fbpx

Chico Anysio (1931-2012)

Biografia

Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho, em arte mais conhecido como Chico Anysio (grafado também como Chico Anísio ou até como Francisco Anisio), foi um humorista, ator, dublador, escritor, roteirista, compositor e pintor brasileiro, nascido na cidade de Maranguape (CE) no dia 12 de abril de 1931. É considerado um dos maiores humoristas brasileiros de todos os tempos.

Na década de 40, mudou-se para o Rio de Janeiro, aos sete anos de idade, após a falência da empresa de ônibus da família. Morador do Catete, contrariou a vontade do pai e do irmão mais velho — botafoguenses convictos — e se tornou vascaíno. Sonhava em ser jogador de futebol. Mas a carreira esportiva logo foi esquecida, quando Chico passou em testes para ser locutor e ator da Rádio Guanabara. Ele ficou em segundo lugar, perdendo apenas para Silvio Santos.

Começou a trabalhar em rádio em 1947, já fazendo tipos e personagens. Nos anos 50, também trabalhou nas rádios Mayrink Veiga, Clube de Pernambuco e Clube do Brasil. Foi na primeira que criou o programa que se tornaria um de seus maiores sucessos, Escolinha do Professor Raymundo, inicialmente composta por três alunos: Afrânio Rodrigues (o que sabia tudo), João Fernandes (o que não sabia nada) e Zé Trindade (o que embromava o professor).

Apesar da tentativa de se tornar um galã de radionovelas, sua veia humorística se destacava desde o início. A rádio Guanabara descobriu meu jeito para imitar vozes. Neste dia perdi minha chance de ser um Tarcísio Meira, contou o comediante em seu site. Foi assim que começou a compor os mais de 70 tipos cômicos que marcariam sua carreira.

Notório por seus inúmeros quadros e programas humorísticos na Rede Globo, Chico Anysio trabalhou ao lado, ou mesmo dirigindo, os maiores nomes do humor brasileiro no rádio ou na televisão, como: Paulo Gracindo, Grande Otelo, Costinha, Walter D’Ávila, Jô Soares, Renato Corte Real, Agildo Ribeiro, Ivon Curi, entre muitos outros humoristas.

Chico Anysio mudou-se com sua família para o Rio de Janeiro quando tinha oito anos de idade. Iniciou no rádio na Rádio Guanabara, onde exercia várias funções: radioator, comentarista de futebol, etc. Participou do programa Papel carbono de Renato Murce. Trabalhou, na década de 1950, nas rádios Mayrink Veiga, Clube de Pernambuco e Clube do Brasil. Nas chanchadas da década de 50, Chico passou a escrever diálogos e, eventualmente, atuava como ator em filmes da Atlântida Cinematográfica.

Na década de 50, escreve roteiros para chanchadas e participa de programas humorísticos na TV.

Estreou no cinema como ator em 1955, no filme O Primo do Cangaceiro.

Na TV Rio estreou em 1957 o Noite de Gala. Em 1959, estreou o programa Só Tem Tantã, lançado por Joaquim Silvério de Castro Barbosa, mais tarde chamado de Chico Total. Além de escrever e interpretar seus próprios textos no rádio, televisão e cinema, sempre com humor fino e inteligente, Chico se aventurou com relativo destaque pelo jornalismo esportivo, teatro, literatura e pintura, além de ter composto e gravado algumas canções.

Em 1962, estreou seu programa próprio, o Chico Anysio Show, na TV Rio. Em seguida transfere-se para a TV Excelsior e finalmente, em 1968, é contratado pela TV Globo, onde permanece até hoje. Com quase 200 personagens, cria tipos inesquecíveis como Coronel Limoeiro, Professor Raimundo, Quenquém, entre tantos outros.

Chico Anysio foi um dos responsáveis pela intermediação referente ao exílio de Caetano Veloso em Londres. Quando completou dois anos de exílio, Chico enviou uma carta para Veloso, para que este retornasse ao Brasil. Caetano e Gilberto Gil haviam sido presos em São Paulo, duas semanas depois da decretação do AI-5, o ato que dava poderes absolutos ao regime militar. Trazidos ao Rio de carro, os dois passaram por três quartéis, até viajarem para Salvador, onde passaram seis meses sob regime de prisão domiciliar. Em seguida, em meados de 1969, receberam autorização para sair do Brasil, com destino a Londres, onde só retornariam no início de 1972.

Desde 1968, encontra-se ligado à Rede Globo, onde conseguiu o status de estrela num cast que contava com os artistas mais famosos do Brasil; e graças também a relação de mútua admiração e respeito que estabeleceu com o executivo Boni. Após a saída de Boni da Globo nos anos 90, Chico perdeu paulatinamente espaço na programação, situação agravada em 1996 por um acidente em que fraturou a mandíbula.

Produziu e estrelou grandes programas humorísticos como Chico City (1973), Azambuja & Cia (1975), Chico Total (1981), Chico Anysio Show (1982), Escolinha do Professor Raimundo (1990), Estados Anysios de Chico City (1991) e O Belo e as Feras (1999).

Em 2005, fez uma participação no Sítio do Pica-pau Amarelo, onde interpretava o Dr. Saraiva e, recentemente, participou da novela Sinhá Moça, na Rede Globo.

A incursão mais recente de Chico Anysio no cinema foi como dublador. É dele a voz do protagonista da animação Up – Altas aventuras, animação do estúdio Pixar. Antes disso, o humorista fez uma participação especial no recordista de bilheteria Se Eu Fosse Você 2, de Daniel Filho. Nos créditos finais fiz questão de colocar ‘senhor Francisco Anysio’. Ele é um astro, merece ser tratado com toda reverência, explicou o diretor em entrevista ao portal G1 durante o lançamento do longa.

Em 1996, o humorista interpretou o personagem Zé Esteves, pai da personagem-título, em Tieta, de Cacá Diegues. O trabalho coincidiu com o aniversário de 25 anos da estréia de Chicono cinema, na pornochanchada O doce esporte do sexo. Antes havia participado de comédias como Mulheres à vista e Cacareco vem aí.

Em 1996 quebra a mandíbula, o que o impede de interpretar alguns de seus personagens. Durante seu casamento com a ex-ministra Zélia Cardoso de Mello (1992/1999), com quem teve dois filhos, morou nos EUA e tentou carreira internacional, como roteirista e show-man. Nos últimos anos tem participado como ator de alguns programas e telenovelas como Terra Nostra (1999), como o Barão Josué; Brava Gente (2002), como Brito; A Diarista (2004), como Rúbio; Siti o do Pica-Pau Amarelo (2005), como Sr. Saraiva; Sinhá Moça (2006), como Everaldo; e Pé na Jaca (2007), como Cigano.

Participou de quase vinte filmes, entre eles O Doce Esporte do Sexo (1972), em que também foi produtor, e Tieta do Agreste (1996). Escreveu o roteiro para dezenas de outros filmes.

Em 2011, em sua última aparição pública, recebeu o prêmio especial do Júri do Festival do Rio pelo seu desempenho no longa A hora e a vez de Augusto Matraga, do diretor Vinícius Coimbra.

O filme é importantíssimo, a obra é linda. Vinícius realizou algo quase inacreditável. É um filme que, tenho certeza, Sergio Leone assinaria com alegria, destacou o bem humorado Chico, que fez questão de receber o Troféu Redentor pessoalmente, mesmo de cadeira de rodas.

Durante sua vida, Chico Anysio foi casado por seis vezes, a saber: Rose Rondelli, Regina Chaves, Nancy Wanderley, Alcione Mazzeo, Zélia Cardoso de Mello e Malga di Paula, com quem esteve casado desde 2001. Com elas teve sete filhos, quase todos ligados ao meio artístico como atores, roteiristas, etc.

É pai do ator Lug de Paula, do casamento com a atriz e comediante Nancy Wanderley; do também comediante Nizo Neto e do diretor de imagem Rico Rondelli, da união com a atriz e vedete Rose Rondelli; de André Lucas, que é filho adotivo; do DJ Cícero Chaves, da relação com a ex-frenética Regina Chaves; e do ator/escritor Bruno Mazzeo, do casamento com a ex modelo e atriz Alcione Mazzeo.

Também teve mais dois filhos com a ex-ministra Zélia Cardoso de Mello, Rodrigo e Vitória.

É irmão da falecida atriz Lupe Gigliotti, com quem contracenou em vários trabalhos na televisão; do cineasta Zelito Viana; e do industrial, compositor e ex-produtor de rádio Elano de Paula.

É tio do ator Marcos Palmeira, da diretora Betse de Paula, da atriz e diretora Cininha de Paula e é tio-avô da atriz Maria Maya, filha de Cininha com o ator e diretor Wolf Maya.

Filmografia

:: Filmografia como Ator ::

2015 :: Os sonhos de um sonhador – A história de Frank Aguiar
2011 :: A hora e a vez de Augusto Matraga
2011 :: Uma Professora muito Maluquinha
2009 :: O Auto da Camisinha
2009 :: Se Eu Fosse Você 2 …. Olavo
2005 :: À Espera da Morte (CM)
2003 :: Por um Fio
1998 :: A Agenda (CM)
1996 :: Tieta do Agreste …. Zé Esteves
1987 :: Tanga, Deu no New York Times
1981 :: O Mundo Mágico dos Trapalhões …. Narrador
1977 :: Roberval Taylor (Inacabado)
1972 :: O Doce Esporte do Sexo
1971 :: O doce esporte do sexo
1960 :: Cacareco vem aí
1960 :: Entrei de Gaiato
1960 :: Duas Histórias (Cacareco Vem Aí)
1960 :: Pequeno por Fora
1960 :: Eu Sou o Tal
1959 :: O Palhaço o Que é?
1959 :: Mulheres à vista
1955 :: O Primo do Cangaceiro

:: Filmografia como Argumentista ::

1960 :: Entrei de Gaiato
1958 :: O Camelô da rua Larga

:: Filmografia como Roteirista ::

1960 :: Entrei de Gaiato

:: Filmografia como Dublador ::

2009 :: Up – Altas Aventuras …. Carl Fredricksen

:: Filmografia como Produtor ::

1996 :: Tieta do Agreste

:: Filmografia como Compositor ::

1985 :: Pedro Mico

:: Filmografia como Ele Mesmo ::

2009 :: Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei
2001 :: Cave, um Passado Brilhante, um Futuro Radiante (CM)

Publicações

ANYSIO, CHICO. Armazém do Chico. : Landscape, 2005.
ANYSIO, CHICO. Carapau. : Rocco, .
ANYSIO, CHICO. Como segurar seu casamento. : Taba, 2000.
ANYSIO, CHICO. É Mentira, Chico?. : , .
ANYSIO, CHICO. Fazedores de histórias. : Prumo, 2010.
ANYSIO, CHICO. Jesuíno, O Profeta. : Rocco, 1996.
ANYSIO, CHICO. Mesa de Boteco: piadas bem temperadas. : Landscape, 2005.
ANYSIO, CHICO. O Analista. : Francisco Alves, .
ANYSIO, CHICO. O Batizado da vaca. : , .
ANYSIO, CHICO. O canalha. : , 2000.
ANYSIO, CHICO. O enterro do anão. : , .
ANYSIO, CHICO. O Fim do mundo é ali. : Prumo, .
ANYSIO, CHICO. O telefone amarelo. : , .
ANYSIO, CHICO. Três casos de polícia. : Escrituras, 2008.

Prêmios

2011 :: Prêmio Especial do Júri do Festival do Rio pelo seu desempenho no longa A hora e a vez de Augusto Matraga

Bibliografia

Livros:

CABRAL, Sérgio. Quanto mais cinema melhor: uma biografia de Carlos Manga. São Paulo: Lazuli Editora, 2013.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Chico Anysio. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/chico-anysio/
WIKIPEDIA. Chico Anysio. Disponível no endereço: http://pt.wikipedia.org/wiki/Chico_Anysio

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

2 comentários sobre “Chico Anysio (1931-2012)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.