fbpx

Coisas Nossas (1931)

Sinopse

O primeiro longa brasileiro realizado através do “único sistema verdadeiro” de filme sonorizado. Musical inspirado nas produções de Hollywood, apresentando aspectos de um Brasil dos anos 20 e início dos 30. Satiriza alguns conflitos urbanos: dois amigos, após uma discussão, decidem fazer juntos uma serenata para uma namorada em comum, mas acabam trocando tapas durante os preparativos, depois de um trapacear o outro. Um bêbado é encarregado de cortar o cabelo do filho de um cliente em uma barbearia, enquanto o cliente e o dono do estabelecimento conversam sobre a vida: a situação termina em grande confusão pelo péssimo serviço feito na cabeça do menino. Dois compadres se encontram para conversar e contar uns “causos” depois de um deles ter sido impedido de tocar suas músicas no hotel onde se hospedava, na cidade. Também é tratada a condição do negro escravo. (Resumo a partir de descrição da trilha sonora original, in: AJP/CN-VPMB)

Elenco

Lara, Zezé
Redondo, Jaime
Cunha, Corita
Paraguaçu
Procópio Ferreira
Macedo, Stefania
Oliveira, José
Carvalho, Helena Pinto de
Gaó
Arruda, Sebastião
Calazans e Rangel
Pilé
Batista Jr.
Pascuma, Arnaldo
Tavares, Napoleão
Zezinho
Biolo, Nenê
Piolin
Camargo, Alzirinha

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Coisas Nossas (1931) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Wallace Downey
Produção: Wallace Downey
Câmera: Lustig, Rodolfo; Kemeny, Adalberto
Sonografia: Moacyr Fenelon
Companhia Produtora: Byington e Cia.

Bibliografia

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. ///

Fontes utilizadas:
MRG/CCP
JCB/OESP
Cinearte
A Scena Muda, n. 558, 01.12.1931
JCB/Chan
CEPA/CBCP, citando Gazeta do Povo, Curitiba, 20, 24 e 25.02.1932 e de 23.06.1932
JRT/MPTC
ABL/FEC, p.433
AJP/CN-VPMB

Fontes consultadas:
AV/ICB
ACPJ/I
CS/FCB
ACPJ/75
ACPJ/CB: 1906-1968
JN/Imigrantes – Americanos I

Observações:
Sessão para a imprensa a 21.11.1931, no Rosário.
JN/Imigrantes – Americanos I informa que Downey “usou o equipamento dos discos Columbia (…)”.
CEPA/CBCP informa que trata-se do “primeiro filme brasileiro no sistema Vitafone”, e citando Gazeta do Povo de 23.06.1932 acrescenta “(…) produção sonora, cantada e dansada (…)”.
CS/FCB informa que a fita era “totalmente falada” sem especificar o processo; Cinearte, 18.11.1931, indica “primeiro filme filmado e gravado ao mesmo tempo no Brasil”, sem tampouco especificar o processo técnico.
A Scena Muda informa tratar-se do “1§ film fallado e cantado por brazileiros, feito no Brazil (…)”.
JCB/Chan comenta: Inaugura no Brasil o filme revista e marca o início do relacionamento rádio-cinema, tornando-se pioneiro de um filão importante que se desenvolveria nos anos 30 no Rio de Janeiro.
Crítica negativa em Cinearte, 15.09.1933.
ACPJ/I informa direção e argumento de ; direção de fotografia de ; como câmera; música de , e ; canção Não me perguntes, Tarde Sertaneja e Três Lágrimas. Ao elenco acrescenta , , Jararaca e Ratinho, Justo, , e Príncipe Maluco.
Cinearte, 16.12.1931, acrescenta ao elenco .
A Scena Muda, 01.12.1931, acrescenta a participação do Jazz da Columbia e .
CEPA/CBCP escreve, citando Gazeta do Povo de 24.02.1932, (…) grandiosa revista nacional filmada pela Casa Byington e Cia., de São Paulo. COISAS NOSSAS, genero Paramount em ‘grande gala’, em que tomam parte os melhores artistas do palco brasileiro (…).
JCB/Chan informa que era diretor da Columbia em São Paulo e tentaria mais tarde reeditar o grande sucesso deste filme com o projeto fracassado COISAS NOSSAS DE 1935″ e que “fez uma referência direta ao filme em trecho de cortado pela censura”.
ACPJ/75 e ACPJ/CB: 1906-1968 indicam como produtor.
Conforme JN/Imigrantes – Americanos I, a câmara Bell-Howell, de , aparece no trailer de COISAS NOSSAS/1930, incluído no documentário PANORAMA DO CINEMA BRASILEIRO (1968).
AJP/CN-VPMB informa: câmeras Bell e How tipo sonoro; lâmpadas para internos Kgiels-Bross e Filme Pancromático Dupont.
Fotografias: Cinearte, 28.10 e 02.12.1931; Diário Nacional: 22.11.1931; A Scena Muda, 01.12.1931; JN/Imigrantes – Americanos I; JN/Imigrantes – Húngaros I.
Ilustrações: O Estado de São Paulo, 08.11 e 17.12.1931.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.