fbpx

Colé (1919-2000)

Biografia

FOTO Cole 01Petrônio Rosa de Santana, em arte conhecido como Colé Santana ou simplestemente Colé, foi um ator, dramaturgo, produtor e diretor de teatro brasileiro, nascido na cidade de Cruzeiro (SP) no dia 01 de dezembro de 1919. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 29 de agosto de 2000.

O ator e comediante do cinema, teatro e televisão Petrônio Rosa de Santana era popularmente conhecido como Colé. Estreou no circo aos 12 anos, como ajudante de palhaço, com a função de distrair a platéia enquanto os cenários são trocados: sua falta de graça lhe rende o apelido de Picolé. No picadeiro, trabalha também como acrobata e adestrador de elefantes.

Estréia no teatro no fim dos anos 30, na Companhia Típica Brasil, na qual fica até 1940, quando entra para a Companhia de Carambola e assume o pseudônimo de Santana Júnior. Em 1941, assina contrato com Jardel Jércolis e estréia em sua companhia na revista Filhas de Eva, de Jardel e Custódio Mesquita. Nesse conjunto, viaja pelo Brasil e adota o nome artístico de Colé. Ao voltar para o Rio de Janeiro, tem seu primeiro sucesso cômico na revista Hoje Tem Marmelada, de Jardel Jércolis e Luiz Peixoto, em 1942.

No teatro de revista, o ator se consagra com o tipo malandro e mulherengo que o leva para o rádio e o cinema. Em seguida, é contratado pelo empresário Chianca de Garcia e atua ao lado de Dercy Gonçalves, Grande Otelo e Virgínia Lane em espetáculos como O Rei do Samba, de Chianca de Garcia e Joaquim Maia, 1947, e Um Milhão de Mulheres, de J. Maia e Humberto Cunha, que é reencenado durante três anos, ambos com direção de Olavo de Barros.

Na década de 50, orientado por Procópio Ferreira, monta companhia própria. Um de seus maiores êxitos, sempre no gênero da revista, é Gente Bem e Champanhota, de J. Rui, Humberto Cunha e Colé, em 1955, sátira ligeira à elite social da época. Popularizou-se contracenando com Grande Otelo e Oscarito, na época das chanchadas Áurea, nos anos 50.

Nos anos 60 e 70, Colé voltou sua carreira para a televisão, onde participa de programas humorísticos.

Teve representativa participação também no cinema, tendo atuado em O Cortiço, adaptação de Luiz de Barros para o romance de Aluísio de Azevedo, 1945; a primeira chanchada Segura Esta Mulher, direção de Watson Macedo, 1946; Estou Aí, direção de Cajado Filho, 1948; O Falso Detetive, direção de Cajado Filho, 1951; Mulher de Verdade, direção de Alberto Cavalcanti, 1954; do underground Júlio Bressane atua em O Gigante da América, 1978; Tabu, em que faz o papel de Oswald de Andrade (1890 – 1954), 1983; Lili, a Estrela do Crime, direção de Lui Farias, 1988. Participou de O Segredo da Mumia (1982) sob a direção de Ivan Cardoso, ao lado de Wilson Grey, Regina Casé e Cláudio Marzo, Brás Cubas (1986) sob a direção de Júlio Bressane, ao lado de Luís Fernando Guimarães, Ankito, Regina Casé e Wilson Grey. Seu último filme nenhum cinema foi O Escorpião Escarlate, em 1991.

Colé Santana atuou e produziu espetáculos para o teatro de revista nas décadas de 50 e 60. Em setembro de 1954, o Teatro Carlos Gomes do Rio de Janeiro recebia a companhia de revistas do humorista, com uma participação de Nélia Paula. Em 1955, apresentava nenhum Teatro Follies, no Rio de Janeiro, Gente Bem e Champanhota.

Em 1984, foi montada uma última revista no Rio de Janeiro, o espetáculo “Eu Vou na Banguela delas”, tendo Cole e a vedete Nélia Paula.

Em 20 de janeiro de 1951 entrava no ar uma Tupi carioca. De lá era transmitido o programa “Personagens célebres”, de Haroldo Barbosa, com o comediante Cole. Contratado da Rede Globo, Colé chegou a participar de humorísticos como “Os Trapalhões” e “Balança Mas Não Cai”. Lembrando que Petrônio Rosa de Santana era filho de uma dupla de artistas circenses e foi ajudante de Palhaço quando criança. Colé era tio de Dedé Santana.

Faleceu aos 82 anos, de falência múltipla dos órgãos.

Filmografia

1991 O Escorpião Escarlate
1988 Lili, a Estrela do Crime
1986 As Sete Vampiras
1985 Brás Cubas
1983 Os Bons Tempos Voltaram: Vamos Gozar Outra Vez
1982 Tabu
1981 O Segredo da Múmia
1978 Bububu no Bobobó
1978 O Gigante da América
1977 O Ibrahim do Subúrbio
1975 As Aventuras d’um Detetive Português
1974 A Transa do Surf
1972 Com a Dama na Cabeça
1970 Jesus Cristo… Eu Estou Aqui
1959 Dona Xepa
1957 Um Pirata do Outro Mundo
1956 Eva no Brasil
1954 Malandros em Quarta Dimensão
1954 Mulher de Verdade
1953 Três Recrutas
1952 :: Carnaval Atlântida
1951 O Falso Detetive
1949 Todos por Um
1949 Coração Materno
1948 Poeira de Estrelas
1948 Estou aí
1946 Segura esta Mulher
1945 O Cortiço
1945 Loucos por Música

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.