fbpx

Elias Gleizer (1934-2015)

Biografia

Ilicz Glejzer, em arte conhecido como Elias Gleizer, foi um ator brasileiro nascido em São Paulo (SP) no dia 04 de janeiro de 1934.

Filho de judeus poloneses que fugiram da perseguição na Europa, Elias Gleizer apareceu na TV Tupi, em fim da década de 1950, no especial José do Egito (1959) e fez a novela “José do Egito”, em 1959. Depois engatou uma série enorme de novelas e outros teleteatros, na TV Tupi. Fez nada menos que 25 trabalhos.

Constituiu sólida carreira na telinha, ao participar de dezenas de novelas, com seu físico avantajado, sempre em papeis de bom pai, ou bom avô, ou de padre. Seu tipo bonachão, um corpo grande, aliados ao olhar doce, encaixam-se sempre em variados papéis. Dessas 25 novelas, citemos as mais importantes, que fez na TV Tupi. Fez: “Se o Mar Contasse”; “O Mestiço”; “Olho Que Amei”; “A Outra”; “A Inimiga”; “A Ré Misteriosa”; “Os Irmãos Corsos”; “Presídio de Mulheres”; “Os Rebeldes”; “Antônio Maria”; “Nino, o Italianinho”; “Simplesmente Maria”; “A Fábrica”; “Signo da Esperança”; “Rosa dos Ventos”; “Salário Mínimo”; “Xeque-Mate”; “O Machão”. Quando a TV Tupi foi fechada, Elias Gleiser foi para a TV Bandeirantes. Lá fez: Dona Santa e Sabor de Mel. No SBT fez Acorrentada e Uma Esperança no Ar.

Foi quando ingressou na Rede Globo de Televisão. E mais uma vez, engatilhou uma série de 25 participações em teledramaturgia. Seu tipo físico e seu jeito de atuar, parece abrirem-lhe os caminhos. Jamais se casou nem teve filhos. Fez várias novelas, sendo um dos atores mais versáteis e talentosos do meio artístico de sua época.

Assim, em quase cinquenta anos de carreira, destacam-se Antonio Maria (1968), A Fábrica (1971), Vila do Arco (1975) e Sabor de Mel (1983). Em 1984 vai para a TV Globo e estreia em Livre para Voar e também não para mais, como em Fera Radical (1988), Anjo de Mim (1996), Terra Nostra (1999), As Filhas da Mãe (2001), Sinhá Moça (2006), Pé na Jaca (2007) e Caminho das Índias (2009), como o velho Cadore.

FOTO Elias Gleizer 02Estreou no cinema em 1965, no filme Quatro Brasileiros em Paris (1965), e atuou também nos filmes Os Diabólicos Herdeiros (1971), Didi Quer Ser Criança (2004) e Divã (2009).

Infelizmente, o ator Elias Gleizer faleceu no dia 16 de maio de 2015, aos 81 anos, no hospital Copa D’Or, em Copacabana, no Rio de Janeiro. Ele estava internado desde o dia 06 de maio, após fraturar cinco costelas e perfurar o pulmão numa queda em uma escada rolante numa galeria em Copacabana. A morte foi consequência de complicações que levaram à falência circulatória por conta de uma bronco-pneumonia.

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Elias Gleizer. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/elias-gleizer/
OGLOBO.COM. http://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/morre-ator-elias-gleizer-aos-81-anos-16181152?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo. Acesso em: 16 de maio de 2015.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.