fbpx

Cláudio Cunha (1946-2015)

Biografia

Cláudio Francisco Cunha, em arte conhecido como Claudio Cunha, foi um cineasta, roteirista, ator e produtor brasileiro nascido em São Paulo (SP) em 29 de julho de 1946.

Após concluir dois cursos de teatro – um com Eugênio Kusnet, introdutor do Método Stanislavski no Brasil e outro na FAAP, começou sua carreira artística como ator de televisão, no início dos anos 1960, indo trabalhar na extinta TV Excelsior (SP).

Seus primeiros passos como ator, foram dados na novela “Sangue do Meu Sangue”, de Vicente Sesso, dirigida por Sérgio Brito.

Estreou no teatro com a peça “A Irmandade dos Maridos Puros” (1969), a convite de Atila Iorio, no Teatro das Nações (SP). Fez “Hair”, sob a direção de Ademar Guerra e, em seguida, a novela Meu Pedacinho de Chão, de Benedito Ruy Barbosa, dirigida por Dionisio Azevedo, produzida pela TV Cultura (SP) em 1971.

No cinema estreou como ator, no filme As Mulheres Amam pôr Conveniência (1972), de Roberto Mauro e produziu o filme O Poderoso Machão (1970), roteiro escrito em parceria com o novelista Silvio de Abreu, com direção de Roberto Mauro.

Sua estreia na direção de seu primeiro longa-metragem aconteceu em O Clube das Infiéis (1972), roteirizado por Marcos Rey. Alternou-se, a partir de então, trabalhando como ator, produtor e diretor, em pornochanchadas de muito sucesso, principalmente na década de 1970.

Convidado pelo autor Benedito Ruy Barbosa, associado ao ex-governador Laudo Natel, dirigiu O Dia Em Que O Santo Pecou (1973). Depois vieram: Snuff – Vítimas do Prazer (1974 – 4 milhões de espectadores), escrito em parceria com Carlos Reichenbach; “Amada Amante” (1976 – 5 milhões de espectadores) e Sábado Alucinante (1979), ambos roteirizados por Benedito Ruy Barbosa; O Gosto do Pecado (1979), escrito em parceria com Inácio Araújo e Profissão Mulher (1982), adaptado do livro Animal dos Motéis, de Márcia Denser e OH! Rebuceteio (1983), escrito em parceria com Mário Vaz Filho.

Voltou às suas origens de ator com a peça “O Analista de Bagé”, baseado no “best-seller” de Luís Fernando Veríssimo. Foi parar no Guinness Book, com 2 recordes: a peça há mais tempo em cartaz e o ator há mais tempo permanente num personagem. Para o teatro produziu “Ricardão SOS” – escrito em parceria com Marcelo Madureira (Casseta & Planeta)” . Com Gugu Olimecha, escreveu e produziu: “A Cama Cor de Rosa”, “O Brasil de Cuecas”, “Eu Te Amo Mensalmente ” “Atrás do Susexo”, “Um Avião na Minha Cama” e “É Tudo Piada”, acumulando as funções de diretor e ator. Na televisão, teve um quadro fixo no programa “A Praça é Nossa”, formando dupla com Edna Velho e Paola Rodrigues, “Benzão e Nenezona”. Na TV Globo, participou da mini-serie “Araponga”, vivendo o personagem “Coruja”.

Protagonizou o caso intitulado o “Sedutor”, no programa Linha Direta, além de participações no programa “Zorra Total” (TV Globo).

Depois de vários sucessos no Cinema Brasileiro, o cineasta paulistano Cláudio Cunha voltou as suas origens de ator, na pele do Analista de Bagé. Nos últimos anos vem se dedicando ao teatro, como produtor, diretor e ator em O Analista de Bagé, grande sucesso, em cartaz há anos em São Paulo, peça que pretende levar às telas. Aos poucos o personagem foi criando vida própria distanciando-se do original. Cunha usa a caracterização do machão gaúcho para dar vazão ao exercício de palco desenvolvido em anos de estrada, fazendo as pessoas rir. Visto-me de gaúcho para ganhar a vida. E isso me dá um grande prazer.

Fã da cultura gaúcha, ele acaba de escrever um livro de anedotas As Melhores Piadas de Bagé, editado pela Matrix, em fase de lançamento. “É pra rachar o bico!” Quanto ao cinema, pretende voltar muito breve, para isso esta trabalhando na adaptação do livro Bom Crioulo, romance naturalista de Adolfo Caminha. E conclui: “Meia idade é essa fase da vida em que o trabalho dá mais prazer e o prazer mais trabalho”.

Foi casado com a atriz Simone Carvalho.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

1984 :: Oh! Rebuceteio
1982 :: Profissão Mulher
1980 :: O Gosto do pecado
1979 :: Sábado Alucinante
1978 :: Amada amante
1977 :: Snuff – Vítimas do Prazer
1975 :: O Dia Em Que O Santo Pecou
1972 :: O Clube das Infiéis

:: Filmografia como Ator ::

1972 – As Mulheres Amam por Conveniência
1973 – Sob o Domínio do Sexo
1975 – Clube das Infiéis
1976 – O Poderoso Machão
1977 – A Praia do Pecado; Vítimas do Prazer (Snuff)
1978 – Amada Amante; Damas do Prazer
1979 – A Dama da Zona (Hoje Tem Gafieira)
1981 – Karina, Objeto do Prazer
1984 – Oh! Rebuceteio

:: Filmografia como Roteirista ::

1982 :: Profissão Mulher
1978 :: Amada amante
1977 :: Snuff – Vítimas do Prazer

:: Filmografia como Produtor ::

1982 :: A Reencarnação do Sexo

:: Filmografia como Ele Mesmo ::

2008 :: Minami em Close-up: a Boca em Revista (CM)

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

CORREIO DO POVO.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Cláudio Cunha. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/claudio-cunha/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Cláudio Cunha (1946-2015)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.