fbpx

Felipe Bragança

Biografia

Felipe Bragança é um cineasta, roteirista e produtor brasileiro nascido no Rio de Janeiro em 1980. Graduou-se em Cinema pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

É jovem diretor carioca que começou a trabalhar no cinema no início dos anos 2000. Trabalha junto com Marina Meliande desde a época da faculdade de cinema (UFF), co-dirigindo dois curta-metragens premiados, Por Dentro de Uma Gota D’água e O Nome Dele (o Clóvis), apresentados em mais de 50 festivais de cinema no Brasil e no mundo – incluindo Oberhausen, Tampere, Pusan e Cork.

Em 2005, Felipe dirigiu um terceiro curta-metragem premiado, Jonas e a Baleia e começou uma prolífica parceria com Karim Aïnouz, como diretor-assistente e roteirista – em O Céu de Suely, Alice (série da HBO Latin America) e Praia do Futuro (proximo filme do diretor cearense).

Felipe também atuou como roteirista para jovens diretores brasileiros, como Eduardo Valente e Helvécio Marins Jr..

Como parte de uma nova geração de realizadores brasileiros, cansados dos ideais de nostalgia de uma década de 60 idealizada, Felipe e Marina Meliande desenvolveram a trilogia Coração no Fogo focada em questionar certas tendências do realismo no cinema brasileiro.

Coração no Fogo é formada pelo musical digital de baixíssimo orçamento A Fuga da Mulher Gorila (Premiado em Tiradentes e apresentado em Locarno 2009), Desassossego (um filme coletivo experimental que reune fragmentos de 10 realizadores, entre eles, Karim Aïnouz) e A Alegria, filme central e fundador da trilogia. Felipe e Marina Meliande vêem esse conjunto de filmes como canções juvenis sobre a renovação do entusiasmo e da utopia no panorama do cinema brasileiro contemporâneo.

Em direção solo, fez ainda os curtas Jonas e a Baleia (2006), apresentado no Festival de Oberhausen; o vídeo ZAHY (2012), convidado por Apichatpong Weerasethakul para a Bienal de Sharjah 2013, e o filme-piloto Claun (Parte 1: Os Dias Aventurosos de Ayana), parte de um projeto multimídia para web e com estréia mundial no Festival de Rotterdam 2013.

Como roteirista, escreveu os longas Girimunho (2011), de Helvécio Marins e Clarissa Campolina; No Meu Lugar, de Eduardo Valente; e Heleno – O Príncipe Maldito (2011), de José Henrique Fonseca, além de uma longa parceria com Karim Ainouz, como nos filmes O Céu de Suely e Praia do Futuro.

Em 2017, lançou o longa-metragem Não Devore Meu Coração!, que fez sua estreia no prestigiado Festival de Sundance 2017.

Bibliografia

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Felipe Bragança. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/felipe-braganca/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]