fbpx

Cine Progresso – Rio de Janeiro – RJ

Histórico

Cine Progresso foi uma sala de cinema localizada em Campo Grande, zona rural carioca Inaugurada em 30 de julho de 1928, tinha capacidade de 320 lugares, na rua Campo Grande, era propriedade do empresário Emílio Vertulli.

Foi uma das salas de cinema que fizeram sucesso na zona rural carioca. O luxo não era exatamente a característica do Cine Progresso, mais conhecido como o cinema do seu Vertulli, por causa do nome do seu dono.

Localizado no bairro mais populoso do município do Rio de Janeiro, com aproximadamente 350.000 habitantes (IBGE/2010). Pode-se afirmar que o começo do crescimento populacional do bairro está atrelado à implantação, em 1878, de uma estação da Estrada de ferro D. Pedro II em Campo Grande. O primeiro trecho dessa estrada de ferro foi inaugurado em 1858, ligando a freguesia de Santana a Queimados (atual município da Baixada Fluminense). Vinte anos depois, chegou a Campo Grande, impulsionando o crescimento populacional do bairro, ligando-o ao restante da cidade. Assim, o transporte ferroviário acabou auxiliando na transformação desta região tipicamente rural em urbana, ao facilitar o acesso até o centro da cidade.

Em 1894, com a concessão cedida à empresa particular Companhia de Carris Urbanus, para explorar a linha de bondes à tração animal, surgiu a possibilidade das localidades mais distantes serem alcançadas, facilitando o desenvolvimento urbano interno. A linha de bonde puxado a burro entre Campo Grande e Santa Clara foi inaugurada em 1898.

Com os trens e os bondes, Campo Grande passou a ter acesso a pontos distantes do Rio de Janeiro. O bonde de Campo Grande foi uma das últimas linhas a sair de operação, em 1967.

A partir de 1915, os bondes à tração animal foram substituídos pelos elétricos, permitindo maior mobilidade e integração entre os núcleos semi-urbanos já formados. A Companhia de Bondes Elétricos de Campo Grande e Guaratiba passou a operar em 17 de maio de 1917.

Até a construção das estradas de rodagem, os bondes serviram na produção agropecuária de Campo Grande e áreas adjacentes. Após isso, o serviço ficou reduzido a passageiros e pequenas cargas que não eram aceitas nos ônibus. Mesmo assim, em maior número, os ônibus não anularam os bondes, já que, ainda em 1962, os bondes de Campo Grande transportavam aproximadamente meio milhão de pessoas.

O Cine Progresso fechou as portas em 17 de julho de 1966.

Com o fim dos bondes em Campo Grande, no ano de 1967, restaram algumas marcas de trilhos pelo bairro durante décadas seguintes, apagadas com o tempo e pelo progresso na região, ditado pela urbanização em andamento na área.

Bibliografia

Livros:

Internet:

FACEBOOK. Disponível no endereço: https://www.facebook.com/aecg.rio/photos/a.519831548177142/1241996395960650/?type=3&theater
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Cine Progresso. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/cine-progresso/
MEMÓRIAS DE CAMPO GRANDE. Trens e bondes em Campo Grande. Disponível no endereço: http://memoriascampogrande.blogspot.com/2016/01/trens-e-bondes-em-campo-grande.html?m=1
RIO DE CORAÇÃO TOUR. Disponível no endereço: https://riodecoracaotour.com.br/um-cinema-a-altura-do-valor-de-campo-grande/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.