fbpx

Enrique Diaz

FOTO Enrique DiazEnrique Díaz Rocha, em arte mais conhecido como Enrique Diaz, é um ator de cinema, teatro e televisão, além de diretor e produtor teatral nascido na cidade de Lima, no Peru, no dia 19 de setembro de 1967. Estudou jornalismo e publicidade.

Filho de uma brasileira com um agrônomo e diplomata paraguaio, Juan Díaz Bordenave, Enrique Diaz é radicado no Brasil. Tem cinco irmãos, sendo um deles o ator Chico Díaz.

É um dos fundadores da Companhia dos Atores, que dirigiu desde 1990 até 2012, sua concepção do espetáculo tem como principais elementos a linha de interpretação dos atores, milimetricamente coreografada, além da pesquisa da intercessão entre teatro e vídeo. Prestigiado por suas concepções cênicas, vem sendo convidado para dirigir espetáculos e shows de artistas de primeira grandeza. Mantém sua carreira de intérprete ativa, alternando-se entre o teatro, cinema e televisão.

Sua carreira começou em 1980 no teatro. Entre 1982 e 1984, faz uma série de cursos livres de interpretação, estreando como ator em teatro jovem, sob a direção de Carlos Wilson. Em 1984, por sua atuação na peça O Dragão Verde, texto e direção de Maria Clara Machado, recebe o Prêmio Mambembe de teatro infantil. No ano seguinte, atuou em Linguagem do Silêncio, espetáculo de mímica moderna de Lina do Carmo e estreou no teatro adulto em Os Melhores Anos de Nossas Vidas, texto e direção de Domingos Oliveira.

Sua primeira experiência como profissional aconteceu na peça Honey Baby. Estreou no cinema em 1985, no filme Urubus e Papagaios.

Além de atuar, passou também a dirigir, com muita competência. Participa de peças importantes como A Morta, de Oswald de Andrade; Só Eles o Sabem, de Jean Tardieu, etc. Em 1986, protagoniza Woyzeck, de Georg Büchner, direção de Moacyr Góes. Em 1989, atuou em A Estrela do Lar, de Mauro Rasi, ao lado de Marieta Severo, com quem voltará a dividir o palco seis anos depois em A Torre de Babel, de Fernando Arrabal, com direção de Gabriel Villela.

Em 1988, dirigiu um espetáculo de forte caráter experimental, Rua Cordelier, Tempo e Morte de Jean Paul Marat, 1988, coletânea de textos de Georg Büchner, Heiner Müller e Peter Weiss, embrião do que desenvolve como encenador junto à Companhia dos Atores, grupo que realiza em média um novo trabalho a cada dois anos.

Em 1991, recebeu o Prêmio Molière de Melhor Direção na peça A Bao A Qu (Um Lance de Dados). O crítico do Jornal da Tarde, Alberto Guzik, observando o talento do jovem encenador, considerou o espetáculo raro, inteligente, provocativo e bem realizado. Em 1992, o crítico Nelson de Sá considerou a encenação de A Morta, de Oswald de Andrade (1890-1954), o melhor espetáculo em cartaz na cidade. Aimar Labaki escreveu na revista Vogue: Sério, competente e bem-humorado, Diaz consegue a proeza de não ser impostado. Os anos 1990 já acharam a sua primeira cara. E ela é bem viva. Em Só Eles o Sabem, de Jean Tardieu, 1994, Diaz valoriza o jogo dos contrários proposto pelo texto. Segundo o crítico Macksen Luiz: A encenação de Enrique Diaz tem a leveza e a medida do humor proposto pela peça. O espetáculo explora a linguagem do melodrama com um tal rigor de construção que não deixa escapar o ritmo da montagem e sustenta o desenho cênico com total coerência.

Em 1995 e 1996, Melodrama, de Filipe Miguez, lhe vale cinco prêmios: Mambembe, Shell e Sharp, no Rio de Janeiro e em São Paulo. De 1995 a 1997, Enrique Diaz assume a direção artística do Teatro Ziembinski e, em 1998, do Espaço Cultural Sérgio Porto, ambos da Prefeitura do Rio de Janeiro.

Em 1999, dirigiu Cobaias de Satã, de Filipe Miguez, e, no primeiro trabalho fora da companhia, As Três Irmãs, de Anton Tchekhov, produção de Maria Padilha. O crítico Macksen Luiz analisa a linguagem: A encenação de Enrique Diaz é radicalmente lúdica, na forma como brinca com o jogo de sentimentos que Tchekhov distribui pelo tempo das quatro estações. O diretor lança sobre o texto um sopro de humor, no sentido tchekhoviano (uma apreciação amargamente irônica das fraquezas humanas). (…) destila as personagens como se confrontasse aquilo que dizem com a ação que os impulsiona. (…) decompõe as cenas em quadros ágeis, nos quais os atores se desprendem da tensão dramática ensombreada para iluminar com tensão mais reticente a dramaticidade. (…) Do rendilhado de afetividades que Tchekhov tece com minúcia, Enrique Diaz retirou formas mais exuberantes de exposição, desprezando tudo aquilo que poderia ficar subentendido. (…) o diretor traz ao palco o espírito Tchekhoviano, mesmo que com um olhar nada complacente com os habitantes de um mundo de sombras.

Em 2000, o diretor monta O Rei da Vela, de Oswald de Andrade, procurando atualizar o texto, por meio da imagem e da música, e valorizar a comunicalibilidade da montagem. O crítico do Jornal do Brasil considera que este tratamento se interpõe à captação do espírito de O Rei da Vela como manifesto alegórico de um processo social em permanente decomposição.

Em 2001, foi para os Estados Unidos estudar cinema e interpretação em Saratoga Springs, no verão, e em Nova York, no outono, com Anne Bogart e SITI Company, trabalhando sobre as técnicas de treinamento de Tadashi Suzuki e a técnica de improvisação Viewpoints, advinda da dança moderna.

Na televisão, atuou das minisséries Desejo (1990) e Anos Rebeldes (1992), assim como da primeira fase da novela Pantanal (1990). Em seguida participou de Irmãos Coragem (1995), A Muralha (2000) e Filhos do Carnaval (2006).

No cinema, tem marcantes participações em filmes como em Kenoma (1998) e Redentor (2004).

Enrique Diaz é casado com a atriz Mariana Lima, com quem tem duas filhas (Elena e Antonia).

Filmografia

2019 :: A Torre
2014 :: Não Pare na Pista – A Melhor História de Paulo Coelho …. Pai de Paulo Coelho
2013 :: Noites de Reis
2010 :: A Verdadeira História da Bailarina de Vermelho
2009 :: Moscou
2006 :: Amigo Invisível
2005 :: Casa de Areia …. Luís – 1919
2004 :: Redentor …. Morais
2003 :: A Espera (CM) (animação-dublagem)
2002 :: A Janela Aberta
2002 :: Carandiru …. Gilson
2002 :: As Três Marias …. Zé das Cobras
2000 :: O auto da compadecida …. Capanga
1999 :: Outras Estórias
1998 :: Kenoma …. Jonas
1996 :: Como Nascem os Anjos …. Camarão
1994 :: Lamarca …. Motorista da Van
1990 :: O Quinto Macaco (The Fifth Monkey) (EUA) …. Mineiro
1988 :: O Mistério no Colégio Brasil
1985 :: Urubus e Papagaios

Bibliografia

Artigos:

GUZIK, Alberto. Citado em COMPANHIA dos Atores. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Grupo Artes Cênicas.
LABAKI, Aimar. Citado em COMPANHIA dos Atores. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Grupo Artes Cênicas.
GUZIK, Alberto. A Cia. dos Atores. In: Programa do espetáculo Cobaias de Satã. Rio de Janeiro, 7 de jun. 1998.

Periódicos:

LUIZ, Macksen. Tchekhov numa encenação radicalmente lúdica. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 18 jan. 1999.
LUIZ, Macksen. Versão morna da iconoclastia. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 12 fev. 2000.
LUIZ, Macksen. O teatro carioca nos anos 90. Sete Palcos, Coimbra, Portugal, n. 3, p. 28, set. 1998. Edição especial sobre o Teatro Brasileiro.

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

ENCICLOPÉDIA ITAÚ CULTURAL. Enrique Diaz. Disponível no endereço: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa18673/enrique-diaz/
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Enrique Diaz. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/enrique-diaz/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

4 comentários sobre “Enrique Diaz

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.