fbpx

Como Esquecer – O Filme (2010)

Sinopse

Filme fala sobre conflitos e sentimentos que são comuns à maioria das pessoas. Assim, as situações e emoções vivenciadas na trama são passíveis de pertencer à trajetória de qualquer um de nós, tornando a história envolvente, divertida e emocionante.

Duas mulheres formam o par amoroso central, mas quando a relação se desfaz, todo um deserto de lembranças e sofrimentos nos é revelado. Em meio a uma série de conflitos internos e diante da necessária readaptação para uma nova vida, Júlia, a protagonista, não disfarça sua dor enquanto narra suas emoções. Ao longo do filme, ela vai encontrando e se relacionando com outras pessoas que também estão vivendo, cada uma a seu modo, a experiência de ter perdido algo muito importante em suas vidas. Todas elas compartilham a experiência da dor, da solidão assim como o desejo por dias melhores.

Tratando de temas universais e tão comuns à vida contemporânea como o amor, a perda, a solidão, a amizade e o sexo, a história de Como Esquecer ganha de imediato a identificação e a cumplicidade do espectador. independente de sua opção sexual. A história mostra conflitos e sentimentos que são comuns à maioria das pessoas. Assim, as situações que estão presentes na trama podem estar acontecendo, ter acontecido ou ainda acontecer na trajetória de cada um de nós. Esse é um dos pontos fortes de Como Esquecer: a identificação do publico com o filme, sempre permeada por humor e emoção.

A proposta da direção, da produção e de todos os envolvidos no projeto, é a de realizar um longa-metragem de alta qualidade técnica e estética. Entendemos que nosso grande objetivo é ter um filme que conquiste o público, gerando identificação, e sensibilizando os espectadores garantindo, dessa forma, retorno de crítica e público.

A história tem como cenário a cidade do Rio de Janeiro, com todas as suas peculiaridades, mas também poderia ser ambientada em qualquer ambiente contemporâneo já que aborda um tema universal e atemporal: Qual é a natureza do amor? E quando esse mesmo amor se vai?

O filme nos traz personagens cujos sentimentos, suas ações e suas reações estão muito próximas de nós. Uma trama instigante que fala de pessoas comuns enfrentando os desafios de superar as dores do passado e a busca de uma nova chance de encontrar a felicidade.

O espectador vai acompanhar cada instante da jornada dilacerante e desafiadora de Júlia, uma professora de literatura inglesa, 35 anos, que luta para vencer a depressão e reconstruir sua vida depois de viver uma intensa e duradoura relação amorosa com a enigmática Antônia. Abandonada e mergulhada numa dolorosa aprendizagem da agonia, Júlia vê sua vida e seus valores estilhaçados pela melancolia. O que lhe resta são fragmentos, por vezes desfocados, de memória. Ela troca o dia pela noite. Às três da manhã pode estar trabalhando diante do computador em sua tese de doutorado sobre O morro dos ventos uivantes e às duas da tarde, dormindo debaixo dos cobertores. Sobre seu relacionamento com os amigos Julia tem consciência de que eles não sabem o que fazer diante de um desespero de longo curso que não da sinais de melhora: Minha depressão os esmaga…. O mundo contemporâneo mostra-se pouco à vontade ante uma dor que excede seus prazos exíguos. O sofrimento alheio dá enjôo. Pouco importa que se tenha perdido tudo. E daí?

Mas Júlia se surpreende com as novas possibilidades que se abrem para sua vida, depois que ela decide dividir uma confortável casa nas proximidades do Rio com seu melhor amigo Hugo, um ator que ainda se recupera da dor de ter perdido para o câncer o seu companheiro, e com Lisa, uma jovem professora que vive uma tumultuada relação com o namorado depois de se descobrir grávida.

Em torno da nova morada do trio, transitam ainda: Carmem Lygia, aluna Júlia; Nani, o novo namorado de Hugo; e Helena, prima de Lisa, que com seus dotes culinários e alto poder de agregação torna o ambiente vívido e luminoso, despertando em Júlia sentimentos adormecidos como a ternura, o encantamento e a sedução.

Júlia, Hugo, Helena, Carme Lygia, Lisa, Nani. Pessoas comuns que tentam, cada uma a seu modo, enfrentar as suas dores e seus bloqueios: a perda de um grande amor, a morte, o medo de recomeçar, o desejo de ousar. Num clima ao mesmo tempo dramático, emocional e divertido, os personagens do romance de Myriam Campello, como todos nós, enfrentam o mesmo desafio: sobreviver aos valores descartáveis de nossos dias, sem fugir da experiência humana de desejar, amar e enfrentar as conseqüências de suas decisões.

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Como Esquecer – O Filme (2010) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Malu De Martino

Bibliografia

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Como Esquecer – O Filme. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/como-esquecer/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.