fbpx

Cine Líbero Luxardo – Belém – PA

Histórico

Inaugurado em 1986, o Cine Teatro Líbero Luxardo é um espaço cultural de múltiplo uso, gerenciado, desde a sua implantação, pela Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, o “Cineminha do Centur”, como é mais conhecido, vem arregimentando, ao longo desses dezoito anos de atuação, um crescente número de frequentadores, através de uma seleta programação cinematográfica que privilegia a exibição de cinema de autor, curtas-metragem, documentários, festivais étnicos, clássicos do cinema, entre outros gêneros, visando proporcionar ao grande público um acesso mais fácil ao cinema como linguagem de comunicação pluricultural, a preços simbólicos, com capacidade para cem lugares, poltronas estofadas, com dois camarins e todo climatizado, o Cine Líbero Luxardo dispõe de dois projetores para películas de 35 mm e um para 16 mm.

Em 1996, sofreu reformas patrocinadas pelo Banco Central, inauguradas com uma mostra de filmes do diretor alemão Fritz Lang. Em junho de 1997, iniciou uma programação regular na linha “cult”, através de mostras de documentários, filmes nacionais e estrangeiros, curtas-metragem, sempre privilegiando trabalhos cinematográficos comprometidos com uma linguagem artística de qualidade reconhecida pela crítica e pelo público.

A política do “cineminha do Centur”, como é mais conhecido, visa atender um público exigente, os aficcionados, e estimular a formação de novas platéias, junto à juventude paraense, através de sessões gratuitas ou a preços simbólicos. Na esteira dessa proposta, o Cine Líbero Luxardo também disponibiliza suas instalações para a realização de eventos afins, intra ou extra institucionais, como espetáculos musicais, teatrais, palestras, conferências, seminários e oficinas, de cunho artístico-cultural.

Quem foi Líbero Luxardo
Líbero Luxardo, natural de São Paulo mas radicado no Pará na década de 1940, foi jornalista, político, intelectual e cineasta de grande expressão na cultura regional, autor dos romances Marajó e Um dia qualquer. Foi, também, um renovador da cinematografia nacional com o curta metragem Aruanã e os longas, Um Dia Qualquer, Marajó, Barreira do Mar e Três Balas e um Diamente – sobre o garimpo paraense – dos quais participaram apenas atores locais, e com os quais deu origem à indústria cinematográfica local.

Finalidade
* Desenvolver uma política de popularização do chamado “cinema de arte”, até então apreciado por um público, bastante, restrito.
* Apoiar a produção cinematográfica paraense
* Facilitar aos estudantes o acesso à filmes Platéia, no qual o ingresso é franqueado a esse público específico.
* Promover sessões matinais e vespertinas, destinado ao público infanto-juvenil, através de parceria com a CLI, na programação de vídeo, realizada pela Seção de Áudiovisual.

Projetos
* Projeto Platéia – realizado as quartas-feiras, no qual a sessão de cinema é, precedida por comentários feitos por um crítico de cinema convidado, sendo a entrada franca para os estudantes.
* Projeto Amigos do Cinema – consiste em buscar patrocínio, junto a iniciativa privada, para implementação de melhorias referentes ao espaço físico e recursos técnicos do cinema.

Funcionamento
* Regularmente de 4ª a domingo, com sessões às 19:30 horas.
* Toda 4ª acontece o Projeto Platéia, no qual a entrada é franqueada aos estudantes.

Contato

Cine Líbero Luxardo
Av. Gentil Bittencourt, 650
Fones: (091) 3202 4321
Fax: (091) 3202 4351
Email: [email protected]

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.