fbpx

Chuva é cantoria na aldeia dos mortos (2018)

Sinopse

É noite e a calma reina na floresta que circunda a cidade. Quando os vivos dormem, a floresta acorda. Ihjãc, um jovem indígena Krahô que mora no norte do Brasil, tem pesadelos desde que perdeu o pai. Ele anda no escuro, seu corpo suado se move com cautela. Quando uma canção distante é ouvida através das palmeiras, é a voz de seu pai desaparecido que chama seu filho da cachoeira, porque chegou a hora de organizar a cerimônia fúnebre que conclui o duelo e permite que seu espírito alcance a cidade. dos mortos. Ihjãc decide fugir para a cidade para escapar de seu dever e não se tornar um xamã. Longe de seu povo e sua cultura, ele enfrenta a dura realidade que é sua, sendo um aborígene no Brasil hoje.

Rodado ao longo de nove meses na aldeia Pedra Branca (Terra Indígena Krahô, no Tocantins), sem equipe técnica e em negativo 16mm, o filme acompanha Ihjãc, um jovem Krahô que, após um encontro com o espírito do seu falecido pai, se vê obrigado a realizar sua festa de fim de luto.

As filmagens foram precedidas por uma longa relação de Renée Nader Messora com o povo Krahô, que se iniciou em 2009. Desde então, a diretora trabalha com a comunidade, participando na mobilização do coletivo de cinegrafistas e fotógrafos indígenas Mentuwajê Guardiões da Cultura.

O trabalho do grupo é focado numa utilização do audiovisual como instrumento para a autodeterminação e o fortalecimento da identidade cultural. Em 2014, João Salaviza conheceu os Krahô e, juntos durante longas estadias na aldeia, começaram a imaginar o que viria a ser o filme.

Chuva é cantoria na aldeia dos mortos é produzido por Ricardo Alves Jr. e Thiago Macêdo Correia, da Entre Filmes (responsável pela produção do longa Elon não Acredita na Morte), em coprodução com a portuguesa Karõ Filmes e a Material Bruto, de São Paulo.

O longa foi selecionado na Seleção Oficial do Festival de Cannes 2018, para a mostra Un Certain Regard, que há sete anos não contava com uma produção brasileira, e que tem o ator Benício del Toro como Presidente do Júri.

Elenco

Henrique Ihjãc KRAHÔ – Ihjãc
Raene Kôtô KRAHÔ …. Kôtô

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Chuva é cantoria na aldeia dos mortos (2018) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: João Salaviza e Renée Nader Messora
Roteiro: João Salaviza e Renée Nader Messora
Produção: João Salaviza, Renée Nader Messora, Ricardo Alves Jr. e Thiago Macêdo Correia
Direção de Produção: Isabella Nader
Direção de fotografia: Renée Nader Messora
Montagem: João Salaviza, Renée Nader Messora e Edgar FELDMAN
Som Direto: Vitor Aratanha
Sound design: Pablo Lamar
Mixagem de Som: Ariel Henrique
Empresa Produtora: Entre Filmes
Empresas Coprodutoras: Karõ Filmes | Material Bruto
International Sales: Luxbox

Brasil/Portugal | Documentário | cor | 16mm | 114 min. | 2018

Bibliografia

Internet:

CULTURA ALTERNATIVA. Chuva é cantoria na aldeia dos mortos – Filme. Disponível no endereço: http://culturaalternativa.com.br/filme-chuva-e-cantoria-na-aldeia-dos-mortos/. Acesso em: 29 de abril de 2018.
FESTIVAL DE CANNES 2018. Chuva é cantoria na aldeia dos mortos. Disponível no endereço: https://www.festival-cannes.com/es/peliculas/chuva-e-cantoria-na-aldeia-dos-mortos
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Chuva é cantoria na aldeia dos mortos. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/chuva-e-cantoria-na-aldeia-dos-mortos/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

2 comentários sobre “Chuva é cantoria na aldeia dos mortos (2018)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.