fbpx

Fauzi Mansur

Biografia

Fauzi Abdalla Mansur, conhecido como Fauzi Mansur, é um cineasta brasileiro.

O flerte de Fauzi Mansur com a sétima arte começa longe daqui, em Alexandria, no Egito. Em viagem turística pelo Oriente, faz curso de cinema, despertando um desejo que ele mesmo desconhecia. Na volta ao Brasil, aperfeiçoa o aprendizado no curso da Escola Superior de Cinema São Luiz. Em meados da década de 1960, do flerte à paixão, apenas um instante.

Fauzi Mansur dispersa em si uma certa afinidade com a montagem. Começa, então, como assistente no filme Riacho de sangue (1966), de Fernando de Barros, e Anjo assassino (1967), de Dionísio Azevedo. É a entrada no cinema profissional, que se consuma ao fazer assistência de direção para Carlos Coimbra em Os cangaceiros de Lampião (1968) e A madona de cedro (1968). E dá conta do recado.

Convidado por Dedé Santana, prossegue na função em Deu a louca no cangaço (1968), dirigido por Nelson Teixeira Mendes, que sai na metade do filme. Fauzi Mansur assume a direção. Ainda com Dedé Santana, dirige 2000 Anos de Confusão (1969) e, posteriormente, um dos filmes de Renato Aragão, A Ilha dos Paqueras (1970). Fauzi Mansur está mais preparado para vôos solos.

Considerado por muitos como o melhor trabalho, Sedução (1974) é um filme requintado, comédia nostálgica das boas. Uma viagem de volta aos anos 1930, que satiriza a máfia. No elenco, Ney Latorraca e Sandra Bréa. Prêmio de melhor filme e direção no Festival de Cinema de Guarujá, São Paulo, em 1974.

Não é difícil constatar que Fauzi Mansur é um diretor que não se apega a determinado gênero. Na literatura adapta o clássico O guarani (1979), de José de Alencar. No final dos anos 1970, as comédias e dramas eróticos vão perdendo terreno. Mansur mergulha nos filmes de sexo explícito sob pseudônimos de Bako, Victor Triunfo (homenagem às ruas Victória e Triunfo, locais da Boca do Lixo), Izuaf Rusman (anagrama do nome). Faz também filmes de terror em 16mm, distribuídos no mercado de home video norte-americano, e em cinamas de segunda categoria.

Bibliografia

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]