fbpx

Ciclo de Recife

Além do eixo Rio-São Paulo, as capitais de Pernambuco, do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais também começam a produzir. Nascem assim novas produtoras como: Aurora Film, Vera Cruz-Film, Planeta-Film, Veneza-Film e a Olinda-Film.

Em Pernambuco, a história foi marcada pelo Ciclo do Recife, um dos mais importantes e mais movimentados do cinema mudo regionalista, durando cerca de nove anos. Reuniu inúmeros jovens, de diversas categorias profissionais, que dividiam o tempo entre a profissão e a arte de fazer cinema.

Os integrantes da Aurora-Film, apesar das dificuldades financeiras decorrentes do filme “Aitaré da Praia”, partiram para o mais ambicioso dos filmes do Ciclo do Recife, “A Filha do Advogado”, que estreou em 1926 e tinha duração de 92 minutos. O roteiro foi de Ary Severo e a direção de Jota Soares, no elenco estavam além do próprio diretor personagens como Guiomar Teixeira, Euclides Jardim, Norberto Teixeira, Olíria Salgado, Ferreira Castro, Jasmelina de Oliveira e Severino Steves. O filme chegou a ser exibido no Rio, mas as dívidas com a produção foram imensas e a Aurora-Film foi à falência pela segunda vez.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.