fbpx

Festival Internacional de Curtas começa em plataforma online

O Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum chega à sua 31ª edição com 212 filmes produzidos em 46 países. A programação neste ano será online, entre os dias 20 e 30 de agosto de 2020, e de forma gratuita.

Para a criadora e diretora do festival, Zita Carvalhosa, a realização do festival de forma virtual foi grande desafio e uma oportunidade para que um público maior possa ter acesso aos curtas-metragens.

Quando, no mês de março, a gente já imaginou que não conseguiria fazer o festival presencial devido à pandemia, decidimos abrir as nossas telas para os curtas que tinham se inscrito, mais de 3 mil curtas. Se por um lado, não encontramos as pessoas nas salas, por outro lado, o festival está no Brasil inteiro e isso é muito legal, disse ela.

A diretora destacou que a diversidade é pauta fundamental do festival há anos, o que se aplica também a esta edição. A questão do respeito à diversidade é muito importante em nosso país hoje. Eu acho que essa é uma pauta fundamental, a gente trabalhar contra essa desigualdade inacreditável que atravessa o Brasil e sobre o respeito à diversidade, que também está um pouco ameaçado.

Ela conta que, no festival, há curtas realizados por indígenas, negros e trans, e que a organização tenta fazer uma programação que contemple a diversidade. Se a gente pudesse pensar um tema que passa pelo festival todo, eu acho que é a importância de se ver nas telas, porque há tanta diversidade, tantas possibilidades e as pessoas estão querendo se expressar dentro da realidade delas. Isso é muito presente na produção desse último ano.

A programação é dividida em mostras e programas temáticos e um deles é o Novas Áfricas, que destaca a presença negra nas telas. Há mais filmes de realizadores brasileiros negros no festival deste ano, com produções muito boas, então sentimos que a presença em tela está crescendo e vemos isso na competição de curtas, na Mostra Brasil, nas oficinas, em todos os pedaços do festival, disse Zita.

O programa Novas Áfricas tem curadoria de Claire Diao, jornalista e crítica de cinema francesa com origem em Burkina Faso, na África, considerada uma especialistas na cinematografia contemporânea da África e da diáspora africana. São 13 obras, realizadas de 2017 a 2019, em países como Senegal, Marrocos, Congo, Quênia e Líbia. Diao participa ainda da Masterclass A Importância de Existir nas Telas.

Como acompanhar

Os filmes, as lives e demais atividades virtuais serão acessíveis no endereço kinoforum.org.br ou nos aplicativos innsaei.tv para celulares, tablets e smart TVs, disponíveis nas lojas do Google Play ou Apple Store. Para televisores, utilizar Airplay e Chromecast.

Hoje (20), às 20h, será realizada cerimônia virtual de abertura, com exibição de títulos de destaque do festival. Ao longo da programação, além da exibição dos curtas-metragens, estão agendados encontros, debates, masterclass, atividades de formação, um seminário internacional e happy hours.

Segundo a diretora, o esforço maior foi buscar, no ambiente virtual, o próprio ambiente do evento, com seus fundamentais encontros entre o público cinéfilo, os cineastas e profissionais de várias latitudes e longitudes. “Para isso, buscamos uma parceria que aceitasse essa premissa de construir uma plataforma especialmente desenhada para um festival com programação dinâmica e com a possibilidade de apresentar sessões de filmes e garantir as trocas entre as pessoas”.

Para saber sobre a programação completa, CLIQUE AQUI.

(Fonte: JB/Agência Brasil)

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.