fbpx

Cine Capitólio – Porto Alegre – RS

Histórico

Cine-Theatro Capitólio, ou Cine Capitólio, é uma sala de cinema de rua na cidade de Porto Alegre (RS), localizado no Centro Histórico da cidade, na esquina da rua Demétrio Ribeiro com a Avenida Borges de Medeiros. Foi inaugurado no dia 12 de outubro de 1928.

O prédio foi projetado e construído pelo engenheiro Domingos Rocco. Seu primeiro proprietário foi Luís Fallace, que com esta obra se inseriu numa voga cinéfila surgida na década de 1920 na cidade, quando foram abertos dez novos cinemas. O Capitólio possuía um equipamento moderno para a época, e oferecia 1.295 lugares para espetáculos variados, compreendendo projeção de filmes, apresentações de ballet e teatro, e mesmo concursos de misses.

Com o declínio das salas de cinema de calçada a partir da década de 1960, o Capitólio entrou em processo de decadência, que se acelerou com o arrendamento do imóvel em 1969 para o Grupo Serrador, de São Paulo, passando a apresentar uma programação de baixa qualidade e sofrendo alterações na fachada e espaços internos. Nesta época seu nome foi mudado para Cine Premier.

Foi fechado definitivamente em 1994, já bastante deteriorado, tendo inclusive sofrido um incêndio, embora sua importância tenha sido reconhecida desde 1979, quando o prédio foi listado no rol dos bens de interesse cultural do primeiro Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Porto Alegre. Sua inclusão foi confirmada na revisão do Inventário dos Bens Culturais Imóveis do Município de Porto Alegre de 1995, quando sua posse passou para o município, e em 2002 ocorreu seu tombamento em nível municipal.

A ideia da criação da Cinemateca Capitólio nasceu em 2001, a partir de uma mobilização inicial da comunidade cinematográfica, representada pela Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos (APTC-RS).

A partir de 2004, foi iniciada uma parceria entre a FUNDACINE e a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, com apoio da AAMICA (Associação dos Amigos do Cinema Capitólio), com vistas à completa restauração do prédio e sua transformação em uma cinemateca, projeto patrocinado pela Petrobrás, através da Lei Rouanet. O Cine-Theatro Capitólio foi finalmente tombado pelo IPHAE em 2006, após solicitação do IECINE – Instituto Estadual de Cinema.

A reinaugurada Cinemateca Capitólio é administrada pela FUNDACINE em conjunto com a Secretaria Municipal de Cultura. Seu escopo é reunir todo o acervo audiovisual do Rio Grande do Sul. Seus espaços internos foram reorganizados, criando-se uma sala de cinema de 164 lugares, sala de projeção multimédia, café e espaço de exposição e um centro de documentação composto por áreas de acervos, biblioteca e sala de pesquisa de vídeos.

Sua fachada é rica em ornamentação em relevo, típíca do seu estilo eclético. Possui um bloco de esquina mais avantajado, tripartido, com uma entrada maior centralizada no térreo, com outras menores nos lados, protegidas sob projeções decoradas com frisos em motivos florais. Acima destas projeções, lateralmente, janelas triplas se organizam sob um grande arco redondo que sobe até o último pavimento, sendo que o centro deste bloco possui dois grupos de janelas unidas verticalmente por uma mesma moldura e coroadas com pequenos florões. O frontão central se resume em uma platibanda lisa e levemente arqueada, ladeada por frontões mais elevados decorados com relevos e pinhas sobre as pilastras de apoio. À direita deste bloco principal um módulo imita a divisão central do bloco de esquina, e à esquerda uma longa fachada se desenvolve com maior número de módulos similares. Delicadas luminárias de ferro com globos de vidro completam a decoração externa.

Após longo processo de restauro que teve início em 2004, a Cinemateca Capitólio reabriu ao público em 27 de março de 2015, trazendo de volta à capital gaúcha a tradição dos grandes cinemas de rua.

Além de recuperar a vocação original do espaço como sala de exibição, a restauração também teve o objetivo de transformar o prédio em um local destinado à preservação da memória audiovisual do Rio Grande do Sul. A obra foi financiada pela Petrobrás, pelo BNDES e pelo Ministério da Cultura, e também contou com recursos da Prefeitura de Porto Alegre, proprietária do prédio.

Mais do que uma simples sala de exibição, a Cinemateca Capitólio será um espaço cultural exclusivamente dedicado ao setor audiovisual. Conta com uma sala de cinema stadium com 164 lugares, biblioteca, sala multimídia, cafeteria, salas de pesquisa, espaço para exposições e uma área inteira dedicada à preservação de filmes, roteiros, fotos, livros, cartazes e outros itens relacionados à memória do cinema e do audiovisual. O Capitólio também tornou-se a sede oficial do Programa de Alfabetização Audiovisual, projeto desenvolvido pela Secretaria Municipal de Cultura e pela Secretaria Municipal de Educação, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul e financiamento do Ministério da Educação. Além de desenvolver seus projetos habituais, o Programa de Alfabetização Audiovisual passa a responder pela ação educativa da Cinemateca Capitólio.

Bibliografia

Livros:

Internet:

O CAFÉ. Capitólio reabre no aniversário de Porto Alegre. Disponível no endereço: http://ocafe.com.br/cinema/capitolio-reabre-no-aniversario-de-porto-alegre/. Acesso em: 01 de julho de 2017.

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Cine Capitólio. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/cine-capitolio-poa/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.