fbpx

Boca de Ouro (1963)

Sinopse

Prepotente e cruel, Boca de Ouro manda arrancar todos os dentes perfeitos, substituindo-os por uma dentadura de ouro. Ele também cultiva o sonho de ser enterrado num caixão de ouro só para recompensar o trauma de ter nascido numa gafieira, e de ter sido abandonado pela mãe numa pia de banheiro. Boca de Ouro começa apresentando seu protagonista, que acabara de morrer assassinado. O repórter Caveirinha, designado para descobrir a verdadeira história do marginal, vai entrevistar sua ex-amante, Guigui, que conta três diferentes versões da vida do bicheiro. Em todas elas, estão envolvidos Leleco, um malandro desempregado, sua mulher, Celeste e três ricaças.

Um famoso bicheiro do subúrbio carioca de Madureira, pede a seu dentista que arranque seus dentes e lhe providencie uma dentadura de ouro, passando a ser conhecido pelo apelido de ‘Boca de Ouro’. Na redação do jornal ‘Sol’ chega a notícia da morte do bicheiro. O repórter Caveirinha sai para investigar o caso e parte em direção a casa de Guigui, ex-companheira do bicheiro, em busca de notícias de algum crime cometido pelo falecido. Ela resiste e, sem saber da morte de Boca de Ouro, revela ao repórter a história do jovem Leleco e de sua mulher Celeste. O jovem passa por dificuldades financeiras e pede um empréstimo ao Boca, que exige ficar a sós com Celeste para conceder o dinheiro. Leleco permite, pois precisa do dinheiro. Boca força uma aproximação, mas Celeste o evita. Quando percebe que o bicheiro não vai lhe pagar, Leleco o ofende. Irritado, Boca mata o rapaz. Guigui descobre que Boca está morto e arrepende-se de ter contado a história. Diz que falou tudo por vaidade e conta outra versão. Desta vez é Leleco quem incentiva a mulher a procurar o bicheiro para conseguir um empréstimo. Celeste conversa com Boca e quando Leleco vai buscá-la ela o surpreende afirmando que de agora em diante ficaria ao lado do Boca. Os dois discutem e Celeste mata Leleco. Agenor, marido de Guigui, irrita-se quando vê o desespero de sua mulher ao saber da morte do Boca. Ao lado de Caveirinha, o casal parte para o necrotério, onde se encontra o corpo do bicheiro. No caminho, Guigui conta a história de Maria Luísa, uma mulher rica que atrapalha os planos de Celeste, agora amante de Boca. Ele a mata para ficar com Maria Luísa. Guigui assusta-se ao ver o caixão com o corpo de Boca e ela e Agenor vão embora. Caveirinha descobre que quem matou o bicheiro foi Maria Luísa e parte atrás do casal para informar a novidade. Os dois perdem-se no meio da multidão.

Adaptação da Obra de Nelson Rodrigues.

Elenco

Jece Valadão …. Boca de Ouro
Odete Lara …. Dona Guigui
Daniel Filho …. Leleco
Shulamith Yaari …. Socialite 2
Maria Pompeu …. Socialite 1
Wilson Grey …. Dentista
Georgia Quental …. Lúcia
Ivan Cândido …. Caveirinha
Maria Lúcia Monteiro …. Celeste
Lisboa, Adriano
Rodolfo Arena
Negra, Pérola
Barbosa, Hildemar
Lima, Ricardo
Copacabana, Paulo
Santos, Francisco
Fernandes, Washington
Abrantes, Julimar
Januário, Jussara
Valença, Solange
Marques, Procópio
Caringi, Paulo
Amado, Maria
Fred, Humberto
Vale, Maurício do
Miranda, Carlos
Maia, Jorge
Keti, Zé
Castro, Josué de
Severino, Jaime
Prates Filho, Edmar
Cardoso, Guy
Lopes, Otolino
Oliveira, Uracy de

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Boca de Ouro (1962) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Nelson Pereira dos Santos
Roteiro: Nelson Pereira dos Santos e Nelson Rodrigues
Adaptação: Nelson Pereira dos Santos
Estória: Baseada na peça teatral Boca de ouro de Nelson Rodrigues
Produção: Barbosa, Jarbas; Perrone, Gilberto
Direção de produção: Higino, Raymundo
Assistência de direção: Souza, Ivan de
Continuidade: Serrão, Rubens
Direção de fotografia: Daissé, Amleto
Câmera: Rosa, José
Assistência de câmera: Rosa, Edson
Direção de som: Felício, Jorge dos Santos; Ribeiro, Nelson
Montagem: Valverde, Rafael Justo
Cenografia: Cajado Filho
Maquiagem: Carias, Paulo; Castelli, Pedro
Trilha musical: Usai, Remo
Companhia(s) produtora(s): Copacabana Filmes Ltda.
Companhia(s) produtora(s) associada(s): Imbracine; Fama Filmes Ltda.
Companhia(s) distribuidora(s): Fama Filmes Ltda.

Prêmios

Prêmio Saci, 1963 de Melhor Fotografia para Amleto Daissé.
Prêmio Governador do Estado de São Paulo, 1963 de Melhor Cenografia para José Cajado Filho.
Prêmio de Melhor Filme, Melhor Diretor para Nelson Pereira dos Santos e de Melhor Ator para Jece Valadão, no 6º Festival de Cinema, 1963.

Bibliografia

Livros:

MARQUES, Aída. O Cinema de Nelson Rodrigues. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.

Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
JCB/BTC
HS/NPS
ExibAn/63
CENS/I
CA/AF

Fontes consultadas:
ACPJ/I
ALSN/DFB-LM

Observações:
ACPJ/I indicou na ficha técnica Alberto Viana e Geraldo José na sonografia; Brasil Vita Filmes S.A. como estúdio de filmagem; Manoel L. Oliveira como assistente de produção; Arnaldo Rossi, como produtor executivo e Arnaldo Zonari como produtor associado. No elenco acrescenta: Carlos Cristiano; Miguel Borges; Plínio Campos; Heloisa Paravici e Leila Lane. Chama o ator Ricardo Lima de Ricardo Luna e Maria Lucia Monteiro de Lucia Monteiro.
ALSN/DFB-LM indica a distribuição da Herbert Richers com tempo de projeção de 102 minutos.
Nome do Festival de Curitiba: Festival de Cinema de Curitiba.
CA/AF informa que o filme fez parte de uma retrospectiva sobre Nelson Pereira dos Santos realizada pelo CEC – Centro de Estudos Cinematográficos em Belo Horizonte, na sala Humberto Mauro. A restrospectiva aconteceu 06.10.1979 a 16.10.1979

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

2 comentários sobre “Boca de Ouro (1963)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.