fbpx

Felipe Hirsch

Biografia

Felipe Hirsch, ou Carlos Felipe Lopes Werneck Hirsch, é um Diretor, dramaturgo, cenógrafo, produtor de teatro e cinema, nascido em 1972, na cidade do Rio de Janeiro. É um dos fundadores da Sutil Companhia de Teatro.

Começa a se envolver com teatro ao estudar a arte na teoria, em 1991. Com 21 anos, dirige sua primeira peça, “Baal Babilônia”, de Fernando Arrabal. Em 1993, funda, com o amigo e ator Guilherme Weber, a Sutil Companhia de Teatro, que percorre o País em temporadas de grande sucesso.

Diretor Artístico da Sutil Companhia de Teatro, coleciona mais de 150 prêmio e indicações nos 18 anos de existência. Criou, entre outros, os espetáculos “Avenida Dropsie”, sobre a obra de Will Eisner, “Os solitários”, com Marco Nanini, “A Vida é Cheia de Som & Fúria” e “Estou Te Escrevendo de um País Distante” (tese de doutorado na USP da Dra. Célia Arns de Miranda), além de outros premiados espetáculos.

Trabalha e pesquisa constantemente com a mesma equipe, o que intensifica o desenvolvimento de seus projetos.

Dirige Paulo Autran no clássico “O Avarento”, de Molière, e encena uma versão de “O Castelo do Barba Azul”, na temporada de 2008 no Municipal de São Paulo com a qual venceu o Prêmio Carlos Gomes de Melhor Montagem de Ópera do Ano.

Ainda no ano de 2006, é escolhido pelo jornal O Globo como um dos “100 Brasileiros Geniais – um dos mais influentes pensadores do país”.

Em 2008, a peça de câmara “Não Sobre o Amor” vence o Prêmio Shell e recebe o Prêmio Bravo! de Melhor Espetáculo do Ano.

No início de 2009, estreia, com imenso sucesso de público e crítica, a peça “Viver Sem Tempos Mortos”, com Fernanda Montenegro. Ainda em 2009, Insolação, seu primeiro longa-metragem é selecionado para o Festival de Veneza, ocupando lugar de destaque na mostra Novas Correntes do Cinema Mundial.

“Pterodátilos”, com Marco Nanini e Mariana Lima, recebe mais de 30 prêmios e indicações. Em 2012, a Sutil Companhia de Teatro estreia, com enorme repercussão, o épico “O Livro de Itens do Paciente Estevão” e dirige as óperas “Violanta”, de Korngold, e “Tragédia Florentina”, de Zemlinsky. No ano de 2013, lança com grande sucesso de crítica a minissérie “A Menina Sem Qualidades”, na MTV.

Desde 2010, é colunista do jornal O Globo.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

2018 :: Severina
2016 :: A Última juventude
2009 :: Insolação

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Felipe Hirsch

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.