornar-se músico profissional. iniciou seus estudos musicais com nomes como Sut Chagas e Mesquita Junior, no Rio, onde fez carreira. Depois de percorrer os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, Big Charles volta ao Rio, para atuar na tradicional Casa Sambão, onde permaneceu por dois anos junto com o maestro Raul de Barros, tocou com a pianista Tânia Maria. Acompanhou Nelson Cavaquinho, Zé Keti, Monsueto de Menezes e tocou no conjunto de rock argentino La Pesada del Rock and Roll.

No teatro, assinou a percussão e a bateria da peça Missa Leiga, de Sérgio Britto.

Ao longo da carreira, Big Charles fez centenas de shows, em diferentes cidades, gravou inúmeras músicas e discos com nomes importantes da música contemporânea mineira e instrumental, como Kim Ribeiro, Márcio Hallack, Luis Alves, Alexandre Scio, José Luiz Vieira, Glauco Batista e João Medeiros Filho.

Já como músico experiente, também gravou trilhas sonoras para filmes de curta e longametragem, como O Rei do Samba (1999), de José Sette; Geografia do som (2001) e O general (2003), ambos de Fábio Carvalho; e Habita-me se em ti transito (2014), de Cláudia Rangel.

Por seu trabalho musical desenvolvido para o filme Geografia do som, dirigido por Fábio Carvalho (2001), Big Charles foi premiado no Festival de Cinema de Parati (RJ).

Em 2007, em parceria com o saxofonista Glaucus Linx, lançou o álbum Ancestrais Futuros.

Conhecido por seu trabalho como músico e artista plástico, Big Charles enveredou também pela literatura, com a maturidade de quem já escreve há anos, embora nunca tenha tido tempo para organizar seus versos em livro, como ele mesmo revelou à imprensa. Em 2010, lançou o livro de poemas Retrato de Cabeça: um livro de vira-latas, pedras e Deus, editado de forma independente, onde apresentou seus trabalhos poéticos produzidos nos últimos dez anos.

Infelizmente, Big Charles faleceu no dia 17 de janeiro de 2018, aos 73 anos de idade, em Juiz de Fora (MG), vítima de câncer. Já estava internado, desde o final do ano de 2017, em decorrência do implacável avanço da doença.

Big Charles deixou um enorme legado cultural, materializado nas dezenas de cds e músicas gravadas, em suas pinturas e desenhos, nos poemas escritos, no livro editado, além de incontáveis histórias de companheirismo e de amizade que construiu ao longo de sua vida pessoal e profissional. Deixou também um filho, também músico, Pedro Henrique Guedes (Peagah) e um neto.

Filmografia

:: Filmografia como Trilha Sonora ::

2014 :: Habita-me se em ti transito
2003 :: O general
2001 :: Geografia do som
1999 :: O Rei do Samba

:: Filmografia como Técnico de Som Direto ::

2014 :: Habita-me se em ti transito

:: Filmografia como Ator ::

2014 :: Charles Dimileto

Publicações

CHARLES, Big. Retrato de Cabeça: um livro de vira-latas, pedras e Deus. Juiz de Fora: Do Autor, 2010.

Bibliografia

Livros:

Jornais:

MORAIS, Mauro. Vencido por tambores e pratos. In: Tribuna de Minas. 31 de agosto de 2014.
MOSTARO, Carlos Decio; MEDEIROS FILHO, João; MEDEIROS, Roberto Faria de. Historia Recente da Musica Popular em Juiz de Fora: TOMO I. Juiz de Fora: Autores, 1977.
PESSOA, Júlia. Artistas e amigos lamentam perda do baterista Big Charles. In: Tribuna de Minas. 18 de janeiro de 2018.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Big Charles. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/big-charles/
TRIBUNA DE MINAS. Morre o baterista Big Charles, um gigante das baquetas. Disponível no endereço: https://tribunademinas.com.br/noticias/cultura/17-01-2018/morre-o-baterista-big-charles-um-gigante-das-baquetas.html. Acesso em: 17 de jan. 2018.

Franco Groia

Franco Groia

Pesquisador com foco na história do Cinema Brasileiro e desenvolvimento do mercado audiovisual no Brasil, é o criador e Coordenador Geral do Portal 'História do Cinema Brasileiro'. É Professor Universitário na Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO) - Campus Juiz de Fora (MG). contato: [email protected]

Artigos Relacionados

2 comentários sobre “Big Charles (1944-2018)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.