fbpx

Casamento é Negócio? (1933)

Trailer

Sinopse

FOTO Casamento e NegocioPrimeiro Filme Realizado em Alagoas. Uma moça (Morena), à espera de um bonde, aceita carona de um cavalheiro insistente que, já à porta da casa dela, a convida para um passeio no domingo. Ela aceita, e se despedem. Moacyr, rapaz apaixonado por Morena, consegue marcar um encontro com ela para depois da missa de domingo.

Moacyr chega atrasado à refeição na casa dos pais, desculpando-se e incriminando os negócios que lhe tomam o tempo. Entusiasmado, fala da descoberta de petróleo em Riacho Doce, mas recebe do pai apenas um sinal de descrença. Quando sai, o pai reclama da armação de mais um ‘conto do vigário’.

Numa bela praça pública, um homem humilde pede fósforo a um estrangeiro (como se saberá depois), de barba, com aparência de rico, que lhe propõe uma forma de ganhar dinheiro. Para tanto,o ‘mendigo’ deve aguardar instruções, mantendo sigilo absoluto. Como recompensa inicial, receberá uns ‘trocados’ bastante ‘graúdos’.

No domingo, o cavalheiro do início do filme espera ansioso a chegada de Morena à Lagoa Manguaba. Juntos, pegam um barco e no passeio, ele chama a atenção sobre o Pontal da Barra, para as paisagens das margens e aponta para a bela vegetação de coqueiros. Ao descerem, próximos a uma árvore onde se lê o poema “Velho tronco”, ele a pede em casamento. Contentes, fazem juras de amor e tornam a passear, abraçados.

Em outra praça pública, dois senhores se encontram. Um deles se gaba de ter comprado ações da Companhia de Petróleo. O outro ridiculariza sua decisão.

Na saída da missa, Morena retorna à sua casa acompanhada de Moacyr, que a pede em casamento. Ela recusa, acusando-o de pobretão e demonstrando possuir ambições na vida.

Em uma agitada rua comercial, Moacyr, no interior de um estabelecimento comercial, compra um jornal, fica exultante e leva a notícia para a mãe, que tricoteia diante de uma máquina de costura: ‘A Companhia de Petróleo Nacional S.A. oferece ações para subscritores’. Moacyr expõe a idéia de vender a casa para a compra das ações, mas a mãe recomenda cautela. A Companhia de Petróleo convida a população para o jorro do primeiro jato do ‘ouro negro’.

O mendigo caminha por um longo trecho até se encontrar com o veículo em cujo interior se encontra o senhor ‘estrangeiro’, a quem chama de patrão. Combinam a sabotagem do evento programado pela Companhia Petróleo Nacional. Prepara-se a explosão da torre de petróleo. Um guri, escondido, ouve a conversa. O ‘mendigo’ recebe uma bomba dentro de uma maleta. Próximo à torre de petróleo, Moacyr aguarda, nervoso, a hora de inauguração. O menino, correndo, o avisa do golpe e denuncia o ardil do ‘estrangeiro’. O ‘mendigo’, com dificuldade, consegue acender o pavio, mas Moacyr e o garoto chegam a tempo de evitar o acidente. Um rapaz traz a notícia do primeiro jorro de petróleo. Morena recebe a visita do noivo. Moacyr chega afoito, mas se mantém incógnito ao ver Morena saindo com o cavalheiro. Para procurar na distância o abrandamento de sua dor, conforme afirma uma cartela, Moacyr resolve abandonar a cidade. Despede-se dos pais e parte. Na varanda da casa, sua mãe chora e o pai a consola perguntando se, afinal, ‘hoje em dia casamento é negócio’.

Elenco

Silveira, Bonifácio (Velho)
Girard, Luis
Miranda, Moacir
Cruz, Josefa (Velha)
Fragoso, Agnelo (Vagabundo)
Vieira, Orlando
Montenegro, Armando
Ramalho, Antônio Portugal
Mendonça, Morena
Jucá, Cláudio

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Casamento é Negócio? (1933) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Guilherme Rogato e Etelvino Lima
Roteiro: Guilherme Rogato
Produção Executiva:
Produção: Guilherme Rogato
Assistente de Produção:
Direção de Fotografia: Guilherme Rogato
Operador de Câmera: Guilherme Rogato
Assistente de Câmera:
Diretor de Arte:
Desenho de Produção:
Figurinista:
Cenografia: Guilherme Rogato
Montador:
Som:
Edição de Som:
Letreiros: Carlos Paurílio
Empresa Produtora: Gáudio Filmes
Empresa Coprodutora:
Empresa Distribuidora:

Categorias
Curta-metragem / Silencioso / Ficção

Material original
35mm, BP, 16q

Data e local de produção
Ano: 1933
País: BR
Cidade: Maceió
Estado: AL

Data e local de lançamento
Data: 1933.04.07
Local: Maceió – AL
Sala(s): Capitólio
Exibição especial: 1933.04.03
Local exibição especial: Maceió – AL
Sala(s): Capitólio
Gênero
Drama

Locação: Praça Deodoro, Maceió; Sítio Leopoldis, Maceió; Praça D. Pedro II, Maceió; Lagoa Manguaba, Maceió

Bibliografia

Livros:

. . : , .

Internet:

.

Fontes utilizadas:
Material examinado
JMTR/SHCA

Fontes consultadas:
CS/FCB
AV/ICB
ACPJ/I
Cinearte
EB/PCA
ACPJ/75

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.